Aluno de teatro da Casa das Artes recebe indicação ao prêmio de melhor ator do Festival de Gramado

O curta-metragem “O menino da Terra do Sol” cada vez mais ganha destaque no estado. Ele entrou em competição no certame Curtas Gaúchos no Festival de Cinema de Gramado, que ocorre de 16 a 24 de agosto. O ator principal Eduardo Giovanella de Almeida também está competindo na categoria Melhor Ator.

 

Dirigido por Michel Marcheti da Rosa, o filme retrata a história de Nini, um menino tímido do interior que vive intensamente a solidão da infância e vai atrás de seu sonho de ser escritor. Baseada na infância do escritor Flavio Luis Ferrarini, a produção teve locações em Nova Pádua e Flores da Cunha e foi gravada em maio de 2018.

 

O diretor do filme, Michel Marchetti, destaca que o ponto de partida para a adaptação foi os contos poéticos presentes na coletânea “O menino da Terra do Sol” que retrata a infância de Flavio Luis Farrarini na década de 60 em Travessão Paredes: “esse período é muito pouco falado nos livros ou outras obras artísticas. Se fala muito do início do processo da Imigração Italiana, mas e suas gerações, como lidaram com o mundo se transformando a sua e que sonhos tinham? O filme coloca a questão do êxodo rural, entre outras temas, na figura de um menino que, quando o pai chega com uma máquina de escrever, desperta nele um desejo que aos poucos se concretiza dentro dele de ser escritor”. 

 

Eduardo Giovanella de Almeida é aluno das Oficinas de Teatro da Fundação Casa das Artes desde o ano passado. Em seu currículo já atuou em diversas peças, sendo protagonista em quatro, e, atualmente, faz preparação e intensivo na área em São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba. Eduardo comenta que “todo trabalho foi realizado com muita dedicação e empenho e tive uma experiência única com a equipe e o elenco. E, agora, ter sido indicado ao Prêmio de Melhor Ator, no Festival de Gramado, está sendo uma grande vitória”.

 

CURTA: O MENINO DA TERRA DO SOL

Direção: Michel Marchetti / 18′ 30″

Distribuidora: Alba Arte

Roteirista: Marcelo Andrighetti e Raquel de Marco

Elenco: Eduardo Giovanella de Almeida, João Pedro Prates, Renato Robaínna Santacaratina, Emanuele Granslevicz, Davi Canabarro de Lima Schimitz, Gabriel Giovane Borsatto, Rafael Franskowiak, Andrea Grecco – como Mãe do Nini e Miguel Foppa

Direção de Fotografia: Dandy Marchetti

Direção de Arte: Sheila Marafon

Trilha Musical: Michel e Dandy Marchetti

Desenho de som: Michel Marchetti

Imagem: Divulgação/Alba Artes

filme festival de Gramado

Grandes marcas confirmam presença na Movelsul Brasil 2020

Feira está com 75% dos espaços disponíveis comercializados e ocorre de 16 a 19 de março, em Bento Gonçalves

A Movelsul Brasil, principal feira de móveis da América Latina para o lojista e importador, já está com 75% dos seus espaços comercializados para a próxima edição, que se realiza de 16 a 19 de março de 2020, em Bento Gonçalves. Grandes marcas como Bertolini, Carraro, Castor Colchões, Caemmun, Kappesberg, Moval, Herval, DJ Móveis e Tramontina estão confirmadas. A feira espera 200 expositores de alta escala, decoração, móveis planejados e mobiliário corporativo.

Uma agenda intensa de projetos paralelos amplia os atrativos da Movelsul Brasil para o público de nacional e estrangeiro, garantindo um ambiente assertivo de negócios para a indústria moveleira, com público qualificado de pelo menos 30 países. Serão trazidos 400 lojistas com despesas pagas pela feira e alto potencial de negociação – 300 nacionais e 100 compradores internacionais para as rodadas de negócio do Projeto Comprador.

O presidente do Sindmóveis, Vinicius Benini, destaca que a Movelsul Brasil tem a chancela de ser uma feira do setor moveleiro para o setor moveleiro, com competência para reunir frente a frente os principais players da cadeia para a promoção de negócios e para que a indústria comunique ao varejista e importador seus investimentos em inovação, tecnologias e produtividade. “Estamos trabalhando para ampliar o número de visitantes profissionais qualificados, que venham com potencial de negócios diretos com a indústria expositora”, pontua.

Um dos maiores expositores da Movelsul Brasil, a Tramontina vem participando da feira desde 1982. Para a próxima edição, a empresa vai mesclar ainda mais suas linhas de móveis para área interna e externa. O presidente da Tramontina, Clovis Tramontina, considera que a participação em 2018 foi extremamente positiva, possibilitando diversos contatos e propostas de negócio. “Recebemos no estande um público qualificado como arquitetos, fabricantes e revendedores, além dos nossos principais clientes, o que gerou grande fluxo de pessoas durante os dias da feira. Apresentamos nossos destaques em produtos, que despertam interesse do público nacional e internacional”, afirma.

Empresa expositora desde 2004, a Caemmun Movelaria tem a Movelsul Brasil em sua estratégia de posicionamento, em virtude da qualidade do público lojista visitante, tanto nacional quanto de importadores, e os resultados obtidos ao longo do tempo em negócios realizados na feira. O presidente executivo do Grupo Munhoz Caetano, Diego Munhoz, pontua que a última edição da Movelsul Brasil foi recorde em volume de visitas no estande e vendas geradas a partir das rodadas de negócio internacionais e também no próprio estande. “A perspectiva para a próxima edição é muito promissora, visto que a relevância do evento para nossa estratégia comercial vai ao encontro da entrega que o evento proporciona em negócios, relacionamento e serviços aos nossos clientes”, destaca.

A Movelsul Brasil é a maior feira de móveis da América Latina em área de exposição e número de expositores, realizada com assertividade desde 1977 pelo Sindmóveis Bento Gonçalves. É realizada no maior polo moveleiro do país: um evento com grande potencial de negócios no mercado interno e forte atração a importadores dos principais mercados-alvo para a indústria brasileira de móveis.

 

Movelsul Brasil 2020

Feira de Móveis e complementos para o lojista e importador

Quando: 16 a 19 de março de 2020, das 12h às 19h

Onde: Parque de Eventos de Bento Gonçalves (Alameda Fenavinho, 481)

Entrada gratuita mediante credenciamento. Aberta apenas ao público profissional (lojistas, representantes, arquitetos, designers, decoradores, importadores, profissionais da construção civil e imprensa)

Para mais informações:

www.movelsul.com.br

www.facebook.com/movelsul.brasil

movelsul2

Precisamos gamificar tudo?

Por Elvis Pletsch 

elvis_pletsch@hotmail.com 

Caso fossem anotadas todas as atividades que fiz na minha infância e adolescência, é bem provável que jogar videogame estivesse entre as mais constantes. Passei centenas de horas na frente de uma tela interagindo com algo que, para outras gerações, era considerado um desperdício de tempo.

Na minha casa não era diferente, os dias de chuva tornavam-se uma mistura de dádiva e terror: era mais tempo para jogar, mas meus pais acabavam substituindo o “vai brincar lá fora” pelo “desliga isso aí que vai queimar”.

Por mais fútil que possa parecer, acabei descobrindo que os games podem ter uma utilidade real que deveria ser melhor explorada. A designer americana Jane McGonigal demonstrou que se somadas todas as horas jogadas no game World of Warcraft, lançado em 2001, teriam sido gastos 5,93 bilhões de anos na resolução de problemas de um mundo virtual. O que aconteceria, portanto, se essas horas tivessem sido gastas na resolução de um problema real?

A resposta dessa pergunta acabou sendo testada em 2011 por pesquisadores da Universidade de Washington, quando desenvolveram o jogo “Foldit”, que desafiava os gamers a compreender como determinada proteína poderia ser utilizada no combate à Aids. O jogo atraiu 46 mil participantes de diversas áreas, que acabaram obtendo uma solução em apenas 10 dias, sabendo que o problema havia tomado 15 anos de cientistas que nunca obtiveram sucesso algum.

Os motivos por trás dessa rápida resolução são explicados pela gamificação que, através da criação de metas, regras, feedbacks e da participação voluntária, visa imitar os conceitos utilizados pelos games para replicar o seu “vício” em problemas reais do dia a dia.

Um desses conceitos é o feedback instantâneo: ao terminar uma missão você ganha uma recompensa, ao derrotar um inimigo você ganha experiência. Esses feedbacks positivos vão reforçar bons comportamentos, enquanto os negativos (como perder vidas) vão permitir ao usuário encontrar uma estratégia melhor para passar de fase. Mas o que interessa é que ele é instantâneo, descartando a ansiedade de só saber o resultado após um longo processo e acelerando as etapas de crescimento profissional e aprendizado.

Quando uma empresa sofre com avaliações anuais, normalmente há uma sensação de “caos” nas vésperas das avaliações: será que está tudo certo? Será que estamos acompanhando todos os processos necessários?

Essa ansiedade poderia ter sido evitada aplicando o feedback instantâneo, avaliando os processos durante todo o ano, e não somente em uma data específica. Dessa forma, os colaboradores não iriam sentir a diferença entre uma avaliação anual e uma avaliação rotineira.

Outro caso comum no meio corporativo são as bonificações e prêmios para os melhores vendedores. O caso mais recorrente é a existência de um grande prêmio que será entregue após um longo período. Os vendedores podem até se sentir motivados com metas de longo prazo, mas aquilo dificilmente irá conquistar aqueles que precisam de uma motivação constante para levantar de manhã. A solução para isso seria a existência de pequenos prêmios semanais, que iriam manter os vendedores mais engajados durante todo o tempo necessário, e não somente na véspera da grande premiação.

A aplicação da gamificação também pode ser utilizada em áreas que possuem insatisfação por parte de seu público. Uma universidade, por exemplo, poderia criar uma gamificação que mantenha seus alunos estudando, como o Khan Academy fez, evitando um aumento da evasão escolar. Os aplicativos de corrida, que fazem você acumular pontos e medalhas virtuais por cada distância percorrida, são um exemplo que consegue tirar muita gente da frente do sofá mesmo em dias frios.

Tudo isso não deveria ser novidade para ninguém, pois a gamificação está crescendo exponencialmente. A sua aplicação já está presente em grandes empresas como o Starbucks, o Waze, a Amazon ou o Santander, que parecem estar apresentando resultados bem positivos. O que acontecerá quando começarmos a utilizar os conceitos da gamificação para solucionar a política, o meio-ambiente, a saúde ou a educação? Será que precisamos gamificar tudo?

gamificação

Senac Bento Gonçalves inscreve para cursos técnicos EAD

Conquistar uma formação profissional é o sonho de muitos brasileiros. Uma pesquisa do IBGE divulgada em 2017 aponta que cerca de 40 milhões de brasileiros desejam realizar uma formação técnica. Isso se deve à característica desse nível de ensino, voltado diretamente à prática: de acordo com a pesquisa da Confederação Nacional da Indústria, 70% dos técnicos conseguem emprego ainda no primeiro ano de conclusão da capacitação.

Adequados às exigências do mundo profissional, os cursos técnicos do Senac estão focados em proporcionar rápida inserção no mercado de trabalho, além de garantirem flexibilidade para que o aluno estude onde e quando quiser. A escola Senac Bento Gonçalves está com inscrições abertas para cursos técnicos EAD nas áreas de Comércio, Design, Gestão, Informática, Meio Ambiente e Segurança. As inscrições podem ser feitas pelo site www.ead.senac.br/polos/rs/bento-goncalves, até a próxima segunda-feira, dia 29.

A metodologia de ensino a distância do Senac é centrada no aluno, por isso as qualificações disponibilizam diversos recursos tecnológicos que facilitam a aprendizagem com orientação e acompanhamento online. Além do horário flexível, a modalidade EAD tem como vantagens o respeito ao ritmo de cada aluno, o desenvolvimento de competências valorizadas no mundo do trabalho, como organização, proatividade e responsabilidade, além de apresentar menor custo com deslocamento e a possibilidade de conciliar os estudos e a vida profissional.

Com objetivo de tornar o aprendizado a distância mais interativo e uma experiência significativa, os materiais didáticos são compostos por podcasts, vídeos, animações, simuladores, games, objetos de aprendizagem, e-books e recursos tecnológicos. Os recursos em mídias diversas estimulam diferentes formas de aprendizagem, que possibilitam ao aluno se envolver com conhecimentos abordados no curso e sentir a prática virtual.

As disciplinas a distância utilizam o Ambiente Virtual de Aprendizagem, que possibilita ao aluno acessar o conteúdo em qualquer local e horário.

Confira os cursos disponíveis:

Comércio

Técnico em Transações Imobiliárias

Design

Técnico em Design de Interiores

Gestão

Técnico em Administração

Técnico em Logística

Técnico em Qualidade

Técnico em Recursos Humanos

Informática

Técnico em Programação de Jogos Digitais

Meio Ambiente

Técnico em Meio Ambiente

Segurança

Técnico em Segurança do Trabalho

Turismo

Técnico em Guia de Turismo

Mais informações sobre as capacitações, podem ser obtidas no site www.ead.senac.br/polos/rs/bento-goncalves.

Sobre a Fecomércio-RS

A Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Rio Grande do Sul é uma entidade sindical, que atua no âmbito econômico, político e social em prol da constante qualificação e crescimento do setor terciário gaúcho. A Fecomércio-RS possui hoje 112 sindicatos filiados e representa mais de 580 mil empresas, geradoras de aproximadamente 1,6 milhão de empregos formais. Atualmente, o Sistema Fecomércio-RS reúne os braços operacionais dos setores de comércio e serviços, Sesc/RS e Senac-RS e conta também com o Instituto Fecomércio de Pesquisa (Ifep) e com o Centro do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do RS (Ccergs). Mais informações pelo http://www.fecomercio-rs.org.br/.

Sobre o Senac-RS

O Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) é uma organização de educação profissional que tem o objetivo de colaborar na obra, difusão e aperfeiçoamento do ensino profissional no setor terciário da economia/comércio e serviços. Sua missão é “educar para o trabalho em atividades de comércio de bens, serviços e turismo”. Há 72 anos instalado no Rio Grande do Sul, o Senac-RS é administrado pela Federação do Comércio de Bens e Serviços do Estado (Fecomércio), entidade que conta com 112 sindicatos filiados, representando mais de 580 mil empresas. O Senac-RS já capacitou mais de 7 milhões de pessoas e possui 41 escolas de educação profissional, duas faculdades e 23 unidades de atendimento, somando mais de 60 pontos de atendimento no Rio Grande do Sul. Além disso, é a única instituição de educação do Brasil a ganhar o Prêmio Nacional da Qualidade (PNQ). Em 2017, também conquistou o Prêmio Ibero-Americano da Qualidade e, em 2018, celebrou o reconhecimento Melhores em Gestão, concedido pelo PNQ.

?

?

Fundaparque promove melhorias em instalações de internet no Parque de Eventos

Parceria com a empresa Via Sul oferece até 2GB de banda larga e permite 35 mil acessos de forma simultânea aos visitantes do local

A estrutura do Parque de Eventos de Bento Gonçalves recebeu uma importante melhoria tecnológica: todos os aparatos de internet foram substituídos, com significativa melhoria no serviço prestado – inovações implementadas pela empresa Via Sul Internet, que firmou recentemente contrato com a Fundaparque. Como resultado da parceria, a empresa trouxe equipamentos com a tecnologia 5G, e disponibiliza até 2GB para transferência de dados via internet e 35 mil acessos simultâneos.

Os primeiros beneficiados por essa melhoria foram três eventos de grande porte: Transposul, ExpoBento e Fenavinho, ocorridos no mês de junho. Segundo monitoramento feito pela provedora, somente durante a realização da ExpoBento e Fenavinho, de 13 a 23 de junho, foram realizados 10 mil acessos dentro do Parque de Eventos – com, no mínimo, 5MB fornecidos por usuário. Graças a essa nova aliança, feira e festa puderam disponibilizar, pela primeira vez, internet gratuita aos visitantes em pontos específicos do Parque. “Foi uma melhoria extremamente relevante para a feira, que supriu um gargalo estrutural até então enfrentado pelo Parque de Eventos. Recebemos muitos elogios, comprovando a satisfação dos visitantes com a novidade”, destaca Bruno Benini, diretor de eventos da ExpoBento 2019.

Para o Parque de Eventos, o investimento se traduz em mais competitividade a fim de atrair um crescente fluxo de atividades, garantindo movimentação e ocupação constantes na estrutura. “Nossa vocação turística passa, também, pelo aporte oferecido pelo Parque na captação de grandes eventos – que fomentam a economia. Investir em melhorias no complexo é fundamental para que possamos evoluir ainda mais e disponibilizarmos aos organizadores e visitantes uma completa infraestrutura capaz de absorver as mais diversas demandas”, considera o presidente da Fundaparque, Silvio Sandrin.

Melhores serviços para a comunidade

Há seis anos no mercado bento-gonçalvense, a Viasul já capta quase 10 mil clientes, com prospecção de dois mil novos assinantes anuais. O provimento de acesso à Internet de alta velocidade para mercado corporativo e doméstico, serviços de interligação de empresas (ViaVPN), soluções de firewall (ViaBox), solução de voz (ViaPhone) e cloud computing balizam a atuação da empresa no mercado local – e também ficam à disposição do Parque de Eventos pelo contrato estabelecido.

Prezando pela valorização da localidade onde está inserida, a empresa atua em corporações pontuais – e essenciais – para o município, como no fornecimento de serviços à Brigada Militar e em praças públicas da cidade. “Nós somos uma empresa de Bento voltada para Bento. Sempre visamos o bem-estar do nosso município e seus moradores. Por isso, quando surgiu a ideia de oferecermos os serviços à Fundaparque, percebemos que a estrutura de internet do parque não era compatível com a grandiosidade do complexo. Fizemos um investimento arrojado, mas que certamente irá trazer retornos positivos”, comenta o diretor da empresa, Willian Molinari.

Parque de Eventos oferece outras facilidades

Com 58 mil m² de espaço coberto, o parque conta com inúmeras facilidades à disposição do público, como um todo: torre de telefonia, heliponto, reservatórios de água próprios, estacionamento asfaltado e subestações são alguns dos atrativos. Os pavilhões são divididos em seis blocos, que possibilitam diversas adaptações – para abrigar desde palestras ou formaturas até grandes feiras. Outro fator é a climatização, disponível em todas as áreas. Para a segurança do público durante 24h, o local conta, também, com 190 câmeras de monitoramento. O complexo fica na Alameda Fenavinho, número 481, no bairro Fenavinho. Mais informações pelo telefone (54) 3455-6700 ou pelo sitewww.fundaparque.com.br.

Foto: Barbara Salvatti

fundaparque

Sócrates e a Felicidade

Por Rogério Gava 

rogeriogava@integracaodaserra.com.br  

Foi Sócrates (470-399 a.C.) o primeiro filósofo a se preocupar com a vida feliz. Você já ouviu falar dele: o criador da máxima “conhece-te a ti mesmo”. Há dúvidas, na verdade, se foi mesmo Sócrates quem cunhou o adágio, o qual orna a entrada do templo de Apolo, em Delfos; a tradição, no entanto, imputou ao filósofo a ideia. E assim ficou.

Sócrates era um sujeito muito hábil na arte de fazer perguntas. Deixava os interlocutores literalmente tontos com suas indagações em cascata, contraditórias, e que acabavam sempre por dinamitar as certezas defendidas. Era o famoso método socrático, também conhecido como “maiêutica” – de maîa, em grego, “parteira”. Sócrates dizia que, pelo questionamento, buscava “parir” a verdade que se encontrava presente em cada indivíduo; ele apenas ajudava essa verdade vir à luz.

Nosso bom filósofo era extremamente simples, de aparência quase mendicante. Costumava caminhar descalço pelas ruelas de Atenas, disposto a filosofar com qualquer pessoa. Era o filósofo da “praça pública”. Como Jesus, nada escreveu. Foi seu maior discípulo, Platão, quem nos legou os ensinamentos do mestre. No fim da vida, Sócrates foi acusado injustamente pelos governantes de Atenas de corromper a juventude e negar os deuses da cidade. Condenado a beber cicuta, abraçou a morte de forma corajosa e lúcida.

A verdade é que antes de Sócrates os filósofos nunca tinham se preocupado muito com a felicidade. Eles estavam mais interessados em assuntos relativos à natureza das coisas e dos seres. Os chamados “pré- socráticos” viviam fazendo perguntas sobre a origem de todas as coisas, de que era feito o mundo, ou qual era a essência do conhecimento humano.

Sócrates achava aquilo tudo uma perda de tempo. De que adiantava saber qual o tamanho da Terra, ou se o universo era infinito, se o homem não sabia conduzir a própria vida? O que importava, pois, era ajudar as pessoas a saberem o que era bom, justo, enfim, como se deveria viver.

E o que Sócrates ensinava a respeito da felicidade? Ele dizia que ela era alcançada pelo autoconhecimento. Faz sentido: afinal, conhecer-se a si mesmo é refletir sobre quem somos, o que queremos de nossa vida, enfim, o que devemos fazer para ser felizes. Para Sócrates, a ignorância era a principal causa de infelicidade, pois levava ao erro e a uma concepção equivocada da existência.

Mais do que olhar para o próprio umbigo, o autoconhecimento socrático lembra que a felicidade é irmã da sabedoria: se quisermos ser felizes, é preciso que olhemos, antes de tudo, para dentro de nós. O homem feliz é aquele que reflete incansavelmente e sem mentiras sobre si próprio. E não aquele que sai em busca da satisfação de todos os desejos. Reza a lenda, aliás, que Sócrates gostava de contemplar os badulaques vendidos pelos comerciantes de Atenas, só para, como dizia, “ver tudo o quanto não precisava para ser feliz”.

Para Sócrates, o autoconhecimento levava à virtude. “O homem que se conhece saberá como agir, trilhando o caminho correto” – dizia, e arrematava: “quanto mais virtuoso, maior será a chance de que seja feliz, porque fará bem a si e também aos outros”. Ou seja, será mais feliz e ainda ajudará os demais a sê-lo. Depois de Sócrates e para toda a filosofia clássica, a felicidade e a virtude andariam sempre de mãos dadas. Os gregos achavam verdadeira loucura a ideia de um “canalha feliz”. Para eles, era impossível ser “mau” e feliz ao mesmo tempo. Felicidade era sinônimo de bondade.

Esse foi o legado de Sócrates a respeito da felicidade: feliz é aquele que olha para dentro de si. Uma mensagem atual e importante, neste mundo onde o diálogo, consigo mesmo e com os outros, é cada vez mais complicado. Há mais de vinte e cinco séculos, Sócrates continua a nos lembrar: a verdadeira felicidade mora dentro de nós.

socrates

Fenachamp abre inscrições para o sabrage coletivo com modalidade GreNal em 2019

Estão abertas as inscrições para o sabrage coletivo da Festa do Espumante Brasileiro 2019. Uma das principais atrações do evento será realizada no dia 5 de outubro, sábado, a partir das 16h. A iniciativa segue o ritual que começou na edição de 2009, e já quebrou duas vezes o recorde mundial de participantes, registrado no Guinness Book.

As inscrições seguem até 15 de agosto no site da Fenachamp (http://bit.ly/sabragefenachamp), sendo que as vagas são limitadas. Além da modalidade tradicional, a novidade deste ano será a integração das torcidas do Inter e do Grêmio, com o apoio dos consulados de ambos os clubes. A participação é gratuita. Os requisitos para participação em ambas as categorias é ser maior de 18 anos e possuir sabre.

Os participantes do Sabrage GreNal deverão participar do evento com a camiseta do clube de coração ou com a cor predominante de cada um deles. A organização da festa vai fornecer aos inscritos, o espumante para a promoção, ingresso para Fenachamp, acesso ao estacionamento interno e certificado de participação.

Guinness Book

O sabrage coletivo da Fenachamp integrou as edições do Guinness Book de 2013 e 2015. Em 2011, 196 pessoas conseguiram abrir as garrafas, feito registrado na edição impressa de 2013 do Guinness Book. Já em 2013, foram 277 unidades degoladas no tempo previsto, um novo recorde, publicado na edição de 2015 do Guinness.

Nas duas festas seguintes, o sabrage foi realizado nas categorias masculino e feminino, reunindo 365 participantes em 2015 e 388 em 2017. O sabrage nasceu no início do século XIX. Para comemorar as suas vitórias, Napoleão Bonaparte realizava a degola das garrafas em um único golpe. Essa tradição francesa ultrapassa gerações e mantém-se como uma das principais formas de celebração.

sabrage grenal

Selo Arte é lançado para desburocratizar a produção e venda de alimentos artesanais

Na última quinta-feira, dia 18, foi realizada a assinatura do decreto que institui o Selo Arte, previsto na Lei nº 13.680/18, que visa desburocratizar a produção e a venda de alimentos artesanais, ampliando o mercado para o setor. “Essa assinatura representa uma vitória dos produtores sobre a burocracia”, comemora o presidente da Emater/RS, Geraldo Sandri.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) se responsabilizará, entre outras atribuições, pela criação e gestão do Cadastro Nacional de Produtos Artesanais, pelo estabelecimento das boas práticas agropecuárias e de fabricação para produtos artesanais, e pelo fomento à educação sanitária e à qualificação técnica em boas práticas agropecuárias e de fabricação.

Os Estados, o Distrito Federal e os consórcios de municípios devem ficar responsáveis pela concessão do Selo Arte, pela atualização do Cadastro Nacional de Produtos Artesanais, pela fiscalização desses produtos, pelo estabelecimento de leis, normas e regulamentos sanitários e pela fiscalização no comércio varejista e atacadista dos produtos alimentícios de origem animal produzidos de forma artesanal.

A inspeção e fiscalização sanitárias nas agroindústrias artesanais serão feitas pelo serviço de inspeção oficial devidamente autorizado pelo Ministério da Agricultura. Caso o produto ou o estabelecimento produtor estejam irregulares, caberá aos Estados, ao Distrito Federal e aos consórcios de municípios cancelarem o Selo Arte.

selo arte

Jovens viticultores de Bento recebem curso profissionalizante

Dezessete jovens moradores do interior de Bento Gonçalves estão sendo contemplados com o 3º Curso de Profissionalização de Viticultores, promovido pela Emater com apoio da Secretaria de Desenvolvimento da Agricultura e entidades ligadas ao segmento. Na última quinta-feira, 18, foi ofertado o terceiro módulo da capacitação que abordou técnicas de poda, enxertia e identificação de pragas.

O objetivo da qualificação é valorizar a sucessão familiar no empreendimento agrícola local e incentivar o desenvolvimento de alternativas de empreendedorismo no meio rural, agregando assim valor à produção primária e resultando na permanência do jovem no campo.

O coordenador do projeto, o assistente técnico regional da Emater, engenheiro agrônomo Enio Ângelo Todeschini, explica a ideia da capacitação. “Neste curso tratamos desde o preparo do solo até a vinificação. Temos três princípios para selecionar os participantes: o primeiro: tem que ser jovem; segundo: ter a viticultura como uma das duas principais atividades na propriedade; e terceiro: ter perspectiva de sucessão familiar. É um curso profissionalizante do jovem que quer e que tem a perspectiva de ficar na propriedade e tocar a viticultura pra frente”, pontua.

A capacitação foi remodelada de forma a levar os cursos até as comunidades, sem a necessidade de deslocamento. Antes ofertado somente na cidade de Nova Petrópolis, atualmente, ocorre em uma propriedade que os jovens agricultores participantes oferecem, de forma a unir conhecimento e integração dos moradores.

Rafael Pedrotti, que cedeu a propriedade para a realização desta terceira fase do curso comenta a experiência. “Todos os cursos são benéficos, temos aprendido bastante e trocado várias ideias. Geralmente, as pessoas que estão no interior têm mais idade e com o curso, eles estão incentivando o jovem a ficar no interior. Com certeza até o final dos módulos teremos aprendido muito mais”, conta.

O conteúdo é ministrado em cinco encontros, que ocorrem a cada dois meses, em uma imersão de oito horas que alia teoria e prática. Em sua totalidade, o curso aborda as temáticas: Fisiologia Vegetal e Produtos Agrotóxicos; Implantação do Vinhedo; Variedades e Enxertias; Adubações; Controle de Ervas; Fitossanidade; Podas; Manejo da Plasticultura; Tecnologia de Aplicação; Boas Práticas Agrícolas; e Vinificação.

O coordenador do projeto em Bento Gonçalves, o engenheiro agrônomo Alexandre Frozza, salienta a importância do aprendizado de novas técnicas. “A ideia é selecionar jovens que pretendem permanecer na propriedade e por meio dessa capacitação, oportunizar que eles possam implementar tecnologia e novas técnicas na propriedade, com autonomia e independência. A partir disso, o intuito é dar conhecimento para que eles possam partir para o gerenciamento, que é um dos grandes desafios da sucessão rural”, ressalta.

O secretário da Agricultura, Dorval Brandelli, enaltece a promoção de iniciativas como esta. “Dentre outros fatores, a capacitação e a agregação de conhecimento são peças fundamentais na permanência do jovem no campo. São cursos como este, somados aos ofertados por meio do programa municipal de qualificação e desenvolvimento rural, que fomentam a geração de renda na propriedade e incentivam a sucessão rural”, frisou.

Participam do curso 17 jovens de Bento Gonçalves dos distritos de Faria Lemos, Tuiuty e Vale dos Vinhedos. São eles: Lucas Henrique Bianchi, João Paulo Passaia, Cristiano Gabardo, Adriano Cimadon, Tiago Cimadon, Sidnei Tadeu Marin, Júlio César Fronza, Jean Carraro, Juliano Zottis, Elton Santos da Silva, Giovani Balbinot, Fábio Corbelini Gabardo, Matheus Cimadon, Eduardo Tansini, Luis Fernando da Silva Severgnini, Rafael Pedrotti e Anderson Barbosa Cassinelli.

Também acompanharam o encontro, o chefe do escritório da Emater de Bento, Thompson Didoné, e o coordenador dos distritos Henrique Nuncio.

Empreender no interior

 

Muitos jovens que vivem no meio rural migram para as cidades. Na contramão desse movimento, em Bento Gonçalves muitos deles viram no meio rural uma oportunidade para empreender e escolheram permanecer. De acordo com dados da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, os quatros distritos (Tuiuty, Faria Lemos, São Pedro e Vale dos Vinhedos), somam cerca de 700 empresas.

Fotos: Laura Kirchhof

curso profissionalizante

Gestão Financeira é tema de curso em Garibaldi

Assunto volta a ser abordado a pedido do público

Com o intuito de fornecer ao administrador os elementos que possibilitem realizar uma adequada gestão de finanças em organizações de qualquer ramo de atividade, de forma a tomar decisões que tragam melhores retornos para a empresa, a Apeme apresenta um curso sobre Gestão Financeira no próximo mês. Já realizado em 2018, a atividade retorna a pedido do público com o mesmo professor e formato. Será nos dias 7, 14, 21 e 28 de agosto, quartas-feiras, das 19h às 22h, na sede da entidade (Rua Heitor Mazzini, 122, sala 02, Edifício Sonata – Centro de Garibaldi). 

Com o objetivo de conhecer e aplicar os princípios da gestão financeira empresarial, os alunos passarão pela parte da fundamentação, planejamento, análise e gestão financeira, mensuração de resultados, fluxo de caixa, indicadores e administração de capital de giro, análise de solvência de empresas, custo de capital e principais índices financeiros.  O conteúdo será dividido em quatro módulos: Gestão Financeira; Controle de Caixa; Fluxo de Caixa e Análise ABC. As aulas serão expositivas, com conceitos teóricos, análise de textos e estudos de caso e também terão exercícios práticos de empresas de diversos ramos de atividade.

O curso será coordenado por Samuel Basso. Graduado em Análise e Desenvolvimento de Sistema, pós-graduado em Gestão Empresarial, mestre em Administração de Empresas, empresário, consultor, professor e palestrante, também é fundador e diretor da empresa Otimizy Sistemas Inteligentes.

O investimento para associados Apeme é 4x de R$ 85,00  e, para público em geral, 4x de R$ 110,00. As vagas são limitadas e as inscrições podem ser feitas pelo site www.apeme.com.br/agenda. Mais informações pelo (54) 3462-2755, WhatsApp (54) 99642-6444 e capacitacao@apeme.com.br. A realização é da Apeme e o evento tem o apoio dos patrocinadores do semestre:Fatsul – Sistemas Elétricos e Zappas Acabamentos.

gestao financeira