Posts

Cooperativa Vinícola Garibaldi tem o melhor vinho branco da Avaliação Nacional de Vinhos 2020

Riesling Granja União foi destaque entre brancos não aromáticos. Para ator Antônio Calloni, comentarista da amostra, vinho é tão chique que precisa ser bebido de smoking

Para a Cooperativa Vinícola Garibaldi, a alta expectativa depositada na safra 2020, tida como histórica por conta de sua alta qualidade, começou com uma grande confirmação. O Riesling da casa, envasado sob a marca Granja União, foi eleito o melhor vinho branco não aromático da Avaliação Nacional de Vinhos – Safra 2020, realizada neste mês, em Bento Gonçalves.

A distinção soma-se aos inúmeros prêmios obtidos ao longo do ano em concursos nacionais e internacionais e confirma, mais uma vez, a excelência dos produtos da cooperativa. O varietal recebeu nota 89, sendo classificado entre as 16 amostras representativas do concurso. Ao todo, a Avaliação Nacional de Vinhos recebeu 395 amostras em seis categorias.

Os vinhos foram degustados às cegas por 64 enólogos entre os dias 15 e 18 de setembro, no Laboratório de Análise Sensorial da Embrapa Uva e Vinho. As amostras representativas podiam ser adquiridas pelo público que, no último dia 7, acompanhou de modo online, nos canais digitais da promotora do certame, a Associação Brasileira de Enologia, a grande degustação ocorrida no Spa do Vinho, no Vale dos Vinhedos.

Para Calloni, Riesling Granja União é “fantástico, encantador e chique”

Ao mesmo tempo da realização do evento, o púbico podia descobrir os vinhos juntamente com os comentaristas convidados do evento. O vinho da Vinícola Garibaldi foi comentado pelo ator da Rede Globo e enófilo Antônio Calloni, que deu nota 92 para a amostra.

Encantado com o Riesling Granja União, o ator elogiou a evolução do vinho brasileiro e disse ser fã dessa variedade. “Que vinho sensacional, tem um aroma intenso. A gente percebe um cítrico aqui maravilhoso e também um abacaxi. É um vinho de aspecto límpido, fantástico, de cor sensacional e, no nariz, muito persistente”, elogiou o ator.

A surpresa com o vinho, o qual chamava de “brazuca”, não parou por aí. Calloni disse estar acostumado com o paladar do Riesling elaborado na região da Alsácia, na França, e também o oriundo da Alemanha, que têm notas bem minerais. “Provavelmente, às cegas eu não identificaria a uva aqui. Mas a beleza da uva é essa, num lugar ela apresenta alguns aromas e sabores e, em outros, dependendo do terroir, ela apresenta as características desse terroir. Esse brazuca tem um pêssego também, mas o que mais salta é o cítrico e o abacaxi, nossa, fantástico”, enalteceu, continuando sua admiração pelo vinho. “Esse vinho é elegantérrimo. Tem uma notinha salgada e uma coisa que eu adoro no vinho que é quando ele apresenta essa nota, acho que dá um charme. Nossa, é encantador esse vinho mesmo, muito bom, harmônico. Esse vinho é tão chique que da próxima vez vou ter que vestir um smoking para tomar, porque elegância aqui sobra. É um vinhaço”, aplaudiu Calloni.

Um forte indício da qualidade excepcional dos vinhos e dos espumantes que chegarão ao mercado com o rótulo de 2020, o ano que oportunizou a “safra das safras”.

Foto: Cassius Fanti 

Mais premiações chegam da Espanha

Vinhos e espumantes brasileiros arrematam medalhas no Bacchus

O XVI Concurso Internacional de Vinhos – Bacchus 2018 amplia o ranking de medalhas dos vinhos e espumantes brasileiros. Foram duas Medalhas de Ouro e três de Prata, num universo de 1.740 amostras de 20 países, avaliadas por 82 degustadores. O concurso foi realizado de 8 a 12 de março, em Madri.

 O diretor da Associação Brasileira do Enologia (ABE), enólogo Michel Zignani, representou o Brasil no júri. Segundo ele, o Bacchus é o concurso de referência dos vinhos espanhóis, embora haja uma grande diversidade de países participantes. “É um concurso muito técnico, com um quadro de jurados multidisciplinar nas áreas do vinho, formado por enólogos, jornalistas especializados, master of wine e coordenadores de outros concursos internacionais. O nível de exigência é bastante alto. Percebe-se que é priorizado a elegância e a fineza dos vinhos em detrimento da potência”, relata.

Bacchus 2018

LEIA MAIS: Clima, que antecipou colheita da safra 2018, também contribuiu para a qualidade da uva

O Bacchus 2018 homenageou a República Tcheca, que apresentou seus vinhos mais emblemáticos durante a cerimônia de abertura realizada na embaixada do país na capital espanhola.

 PREMIAÇÕES

Medalha de Ouro

Garibaldi Espumante Moscatel – Cooperativa Vinícola Garibaldi

Casa Valduga Gran Leopoldina Chardonnay DO 2017 – Casa Valduga Vinhos Finos

VEJA TAMBÉM: Casa DiPaolo de Bento Gonçalves recebe SELO aMANHÊsendo – CRIANÇA BEM-VINDA

Medalha de Prata

Casa Valduga Identidade Gran Corte 2012  – Casa Valduga Vinhos Finos

Aurora Reserva Chardonnay 2017 – Cooperativa Vinícola Aurora

Miolo Terranova Brut – Miolo Wine Group Vitivinicultura

Foto: Divulgação ABE