Posts

A política, as pessoas e a transparência!

Por Padre Ezequiel Dal Pozzo

Tenho pensado muito sobre a transparência, motivado pela situação da política brasileira. Acredito que o momento que estamos vivendo nos fará crescer. É uma oportunidade para percebermos que é importante sermos éticos, honestos, justos, verdadeiros e transparentes. Eu e você precisamos perceber que uma pessoa ou grupo se tornam repugnantes, antipáticos, mal vistos quando roubam, mentem, trabalham por seus próprios interesses. Aprendemos a detestar a corrupção e a perceber que devemos ser justos. Isso purifica nossa prática de cidadãos. Não só julgamos e analisamos quem está sendo investigado e julgado, mas nos perguntamos: e “eu como sou?”, “como tenho agido?”, “qual a prática da minha empresa ou do meu grupo”?, “como estou educando as crianças”?, “quero ganhar sempre passando por cima dos outros?”, “me importo com o bem dos outros e da sociedade ou somente com meu próprio bem?”. Essas perguntas avaliam a minha prática. Se não me fizer perguntas assim, diante dos casos de corrupção, não estou aprendendo nada. Poderei ser o próximo corrupto. Isso demonstrará que não evolui. Basta ter uma oportunidade, que irei fazer a mesma coisa que condeno.

Os fatos na política têm revelado que a nossa sociedade precisa de pessoas sérias, éticas e transparentes. A nossa sociedade e nosso jeito de agir precisam melhorar muito. As crianças precisam ser educadas para que saibam que não devem se apropriar daquilo que não lhe pertence. Não podemos nos apropriar individualmente daquilo que é de todos e deve servir para o bem de todos. Aprender que a mentira destrói nossa própria dignidade e corrompe a base de uma sociedade decente. Não se cresce fundamentados no erro. Não há evolução sem verdade. É triste quando alguém justifica sua posição dizendo que “todos roubam”. Primeiro porque o “todos” é uma mentira. Segundo, porque justificar a minha opção de defender uma causa ou alguém porque não há outra opção, mostra o fim das alternativas. Isso é uma decepção total. Escolho esse porque é o menos pior. Isso não constrói nenhuma sociedade. É a prova do descalabro. Eu abomino essa ideia de “que são todos iguais”. Preciso acreditar que pode e deve existir o diferente.

Alguns se consideram tão bons no que fazem que se convencem disso e ninguém vai mudar seu pensamento. Essas pessoas se enganam sobre si mesmas. Criam ilusões. Se auto enganam. Não são transparentes. Não porque não querem, mas porque se convenceram a partir de uma ideia falsa. Aqui entra a necessidade de autocrítica. Precisamos questionar o nosso jeito de ser. Desconfiar de que fazemos tudo certo. Perguntar-se o que preciso melhorar. O que posso melhorar. Não convencer-se facilmente a respeito de nossa própria bondade. Perceber a necessidade de crescimento permanente. Dizer para si, no silêncio: “eu posso ser melhor e fazer melhor”. Se assim fizer vou purificando minhas atitudes de possíveis distorções e ilusões. Isso num caminho de continuada busca e crescimento. A pessoa que assim proceder será mais transparente consigo mesma.

Além de iludir-se sobre si mesma, a pessoa pode conscientemente enganar os outros. Ela sabe que está enganando. Sabe de sua mentira, mas com ela contesta o parecer dos outros. Está preocupada com seus próprios interesses e privilégios. Engana e cria armadilhas. Arma ciladas e não mostra seus ocultos interesses. Não é transparente porque a transparência revelaria todos seus planos imorais. Pessoas assim são perigosas. São lobos vestidos de cordeiros. Atacam quando menos se espera. Em qualquer das situações a falta de transparência afeta o ser da própria pessoa. A vida e a história nos cobrará os desvios da verdade. A verdade está ligada a essência da vida. Ficar longe da verdade é o mesmo que errar o alvo. Estar longe da verdade não traz alegria e nem melhora a sociedade. Por isso, a transparência é muito importante para quem deseja evoluir e possibilitar que as pessoas sejam mais felizes. Enganar a si mesmo e enganar os outros é o mesmo que autodestruir-se. A vida cobrará nossos afastamentos do bem e da verdade. Pensemos nisso!

Caravana da Liberdade ocorre em Bento no próximo sábado

No próximo sábado, 09 de junho, a Caravana da Liberdade acontece em Bento Gonçalves, a partir das 15 horas, na Fundação Casa das Artes. O evento promove um circuito de palestras, que busca destacar os valores da liberdade e de respeito ao indivíduo e mostrar o que acontece quando as pessoas são privadas destes valores e dos direitos fundamentais. O evento também busca mostrar fatos e debater sobre a vida real nos regimes de Cuba e da Venezuela, desmistificando o slogan de “paraíso socialista”. 

O evento é organizado por Frederico Cosentino, Fernanda Barth e Grupo Galts, além de contar com o apoio do Hotel Vinocap.

Programação:

14h: Credenciamento

15h – 16h30: Desafios da liberdade do século XX ao século XXI

– Ricardo Sonderman, escritor, especialista em marketing e mestre em comunicação;

– Gilberto Simões Pires, jornalista e membro do grupo Pensar+

– Frederico Cosentino, economista e pós-graduado em Finanças.

17h – 19h: A vida real que a esquerda não vai te mostrar

Participantes: Roderick Navarro, líder da resistência venezuelana Rumbo Libertad e Fernanda Barth, jornalista e mestre em Ciência Política. 

33300009_397294250751111_3211683626626318336_n

 

Vereador Camerini alerta para o descaso com o interior de Bento

Em sua manifestação na Tribuna da Câmara de Bento Gonçalves, na Sessão Ordinária da última segunda-feira, dia 7, o Vereador Camerini voltou a alertar para sérios problemas estruturais verificados no interior do município. A principal preocupação diz respeito às péssima condições das estradas do meio rural, onde os moradores convivem com a poeira e o barro, em função dos raros serviços de patrolamento e britagem executados pela prefeitura, bem como dos inexistentes projetos de pavimentação.

Como exemplo do descaso denunciado, Camerini citou recentes visitas aos distritos de Tuiuty e do Vale dos Vinhedos. “É lastimável, com o potencial turístico que temos, ver estradas abandonadas. Ou estradas, muitas vezes, que são patroladas até a entrada da casa de alguns, e outras partes ficam sem”, lamenta.

Vereador Camerini 0705

Também com relação ao interior, Camerini falou sobre a canalização de água potável do Vale dos Vinhedos à Linha Zemith, a qual ele vinha cobrando de forma intensa desde o ano passado, e agora começou a sair do papel. O vereador auxiliou os moradores com a elaboração de um abaixo-assinado, e encaminhou o caso ao Ministério Público, tanto pela demora como pelo sumiço dos canos adquiridos para a obra.

SAÚDE SEM MÉDICOS
Problemas na saúde também pautaram o pronunciamento de Camerini durante a Sessão. “Uma pessoa me mandou um relato de que ficou mais de 15 horas esperando atendimento na UPA 24H. Recebi mensagens dizendo que havia apenas um médico em uma unidade daquele tamanho. Há falta de médicos no bairro Progresso e de psiquiatra no CAPS 2, no bairro Maria Goretti. Além disso, as pessoas que ficam internadas na UPA, aguardando encaminhamento para hospitais ou clínicas, encontram-se sem alimentação e sem os cuidados necessários. O que está acontecendo com a nossa saúde?”, questiona.

LEI SECA PARA PEDESTRES
Camerini abordou, ainda, a sanção do prefeito à lei seca para pedestres, que proíbe as bebidas alcoólicas nos espaço públicos do município. “Quem estiver consumindo bebidas nas ruas e praças, por exemplo, poderá ser multado. Mas nós já estamos nos organizando com a população para ver o que faremos para anular essa lei inconstitucional”, adianta o vereador.

ESTRUTURA DE TRÂNSITO
Outro tema levantado por Camerini na Tribuna foi o acidente que vitimou um motociclista no Centro da cidade, tragédia que teve como um dos fatores responsáveis a estrutura do guarda-corpo instalado próximo à esquina da rua Saldanha Marinho com a Ramiro Barcelos. “Uma vida que se foi por profissionais que falharam. Acredito que a prefeitura já está tomando as iniciativas para corrigir esse tipo de situação e não termos mais vidas ceifadas nas ruas”, destaca.

GUARDA MUNICIPAL
Durante a discussão de projetos, Camerini apresentou duas emendas à proposta de criação da Guarda Municipal: uma para retirar o limite de 30 anos de idade imposto para o cargo de agente, e outra para permitir que os atendimentos do efetivo fossem realizados de forma integral, sem que seja preciso “entregar a ocorrência” a outro órgão de segurança. Ambas foram rejeitadas pela maioria dos demais parlamentares.

Mesmo assim, Camerini votou de forma favorável à criação da Guarda, uma de suas bandeiras desde o primeiro mandato como vereador. “Claro que 20 cargos é pouco, mas temos que começar com algo”, avalia. Ele destacou, contudo, que o projeto poderia ter sido remetido à Casa anteriormente, junto com a proposição que criou a Secretaria de Segurança, o que faria com que os trabalhos já estivessem adiantados.

PEDIDOS APROVADOS
Durante a Sessão, todos os pedidos do Vereador Camerini, solicitados pela população, foram aprovados. As demandas abrangem as seguintes comunidades: Zatt, Centro, Vila Nova 2, Salgado, Progresso, Conceição, Santa Marta, Santa Helena, Tuiuty, Ouro Verde, Glória, São Roque e Buratti.

Próximo pleito italiano movimenta candidatos em vários países do mundo

Eleições, com vagas para italianos residentes em outros países e também para ítalo-descendentes com cidadania, mobiliza 89 candidatos pela América do Sul para quatro vagas ao Parlamento e duas ao Senado

Por Kátia Bortolini

A Itália, de sistema parlamentarista, é o único país que reserva vagas na Câmara e no Senado para representantes fora do seu território. A Lei 459/2001, conhecida como Lei Tremaglia, em vigor desde 2006, destina 18 vagas parlamentares, entre 12 Deputados e seis Senadores, para sufrágios de italianos residentes no exterior, nascidos ou não no país, inscritos no Cadastro de Italianos Residentes no Exterior (AIRE). A última eleição foi em 2013, quando foram renovadas todas as vagas da América do Sul.

This picture shows an empty senate prior a session for a confidence vote for the new governement on April 30, 2013 in Rome. Italy's new prime minister will face an early test of his mission to reverse Europe's austerity course Tuesday as he meets German Chancellor Angela Merkel after vowing to stop a policy he says is killing his country. AFP PHOTO / ANDREAS SOLARO (Photo credit should read ANDREAS SOLARO/AFP/Getty Images)

Para a América do Sul há vagas para quatro Deputados e dois Senadores. Elas estão sendo disputadas por 89 candidatos, entre 63 ao Parlamento e 26 ao Senado. Para o Senado só votam os maiores de 25 anos. O mandato é de cinco anos. Na América do Sul estão aptos a votar mais de 1,3 milhão de eleitores, 351 mil dos quais no Brasil e mais de 700 mil na Argentina, que é o maior colégio eleitoral da área,
com mais da metade da soma de todos os outros países. A América do Sul é a região do planeta com a maior comunidade italiana do mundo, e o Brasil é o terceiro país com mais italianos fora da Itália, atrás da Argentina e Alemanha.

Rio Grande do Sul tem cerca de 70 mil eleitores

No Rio Grande do Sul, segundo Estado com o maior número de ítalo-brasileiros, cerca de 70 mil eleitores receberão as cédulas em casa, por correspondência, a partir do dia 14 de fevereiro. O eleitor receberá, pelo correio, a cédula eleitoral, as instruções traduzidas em português e um envelope pré-pago que, após o voto, deverá ser enviado à sede do Consulado Geral da Itália em Porto Alegre (Avenida
José de Alencar,313, bairro Menino Deus). Além disso, para realizar as operações eleitorais, os eleitores receberão uma tradução em português das instruções de voto junto às cédulas eleitorais. O cônsul geral da Itália no Rio Grande do Sul, Nicola Occhipinti, ressalta que agora é a hora dos ítalo-gaúchos mostrarem seu apego a Itália.

Votos serão entregues em Roma no dia 1 de março

Já o embaixador italiano no Brasil, Antonio Bernardini, ressalta que a expectativa para o país é de ampla participação de eleitores, apesar do período do pleito coincidir com o do feriadão de carnaval. “Solicitamos aos eleitores que receberão os envelopes a enviar imediatamente as cédulas votadas ao  consulado”, enfatiza ele. A embaixada fornece informações aos eleitores através dos sites institucionais e das redes sociais. Os votos deverão ser entregues em Roma, por um funcionário do Consulado de São Paulo, até às 16 horas do próximo dia 1 de março. A embaixada e os consulados italianos espalhados no Brasil trabalham incessantemente para organizar
em pouco tempo o procedimento de envio dos envelopes aos eleitores e o sucessivo envio para Roma. O presidente da Itália, Sérgio Mattarella, dissolveu o parlamento em dezembro do ano passado, abrindo caminho para as próximas eleições.

Como Votar IMPRENSA

Luis Molossi

Gaúcho é candidato pelo MAIE

O advogado, natural de Nova Bassano, atua há mais de 20 anos junto à comunidade ítalo-brasileira

O advogado Luis Molossi, natural de Nova Bassano, é candidato a uma vaga à Câmara de Deputados da Itália no pleito do próximo dia 4 de março, mas que no Brasil ocorre alguns dias antes porque o voto é por correspondência. Molossi, atualmente residindo em Curitiba, Paraná, concorre novamente para o cargo de Deputado ao Parlamento Italiano, pelo partido Movimento Associativo Italiano no Exterior (MAIE), que coordena no Brasil. A última  participação foi no pleito de 2013, quando obteve 12.501 votos, ficando como primeiro suplente a Deputado para a América do Sul.

Molossi Veneza 2016

Filho de agricultores, Molossi nasceu e se criou no interior de Nova Bassano, na Linha Nona, comunidade que deixou aos 15 anos para ir estudar em Curitiba, Paraná, onde concluiu o ensino médio e deu continuidade aos estudos, ingressando, aos 17 anos, no curso de Direito da Universidade Católica. No terceiro ano da faculdade iniciou a vida profissional. Também é formado em Ciências Contábeis. No decorrer de sua trajetória profissional intensificou as raízes com a língua de seus ancestrais, lecionando italiano no CCI-PR/SC. Em Curitiba, administra um conceituado escritório de assessoria jurídica e contábil. É casado com Leila Alberti, artista plástica catarinense, também de família italiana originária de Monte Belo do Sul. Tem dois filhos, Lorenzo, de 22 anos e Pietro, de 19 anos.

LEIA TAMBÉM: Primeira edição de feira latino-americana de vinhos chega a Bento Gonçalves

Além de coordenar o MAIE no Brasil, atua como Conselheiro do Comitato degli Italiani all’Estero do Paraná e Santa Catarina. Em 2017 liderou, pelo MAIE no Brasil, o movimento vitorioso contra emenda do Parlamento Italiano que previa o aumento da taxa de cidadania de €300 para 400. Além disso, a emenda proposta também geraria restrições na concessão da cidadania.

Família---Lorenzo,-Pietro,-Leila-e-Luís---Bodas-de-Prata-jan-2016

A Lei italiana 459/2001, conhecida como Lei Tremaglia, que entrou em vigor em 2006, destina 18 vagas parlamentares, entre 12 Deputados e seis Senadores, para sufrágios de italianos residentes no exterior, nascidos ou não no país, inscritos no Cadastro de  Italianos Residentes no Exterior (AIRE). Para a América do Sul há vagas para quatro Deputados e dois Senadores.

 “Existe demanda crescente por cidadania italiana, em detrimento às estruturas dos consulados”

Em entrevista exclusiva ao Jornal Integração da Serra, Molossi fala sobre sua atuação e paixão pela política voltada à defesa dos cidadãos italianos residentes em outros países.

Integração – O slogan “Molossi, sempre em movimento pela cidadania plena”, escolhido para a atual campanha, reflete, de alguma forma, a sua personalidade?

Molossi – Absolutamente sim. Esta minha inquietação vem desde a adolescência quando, vendo que a vida no campo não me traria os desafios que esperava, decidi sair de casa e encarar o mundo. Desde então nunca mais parei de viajar para todos os lugares onde sou chamado e, especialmente, conviver com as pessoas nas comunidades e entender suas inquietações. Falta-me conhecer a Ásia, mas isso acontecerá em breve. Só não fui correr uma Maratona na China, em novembro de 2017, devido à proximidade das eleições e a minha função de coordenador do MAIE no Brasil.

Integração – Por que o processo de obtenção da cidadania italiana para a maioria dos ítalo-brasileiros continua tão demorado?

Molossi – Porque existe uma demanda sempre igual ou crescente de pedidos de candidatos oriundi à cidadania e a estrutura consular não tem aumentado, quando não diminuído. Daí criam-se os gargalos, as filas, as polêmicas quanto à gestão, pois o lugar na fila passa a ter um preço e algumas empresas se organizam para “despachar” esses documentos, gerando custos, queixas e desgastes de todos os lados. O que é arrecadado no Brasil com todos estes serviços – e são muitos e caros – geram receitas importantes. Só o Consulado de Curitiba (PR e SC) arrecadou a quantia de € 1.250.000,00 em 2016, com apenas nove funcionários. Isso é absolutamente rentável, mas o problema é que estes recursos são depositados no caixa geral em Roma. No Brasil, a equipe consular trabalha em condições precárias, com excesso de demanda, o que compromete o atendimento ao cidadão que precisa das práticas consulares, o que é um direito e não se discute. Pode-se até discutir se o direito à cidadania deve ser pago, pois isso só acontece no exterior. Na Itália não custa nada, o que é um contrassenso.

Molossi na poda da uva em Curitiba - 2010

Integração – A Itália, como pátria-mãe de milhares de contadinos que imigraram para o Brasil e outros países por volta dos anos 1870, ganhou fôlego na época para enfrentar seus problemas internos. Como a Itália trata hoje os milhões de descendentes desses imigrantes espalhados pelo mundo?

Molossi – No ponto de vista legal não temos o que reclamar, porque a Itália tem uma legislação bastante ampla, já que concede a cidadania
jus sanguinis (filho de italiano é italiano), mesmo morando no exterior. E o SISTEMA ITÁLIA (embaixadas, consulados, centros de língua e cultura, câmaras de comércio, entre outros) está presente em todo o mundo, permitindo que possamos continuar nossos vínculos com a pátria-mãe, mesmo morando no exterior. Claro que a imigração foi um mal necessário em séculos passados, mas boa parte destes imigrantes e seus descendentes não deixaram de ser italianos, nem no coração, nem no cartório.

Molossi com Darcy Loss Luzzatto em Pinto Bandeira, 2013

Integração – Como e quando começou a sua atuação e paixão pela política voltada à defesa dos direitos dos cidadãos italianos residentes em outros países?

Molossi – Foi gradativo, mesmo estando presente no DNA. Na fase adulta frequentei, durante três anos, um curso de italiano, entre eles dois anos voltados à conversação. Após, atuei cinco anos como professor da língua italiana. Em 2005, fui eleito para o Comites e, desde então, só aumentou o interesse pela preservação da língua e da cultura e também pela busca incansável de solucionar os problemas
que toda a comunidade italiana conhece. Desde a eleição de 2013, quando a vaga ficou para trás por apenas 1.500 votos, percebo que a comunidade me incentiva a continuar nesta caminhada, que os 12.501 votos não foram em vão e isso nos dá o combustível necessário para seguir em frente, sempre em movimento.

Integração – Os representantes da América do Sul eleitos para a Câmara e o Senado da Itália nos mandatos compreendidos entre 2006, quando entrou em vigor a Lei Tremaglia até o atual, da eleição de 2013, obtiveram quais conquistas para os jus sanguinis?

Molossi – O primeiro pleito para eleitos no exterior, em 2006, foi sucedido de nova eleição em 2008, em função da queda do Governo Prodi. No mandato de 2013, que agora chega ao fim, não houve nenhuma alteração em relação ao jus sanguinis, embora estejamos discutindo há algum tempo a eventual troca pelo jus soli, semelhante ao que temos no Brasil. No final de 2017, na apreciação da lei
orçamentária para 2018, por proposta do Parlamentar do PD/Europa, Claudio Micheloni, foi tentada uma manobra para criar limites geracionais à cidadania, bem como o aumento da taxa em mais €100,00. Mas, diante dos protestos em todo o mundo, especialmente aqui na América do Sul, dos quais estivemos na linha de frente nos dias 7 de abril e 12 de novembro do ano passado, a emenda foi retirada no momento da votação. Quanto ao resultado prático dos eleitos até agora, diria que é perto do nulo, pois ou estão a serviço do partido que determina como se deve votar e cujas diretrizes partem de Roma, ou estão apenas fazendo política pessoal, para autopromoção e busca de se manter na berlinda, apegados ao posto que conquistaram. O trabalho para o coletivo é muito pouco.

Delegação-de-Curitiba---protesto-12-out-2017-no-Consulado-de-São-Paulo

Integração – Apesar do estreitamento de laços entre italianos e pessoas com o mesmo sobrenome residentes na região Sul do Brasil registrado nas últimas décadas em função de Gemellagios entre cidades daqui e de lá e de festas de famílias, porque os municípios da Serra Gaúcha que utilizam a cultura italiana como carro-chefe ao turismo recebem poucos visitantes italianos?

Molossi – Parece que existe um abismo entre nós, descendentes (netos, bisnetos e trinetos) e os primeiros imigrantes que fizeram a vida no Brasil, mas mantiveram o vínculo com a origem e as gerações que se sucederam na Itália. As referências do Brasil, para a maioria dos italianos, é praia, carnaval e samba. Se olharmos para o Brasil atual, ainda temos divisões importantes nos aspectos econômicos e sociais entre os estados do Sul, Sudeste, Centro-Oeste e os do Norte e Nordeste. Apenas nas últimas décadas é que a Serra Gaúcha passou a gerar produtos e serviços dignos de serem reconhecidos como marcas de qualidade, avanço que, aos poucos, tem despertado o interesse de empresas italianas em investir e produzir na região. A atual qualidade de vida nos municípios da Serra Gaúcha foi conquistada com muito trabalho e esforço de várias gerações. Mas o turista italiano, na média, quer o calor, as praias do Nordeste e o carnaval. Só aqueles que têm vínculos familiares ou de negócios privilegiam nossa região. Ainda bem que estes são muitos e estão aumentando devido ao bem-estar e à sensação de pertença a uma grande família que ainda proporcionamos, sentimento que está desaparecendo na Itália.

Molossi recebe delegação da Regione Veneto, 2010 Assessore Veneto Brasil Nov-10 - 3

Integração – Como representante da América do Sul no Parlamento Italiano que projetos pretendes apresentar?

Molossi – Estamos em fase final de elaboração de um plano de trabalho, composto por dez diretrizes que nortearão a nossa atuação política. O plano prevê datas para a apresentação desses projetos de lei no Parlamento, com ou sem apoio de outras correntes políticas. O eleitor poderá acompanhar e cobrar do candidato LUIS MOLOSSI a sua atuação como parlamentar. Todas estas iniciativas dirão respeito aos JOVENS, no âmbito da educação, da cultura e do desenvolvimento profissional; à COMUNIDADE ITALIANA, nas áreas social, de
saúde e de cidadania; nos DIREITOS CIVIS, na luta pela diminuição da burocracia para resolver de uma vez por todas o problema de acesso aos serviços consulares e, é claro, por nossa ECONOMIA, ampliando as possibilidades de bons negócios entre o Brasil e a Itália.

Integração – Qual é a abrangência geográfica de sua campanha?

Molossi – Parte da nossa casa, que é o Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, hoje nosso Estado por adoção. Também abrange São Paulo, onde temos a maior comunidade italiana no Brasil fora da Itália e o maior número de eleitores. Abrange ainda Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e, com menos intensidade, mas não menos importantes, Brasília, Recife e Fortaleza. Fora do país, na Argentina, no Uruguai, Venezuela, Chile, Peru, Colômbia, Equador e Paraguai, onde também temos uma forte presença italiana e já fomos bem votados em 2013. Todos somados, são 1.368.027 eleitores inscritos e aptos a votar.

Integração – Por que as pessoas com Cidadania Italiana residentes no Brasil e em outros países da América do Sul devem votar em você para o cargo de Deputado?

Molossi – Nossa atuação de mais de 30 anos vem sendo feita no sentido de remover obstáculos, facilitar ações e unir esforços que possam
beneficiar os cidadãos e descendentes de italianos que vivem no Brasil e em outros países da América do Sul. Minha experiência, minha formação profissional, minha forte crença nos valores familiares e nas tradições da nossa comunidade trazem a qualificação necessária para seguir adiante e, dentro das possibilidades que o cargo nos permitir, promover iniciativas que contemplem estas diretrizes.

Integração – De que forma as pessoas com Cidadania Italiana residentes no Brasil e em outros países devem proceder para votar?

Molossi – No período que coincide com o nosso Carnaval, por volta de 12 a 16 de fevereiro de 2018, os eleitores receberão em suas casas os envelopes com todo o material para votar. Analisando bem as propostas dos candidatos, suas trajetórias e compromissos com a comunidade italiana, devem proceder o correto preenchimento do voto e envio do envelope ao consulado, de modo que estes cheguem ao destino, mediante envelope já pré-franqueado, impreterivelmente até o final de fevereiro de 2018. Os envelopes com os votos deverão
estar em Roma a tempo de serem contados até o dia 4 de março de 2018, quando lá acontecerá a mesma eleição, pois a nossa também é considerada uma circunscrição eleitoral, apenas o sistema de votar é diferente e antecipado.

Integração – Considerações gerais em relação ao assunto?

Molossi – Sim, como voluntário, minha luta pelos direitos dos ítalo-brasileiros é antiga. Trabalho ouvindo, orientando e ajudando as pessoas com dificuldades no exercício de seus direitos e na obtenção da sua cidadania plena, no aprendizado da língua e na preservação da cultura, que são a base de todo o resto, pois quando morre a língua, morre o conceito de povo. Atuo há mais de 20 anos em prol da comunidade italiana no Brasil. Também trabalho com empresários italianos que investem no Brasil e os ajudo na concretização de projetos relevantes para os dois países. Trabalho ainda com os jovens para viabilizar sua inserção no Sistema Itália e os ajudo na conquista de mais benefícios econômicos, sociais e culturais. Por tudo isso e por estar sempre em movimento pela cidadania plena de todos nós, peço a você e a sua família que nos honre com seu voto!

SAIBA MAIS: Gaúcho Luis Molossi, candidato a deputado na Itália, apresenta diretrizes do partido MAIE

Luis Molossi, natural de Nova Bassano, é candidato a uma vaga na Câmara de Deputados da Itália
Hospital Tacchini implantará o primeiro Hospital Dia da Região, no Medical Center Bento Gonçalves

 

1ª Conferência Municipal de Saúde da Mulher acontece em Bento Gonçalves

 

135175_papel-de-parede-papeis_1280x800_fullCom o tema “Saúde das Mulheres: Desafios para a Integralidade com Equidade”, o Conselho Municipal de Saúde realizará a 1ª Conferência Municipal de Saúde da Mulher. O evento ocorre no dia 17 de maio, na Câmara de Vereadores, como um foro municipal de debates aberto a  comunidade.

Entre os temas, o encontro vai analisar a efetivação dos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS), avaliando a situação da saúde no município. Também será discutido a elaboração de propostas a partir das necessidades da saúde da mulher, buscando a participação da mulher na construção das diretrizes dos planos Municipais, Estaduais e Nacional de Saúde.

O encontro contará com quatro palestras, com temas sobre doenças, trabalho, políticas de saúde e violência contra mulher. Na ocasião, será realizado ainda a eleição dos delegados, que representarão o município na Conferência Estadual.

A inscrição poderá ser feita no local ou através do e-mail conselho.saude@bentogoncalves.rs.gov.br. Na recepção do encontro serão entregues crachás e material a cada inscrito.

Programação

7h30: Credenciamento

8h: Formação da Mesa e Abertura

8h30: Leitura e Votação do Regimento

 

9h: 1º Tema – O Impacto da Doença na Vida da Mulher

Palestrantes: Sr. Tiago Villa, Diretor /Proprietário da Empresa Qualivita Farmácia e Ortopedia e Enfermeiro da AAPECAM

 

9h45: 2º Tema – O Mundo do Trabalho e suas Consequências na Vida e na Saúde das Mulheres

Palestrante: Dra. Neice Muller Xavier Faria, Medica do Trabalho,Coordenadora Vigilância de Saúde do Trabalhador

 

10h30: 3º Tema – Políticas de Atenção a Saúde da  Mulheres: Panorama do Contexto Municipal

Palestrante: Sra. Eveline Bender, Coordenadora do Programa Saúde da Mulher

 

11h30: Intervalo Almoço

 

13h30: Retorna dos Trabalhos

 

13h45: 4° Tema – Mulher em Situação de Violência : De quem estamos falando

Palestrante: Sra. Cassiane Signhor Venturini, Psicóloga do SAE/CTA E DO Centro Revivi de Bento Gonçalves

14h30: Formação dos Grupos de Trabalho (GTs)

15h30: Apresentação das Propostas e Votação

16h30: Eleição dos Delegados

17h: Formação da Mesa para Encerramento

Quitado 13° salário dos servidores municipais de Bento Gonçalves

dindinA prefeitura de Bento Gonçalves realizou nesta sexta-feira, 13, o pagamento dos 60% restante da parcela referente ao 13° salário dos servidores municipais. A soma é de R$ 7 milhões, sem os encargos. Receberão o benefício os 1.893 funcionários públicos do município, sendo 103 cargos em comissão.

A quitação foi possível por conta da entrada da verba de repatriação de recursos no exterior repassada aos municípios, além da arrecadação de impostos, como IPVA e IPTU. Para completar a quantia destinada, foram realocados de outras áreas mais de R$ 2,9 milhões, crédito especial aprovado na Câmara de Vereadores, por unanimidade, na sessão dessa quarta-feira, 12.

Foto: Prefeitura de Bento Gonçalves

Câmara aprova liberação de verba para quitação do 13º salário dos servidores

Câmara Municipal de Bento Gonçalves aprovou por unanimidade, na manhã desta quinta-feira, dia 12, o projeto de lei do executivo em regime de urgência que permite a abertura de um crédito especial de R$ 2.975.178,90 para as unidades orçamentárias das secretarias municipais. Conforme a justificativa do projeto, a verba será utilizada para o pagamento dos 60% restantes do 13º salário de 2016 dos servidores públicos municipais.
Recesso parlamentar

Desta quinta-feira (12) até o próximo dia 17 de fevereiro, a Câmara de Vereadores de Bento Gonçalves estará em recesso parlamentar. Durante o período, não haverá sessões ordinárias. Elas voltam a ocorrer a partir do dia 20 de fevereiro deste ano. O Poder Legislativo funcionará em turno único durante o período, das 7h30 às 13h30, sem fechar ao meio-dia.

“A Câmara não para por causa desse recesso, que é uma disposição regimental não remunerada. É importante salientar que os parlamentares poderão inclusive ser convocados para se reunir em sessões extraordinárias não remuneradas durante esse período, caso haja a necessidade”, destaca o presidente do Legislativo Municipal, Moisés Scussel Neto (PSDB).

Câmara nega pedido de abertura de CPI para apurar situação financeira da prefeitura

CâmaraO  Pedido de Abertura da CPI  das  Finanças, de autoria do Vereador Moacir Camerini, para apurar a  situação financeira da prefeitura de Bento Gonçalves, em função dos atrasos nos pagamentos dos servidores, das empresas terceirizadas, estagiários e dos fornecedores, foi negado na sessão ordinária da noite da última quarta-feira (11).

Vereadores que votaram contra:

Amarildo Lucatelli  -PP (Líder de Governo)
José Elvio de Lima – PMDB
Gilmar  Pessuto – PSDB
Gustavo  Sperotto -DEM
Marcos  Barbosa -PRB

Neri  Mazzochin – PP
Paulo  Cavalli – Paco – PTB
Rafael  Pasqualotto – PP
Sidinei da Silva – PPS
Valdemir  Marini- PTB
Eduardo  Virissimo – PP
Volnei  Christofoli – PP
Moises  Scussel  – PSDB

Vereadores que  votaram a favor:

Moacir Camerini- PDT ( autor da proposta)
Agostinho  Petroli – PMDB
Idasir Dos Santos – PMDB
Jocelito  Tonietto  – PDT

Vereador Camerini pede abertura de CPI para avaliar finanças do município

vereador-camerini-00000003O Vereador Moacir Camerini (PDT)  solicitou, nesta quarta-feira (11),  a Mesa Diretora da Câmara, a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito(CPI) para apuração da situação financeira do município de  Bento Gonçalves. Conforme Camerini, o objetivo é analisar os  atrasos da prefeitura nos pagamentos de empresas que prestam serviços terceirizados, estagiários e os fornecedores.  Ainda segundo ele, a CPI também deve esclarecer excesso de gasto da prefeitura com despesa pessoal.  Ele afirma  que  o  Tribunal de Contas (TCE) apurou que o município, em 2015,  ultrapassou  o limite fiscal de 56,07% do orçamento com despesa pessoal.

 

Prefeito Pasin negocia construção de novo presídio com o governo do Estado

presidoO prefeito de Bento Gonçalves, Guilherme Pasin, entregou ao Secretário Estadual de Segurança, Cezar Schirmer, as avaliações técnicas do atual presídio, cotado em R$ 15 milhões, do prédio e da residência do superintendente do DAER, orçados em R$ 6 milhões. A intenção é que o governo estadual venda esse patrimônio para financiar a construção do novo presídio regional, avaliado em R$ 18 milhões. O encontro, que ocorreu em Porto Alegre, na última quinta-feira, dia 05, também contou com a presença do vice prefeito Aido Bertuol e do futuro secretário de Segurança do município, tenente coronel José Paulo Marinho. Na ocasião, o prefeito solicitou ainda um reforço de 50 policiais para atender a cidade.

Segundo Pasin, o Governo do Estado deve realizar sua avaliação até o final deste mês de janeiro. Ele acrescenta que, em seguida, será possível dar sequência ao empreendimento com interessados da iniciativa privada. O prédio de Bento Gonçalves será o primeiro a ser construído pelo modelo de permuta de bens inservíveis.

Foto: Janaína Casanova