Posts

Semana do Livro em Bento tem início no dia 24

Biblioteca Pública, Sesc e livrarias locais recebem atividades alusivas

semana do livro em bento A Semana do Livro em Bento Gonçalves será promovida de 24 a 29 de abril, com programações alusivas na Biblioteca Pública, Sesc e livrarias, em comemoração ao Dia Mundial do Livro, 23 de abril. A data também é reservada com o intuito de conscientizar a comunidade sobre a importância da preservação do acervo bibliográfico.

A programação conta com aulas de musicalização entre os alunos das oficinas da Fundação Casa das Artes e contação de histórias infantis na Biblioteca Pública, além de atividades no Sesc e livrarias locais, que terão descontos na compra de livros.

A promoção é da Secretaria Municipal da Cultura, Fundação Casa das Artes e Biblioteca Pública Castro Alves em parceira com outras entidades.

Programação Biblioteca Pública Castro Alves

25/04 – Aulas de Musicalização com alunos das oficinas da Casa das Artes

 

25 a 28 de abril – #Livroencontrado – distribuição de livros nas Praças da cidade, ônibus urbanos e monumentos públicos.

29 de abril (Sábado à tarde)

14h: Troca-Troca e Troca-troquinha de livros na área externa da Biblioteca Pública

15h: Contação de história infantil com a escritora Gomercinda Parizoto (Gugui)

Programação do SESC

Espetáculo A Máquina do Tempo Oigalê (RS)

24 de abril: Às 15h

25 de abril: Às 9h30 e às 15h

Local: Fundação Casa das Artes

Gratuito

Agendamento pelo telefone (54) 3452-6103.

24 a 28 de abril – Divulgação da Feira do Livro Infantil Sesc e  Realização de projetos literários da Feira do Livro Infantil Sesc

Local: Escolas Infantis do Município

Livrarias Locais

Aquarela Livraria e Papelaria:

Desconto de 10% nos livros.

Dom Quixote Livraria & Cafeteria

Desconto de 10% nos livros.

25 de abril (terça-feira)

20h – Bate-papo sobre Dança, com o bailarino e ator CRISTIAN BERNICH, com a apresentação do Vídeo-dança “No-outro-lugar”.

28 de abril (sexta-feira)

20h – Sarau na DomQui!

29 de abril (sábado)

10h às 20h – BAZAR DA DOMQUI! VENDA DE LIVROS COM PREÇO PROMOCIONAL!

19h – Pocket –show – ELI CASTRO DIAS canta Érico Junqueira- Lançamento do Projeto Do quarto para a rua.

Livraria APP

Desconto de 10% nos livros.

Dia Mundial do Livro

A instituição desta data, feita pela Unesco, internacionalizou uma antiga tradição da Catalunha, onde, em 23 de abril, comemora-se o Dia de São Jorge padroeiro daquela província espanhola e recorda-se o falecimento do escritor Miguel de Cervantes, ocorrido na mesma data, em 1616. De acordo com o costume catalão, os livreiros entregam uma rosa juntamente a cada livro vendido neste dia e muitas pessoas presenteiam com livros e rosas seus amigos e familiares.

Uma rosa por São Jorge, um livro por Cervantes, este é o lema. A partir de 1995, a Unesco estendeu sua homenagem ao escritor inglês William Shakespeare, também falecido em 23 de abril de 1616, e passou a estimular os estados-membros a desenvolverem iniciativas próprias nesta data.

Atualmente, autores, editores, professores, livreiros, meios de comunicação e bibliotecas, entre outros profissionais e entidades, mobilizam-se, em todo o mundo, para que o livro esteja na pauta do dia. No Brasil, a iniciativa marca a passagem do Dia Nacional do Livro Infantil, 18 de abril – nascimento de Monteiro Lobato.

Foto: Divulgação

Primeiras Palavras: Carpe Diem de Botequim

 Rogério Gava 

sem-titulo-1

A máxima é conhecida: Carpe Diem. “Aproveita, colhe o dia”. Nos foi legada pelo poeta romano Horácio, que em suas Odes escreveu: “A vida é curta; abrevia as remotas expectativas. Mesmo quando falamos, o tempo, malvado, nos escapa. Aproveita o dia, e não te fies tanto no amanhã”. Uma verdadeira pérola de sabedoria.

Horácio escreveu esse texto há dois mil anos. Sua mensagem continua simples e encantadora. Pena que acabou mal interpretada. O Carpe Diem, coitado, virou sinônimo de puro hedonismo, de busca pelo prazer desenfreado. Afinal, se algum dia vamos morrer, o melhor é aproveitar ao máximo o aqui e agora. E que se dane o resto! É o “Carpe Diem de Botequim”, típico da conversa de bar. Pobre Horácio: ficaria triste em saber que rumo tomou seu ensinamento.

Nestes tempos vaporosos, onde o novo fica velho em um dia e os valores estão um tanto desbotados, o “Carpe Diem de Botequim” ganhou lugar de destaque: “Viva o hoje, esqueça do amanhã. Aproveite enquanto é tempo! Goze ao máximo! Afinal, você tem o direito de ser feliz”. O culto ao prazer instantâ- neo virou a religião moderna. Repare como ele domina a propaganda, os anúncios nas revistas e na televisão. Na internet. E vai entupindo a cabeça de todos nós, com a falsa promessa de que aproveitar a vida dessa forma exacerbada é o segredo da felicidade. Ledo engano.

Se tudo fosse “aproveitar o presente”, então para que se preocupar com as gerações futuras? Com nossos filhos e netos? Por que lutar contra as injustiças? Se preocupar com as crianças abandonadas, refugiadas? Com a corrupção que grassa? Para que, afinal, ser honesto? Fiel às pessoas que amamos? Se o negócio é aproveitar o dia, então, quem pode mais, chora menos! Eis justamente a falha do “Carpe Diem de Botequim”. Ele nos reduz a meros hedonistas festeiros, irresponsáveis, para quem curtir a vida é a única coisa que importa. Triste existência essa, subjugada pelo prazer egoísta e insensato.

O Carpe Diem legítimo tem outro significado. Ele nos fala que nossa existência é curta, sim, frágil como a chama de uma vela ao vento. Que não temos certeza de nada, a não ser do instante que estamos vivendo. E que, cientes disso, não devemos perder o momento presente. O Carpe Diem verdadeiro não propõe que esqueçamos nossos projetos, dando de ombros ao dia de amanhã. Tampouco que devemos nos atirar ao gozo de todas as nossas veleidades. Ele só nos lembra que somos mortais, e, ao final, o que importa é viver enquanto é tempo. É bom fazer planos, mas, sejamos honestos, não sabemos se vamos estar aqui para realizá-los. O certo, então, é seguirmos com eles, mas sem jogarmos a felicidade para algum ponto futuro. O que importa é o caminho; não a chegada. Mais vale a paisagem da estrada do que o próprio destino.

Horácio nos diz que o tempo não deve ser desperdiçado. Isso não significa, contudo, que devamos viver de forma irresponsável. Tresloucada. Pelo contrário: saber que a areia da ampulheta está escorrendo deve nos fazer viver “a cada dia o seu dia”. Sabiamente. De que forma? Por exemplo, quando não deixamos para amanhã aquilo que podemos fazer hoje, estamos sabendo “aproveitar o dia”. Quando, em meio à correria cotidiana, lembramos de dizer “eu te amo” para as pessoas especiais de nossa vida, estamos vivendo no verdadeiro espírito do Carpe Diem. Parar para contemplar o pôr do sol, admirar o firmamento estrelado, saborear uma refeição singela feita com carinho. Sentir o cheiro da grama molhada. Tomar banho de chuva e voltar a ser criança. Tudo isso é Carpe Diem.

“Tempus fugit”, cantava Virgílio – outro poeta famoso –, lembrando que “o tempo voa”, foge de nossas mãos. Colhe o dia, responde Horácio. Mas, colhe-o com sabedoria. Há que se viver o hoje, sem dúvida. Mas, não há que se querer fazer tudo neste exato instante. “Apressa-te lentamente”, diziam os sábios antigos. Isso nos ensina a passear pelo nosso singelo jardim sem perder tempo, mas saboreando o instante. Sem a ansiedade de querer percorrê-lo em um só dia. Querendo todas as flores que encontramos pelo caminho. O Carpe Diem autêntico nos lembra que colher flores, por certo, não é o mesmo que arrancá-las.

Ovelha Café: grãos de café especiais, literatura e charme em Bento Gonçalves

ovelha cafe 2Quem gosta de café vai adorar a novidade: no próximo dia 14, às 10 horas, inaugura em Bento Gonçalves o Ovelha Café, da jovem empreendedora Bruna Bello. A cafeteria, com proposta literária e gastronômica, fica situada na parte térrea de uma residência de alvenaria construída em 1920, na esquina da rua Agnaldo da Silva Leal com a travessa Manaus, no bairro Cidade Alta.

Bruna procurou referências nos anos 40 a 60 e aplicou diversos elementos e mobílias restauradas para dar ao ambiente um toque retrô. “Sempre tive vontade de abrir um pub, um café, um espaço cultural em Bento. Em outubro do ano passado percebi que o momento tinha chegado quando vi a placa de “aluga-se” nessa casa. O nome eu já tinha bem claro na minha mente, seria Ovelha, porque minha família até hoje me chama de “ovelha negra” devido aos meus gostos peculiares e minha paixão por livros. Sem contar que eu adoro ovelhas e as relaciono muito bem com café. A lã e o próprio desenho dela trazem aconchego. Queria que o ambiente fosse acolhedor, literário e ao mesmo tempo vintage, com ar de nostalgia. Para mim, o café também é nostálgico”, revela Bruna.

Bruna belloInicialmente serão quatro grãos diferentes disponíveis: Moka de origem Alta Mogiana/São Paulo, Topázio Amarelo de origem Chapadão de Ferro/Minas Gereais, Catuaí Vermelho de origem Santa Maria de Jetibá/Espírito Santo e o Bourbon Amarelo de origem Cerrado Mineiro. São quatro formas de preparação para cada grão, ampliando uma gama de 16 aromas e sabores disponíveis no cardápio, cada um apelidado carinhosamente com o nome de um personagem, livro ou ator de literaturas. Cafés com leite integral, desnatado e sem lactose também estão no menu.

Além deles, o caseiro e gostoso café passado no pano será a opção mais econômica para quem busca simplicidade. Haverá ainda opções de cafés doces e alcoólicos, brownie, cookies, torta e sanduíches com quatro opções de pão também serão feitos na confeitaria própria. O interior da cafeteria segue a linha retrô na decoração e mobília e abrigará livros e histórias em suas prateleiras e mesas, sendo também possível locar os exemplares.

Na decoração do ambiente, rádios antigos, máquina de escrever, luminárias resgatadas em antiquários e cadeiras personalizadas. As xícaras, de porcelana, estampam bordados exclusivos do Ovelha. Além do charme, elas ajudam a manter a temperatura ideal da bebida. Investindo na arte da cidade, o local disponibilizará espaço para exposições transitórias de artistas locais. As primeiras, já a partir do dia 14, serão de Bruna Maria e Diogo Carlet.

ovelha cafeMuitos livros estarão dispostos no ambiente entre obras do acervo da proprietária e de seu marido Tom Miele e outras doadas por amigos do casal. A troca de livros entre os clientes e a possibilidade de retirar os exemplares fixos do Ovelha também faz parte da proposta. “Será um espaço para a convivência de todas as gerações e idades. Haverá saraus, grupos de discussões e teatros. O empreendimento contará ainda com um espaço infantil para atender a garotada mais nova”, ressalta Bruna

O Ovelha Café estará em funcionamento de terças a sextas-feiras, das 10 às 20 horas, aos sábados, das 8h30 às 18 horas e aos domingos, das 14 às 18 horas, com brunch especial pela manhã (café da manhã americano com panquecas ao molho canadense Maple Syrup, que também será produzido pelo empreendimento) mais café ou suco de laranja.

ovelhaCom atendimento personalizado, Bruna e seus colaboradores têm a missão de apresentar as características de cada café para o cliente, numa conversa ao pé da mesa. Para aqueles que querem se aprofundar, o Ovelha realizará workshops e degustações para grupos fechados, que também podem ser agendados previamente. “Minha ideia é apresentar aos clientes cafés de qualidade, para que a bebida possa ser apreciada e esse hábito possa ser cultivado de maneira saudável”, ressalta.

Se o cliente não quiser beber o café na hora, a Ovelha terá copos personalizado da própria marca, no estilo Starbucks, para o transporte da bebida. Água fresca gratuita disponível para todos os clientes também será como um dos pontos diferenciais do Ovelha Café. O local também terá um espaço para a venda de produtos personalizados da Ovelha e souveniers, como almofadas, camisetas e canecas, entre outros.

O Lado Ruim da Paz

Por Natália Zucchi

Coordenado pela Biblioteca Pública Castro Alves, programa Recode, da Fundação Bill e Melinda Gates, inseriu jovens em atividades culturais. O grupo Litearte Protagonistas do Amanhã se destacou pela produção cinematográfica “O Lado Ruim Da Paz”

Através do Programa Recode, da Fundação Bill e Melinda Gates, vinte estudantes de Bento Gon- çalves participaram de encontros semanais na Biblioteca Pública Castro Alves, entre abril e outubro de 2016, voltados ao desenvolvimento das competências do século XXI, à autonomia em Tecnologias da Informação e à resolução de problemas sociais. Os estudantes, com idades entre 13 e 16 anos, foram divididos em três grupos de trabalho, coordenados pela bibliotecária Eunice Pigozzo. Com um encontro semanal nas manhãs das terças, quartas e quinta -feiras, em contra turno às atividades escolares, Eunice buscou inserir a garotada nas mais diversas manifestações culturais e literárias.

No evento de encerramento do primeiro ciclo do projeto, em 31 de outubro de 2016, na Fundação Casa das Artes, cada grupo apresentou um produto midiático, como culminância das atividades propostas: jogo de RPG, encenação e curta-metragem. Entre os trabalhos, o curta “O Lado Ruim da Paz”, de 18 minutos, se destacou pelo engajamento do grupo, autointitulado Litearte Protagonistas do Amanhã – e pela atuação da protagonista, a pró- pria Eunice. Incentivados pela boa repercussão da experiência, o grupo se organiza para um próximo filme.

“Filhotinhos culturais”

Durante os encontros, Eunice apresentou aos estudantes o mundo da cultura e das artes, procurando ampliar suas interações. Através de análises reflexivas de fotografias, artes plásticas, música e literatura, explicou conceitos e características dos movimentos artísticos e literá- rios, fazendo conexões entre a ficção e a realidade dos jovens. O projeto oportunizou aos grupos a participa- ção em shows e visitas a centros culturais em Bento Gonçalves e Porto Alegre. “Foi um ano riquíssimo para eles. Cresceram muito através das diversas relações estabelecidas entre pessoas e arte. Esses jovens e tantos outros que já conviveram comigo na Biblioteca, são meus filhotinhos culturais”, comemora Eunice.

Como culminância do projeto, ela identificou em cada grupo a área em que os integrantes mais tinham aproveitado e, assim, propôs a atividade de encerramento. Visto a tendência ao audiovisual e a experiência prematura dos estudantes com as câmeras, ficou claro a escolha de um curta para o grupo formado por Marcos Vítor Prado, 13 anos, Laura Bergozza Pereira, 15, Júlia Nichet, 14, Êmelly Coghetto, 14, Lauren Bianchi, 14, Maria Eduarda Signor, 13 e Vitória Azambuja, 13. Em apenas três meses, os integrantes roteirizaram, produziram e gravaram o suspense “O Lado Ruim da Paz”, com direção e edição de Marcos Vítor Prado.

A narrativa é baseada no assassinato de um policial na Escola Mestre. Após dois anos, a viúva do policial (interpretada por Eunice), acha pistas que deixam o crime ainda mais intrigante. O curta foi gravado com a filmadora de Marcos e a câmera fotográfica de Laura. Como cenários, eles utilizaram a casa de Júlia e de sua tia Lisete Enderle, a biblioteca Castro Alves e o Cemitério Municipal de Bento Gonçalves.

Histórias de repercussão midiática

Até agora, o curta foi apresentado na Fundação Casa das Artes, na Livraria Dom Quixote e na Feira do Livro de Porto Alegre. “Meu canal serviu como um laboratório para aprender a lidar com a câmera e entender como funciona o processo de edição. Isso colaborou muito para a gravação desse primeiro filme”, conta o jovem diretor Prado, que também possui o canal “O Eclético”, no Youtube. Além de Marcos, Êmelly produz Fanfic (histórias ficcionais escritas por fãs baseadas em outras histórias de repercussão midiática) e histórias originais, de autoria da garota, publicados na internet. “Quando tinha 8 anos, pegava minha câmera e gravava pequenos filmes de terror. Na época, ganhei meu primeiro computador, mas como eu não tinha internet, ficava editando essas filmagens. Poder produzir o curta “O Lado Ruim da Paz” foi a concretização de um desejo”, revela.

Com o novo filme em vista, os jovens têm vendido o DVD desse primeiro curta, pelo valor simbólico de R$10,00, a fim de arrecadar recursos para o próximo trabalho. Também receberam doações de apoiadores e da livraria Dom Quixote. Ainda no início do mês de janeiro, o grupo iniciou o planejamento e roteiro para o novo filme, que será um média ou longa metragem, que abordará o assunto LGBT e amizade virtual, com mesclas de drama e comédia. “São assuntos que estão em destaque e que ainda tem muito a ser falado”, afirma a integrante Êmelly. Com estréia prevista para agosto deste ano, os estudantes já estão firmando parcerias com outros produtores culturais de Bento Gonçalves para iniciar as gravações em março. “Agora temos mais conhecimento sobre o que o que é viável fazer e o que dá errado. Nesse segundo filme, teremos mais tempo para produzir, com mais qualidade”, destaca a estudante Júlia.