Posts

Safra 2021: “Clima é determinante para a qualidade das uvas”

“A Safra 2021 tem tudo para ser mais uma safra de alta qualidade, mas ainda é cedo para afirmarmos, pois o auge da colheita ainda está por vir e o clima de cada dia é determinante para a maturação, qualidade e sanidade das uvas. O que podemos afirmar é que as uvas precoces utilizadas para a elaboração do vinho base espumante já foram colhidas e estavam excelentes, com perfeito equilíbrio entre açúcar e acidez. Com isso, podemos aguardar espumantes fantásticos. Agora, estamos colhendo as castas intermediárias. Vamos torcer que as condições climáticas contribuam, que tenhamos dias secos e noites mais frescas e que a chuva venha na medida certa”, declara o presidente da Associação Brasileira de Enologia, André de Gasperin.

Foto capa: Tatiana Cavagnoli

Inscrições para a Revista Brasileira de Viticultura e Enologia até 6 de abril

ABE começa a trabalhar na 13ª edição da publicação que reúne trabalhos inéditos sobre Enologia, Viticultura, Enoturismo e Gestão

Pesquisadores já podem inscrever seus artigos para publicação na Revista Brasileira de Viticultura e Enologia, editada pela Associação Brasileira de Enologia (ABE) desde 2008. Em 12 edições, já foram publicados 152 trabalhos, munindo a cadeia produtiva da uva e do vinho de pesquisas científicas capazes de dar suporte à qualificação dos profissionais que atuam no setor. Os trabalhos podem ser enviados pelo e-mail [email protected] até o dia 6 de abril. As normas de publicação estão disponíveis no site https://www.enologia.org.br/revista/normas/.

Esta é a única publicação técnico-científica do setor no Brasil. A Comissão Organizadora e Editorial, formada por pesquisadores e enólogos, atua na promoção da pesquisa, oportunizando aos profissionais o acesso a novos estudos. Fonte de conhecimento, a revista passou a ser referência no Brasil e no exterior, devido a qualidade dos artigos que trazem conteúdos relevantes para a prática do enólogo. Atendendo a demandas de conhecimento, os temas trazem novas visões em torno de assuntos atuais, priorizando o ineditismo.

O projeto tem o propósito de promover a aproximação de seus associados de estudos recentes capazes de auxiliar na atualização dos que atuam no setor. O presidente da ABE, enólogo André de Gasperin, destaca que este tipo de ação sempre terá atenção especial da entidade, haja vista sua utilidade na qualificação dos enólogos. “O setor vitivinícola brasileiro passou por uma gigantesca transformação nos últimos anos. Compartilhar novos saberes é uma atividade que não se esgota e permite evoluir cada vez mais. Nessa tarefa de transformar a uva em vinho, superar desafios é nosso desafio permanente, especialmente quando estamos falando do clima”.

Com periodicidade anual e tiragem de 2,5 mil exemplares, a revista é distribuída entre o público da Avaliação Nacional de Vinhos e associados da ABE. Universidades, escolas e associações de enólogos de outros países, bem como institutos de pesquisa e demais instituições de ensino, também recebem a revista. A Revista Brasileira de Viticultura e Enologia é orientada pelo editor-chefe Dr. Alberto Miele e pelo editor Dr. Luciano Manfroi. O PDF das edições anteriores pode ser acessado no site https://www.enologia.org.br/revista/downloads/1.

Enólogos passam a contar com Banco de Dados de Espumantes

ABE garante sigilo absoluto para uso inteligente e exige termo de responsabilidade dos enólogos para uso exclusivo

 

‘Todo vinho tem marca. A marca da dedicação de um enólogo’. Esta é a bandeira da Associação Brasileira de Enologia (ABE), que desde 1976 não mede esforços para garantir aos seus associados ferramentas capazes de ampliar o conhecimento técnico em cada etapa do processo de elaboração de vinhos e espumantes. Levando em consideração que o espumante é a bebida que abriu as portas do Brasil para o mundo, a entidade aproveitou o 11º Concurso do Espumante Brasileiro, realizado em outubro do ano passado, para estartar um projeto ousado e único no mundo, com dados gerais do produto. É o Banco de Dados do Espumante Brasileiro, que será lançado dia 26 de novembro durante uma live restrita aos enólogos que fazem parte do quadro social da ABE.

 

O projeto tem como objetivo central propiciar o acesso de informações técnicas em torno da bebida. O estudo levou em conta mais de 250 amostras em diversas categorias como Brut, Extra Brut, Nature, Rosé Brut e Moscatel, todas inscritas no concurso. As informações de marca comercial e da empresa que elaborou os espumantes são estritamente confidenciais, e os enólogos terão acesso só aos dados analíticos e outros parâmetros solicitados por ocasião da inscrição das amostras. Isso porque o objetivo é gerar um panorama do espumante brasileiro para que os profissionais possam conhecer ainda mais esta bebida que conquistou o mundo. Por meio de gráficos e análises estatísticas simples pode-se obter uma radiografia do espumante brasileiro apresentadas no 11º Concurso do Espumante Brasileiro.

 

Para tirar o projeto do papel foi necessário buscar um parceiro técnico capaz de dar todo suporte necessário para analisar as informações. O Laboratório Lavin, com expertise no ramo por meio de tecnologia de ponta e uma equipe de especialistas de diferentes competências e qualificações, é o partner da ABE no processo. Acreditado pelo Inmetro e reconhecido pela Rede Metrológica para ensaios da ABNT, o Lavin foi decisivo para concretizar o projeto. O Banco de Dados reúne informações do espumante brasileiro como acidez total, pH, pressão, álcool, açúcares redutores, tempo em tanque, tempo em garrafa, entre outros.

 

“Este é mais um serviço que a ABE disponibiliza aos enólogos associados. Apostamos nesta iniciativa porque temos certeza de que o vinho brasileiro vive um momento histórico que é reflexo de todos os investimentos feitos até hoje pela indústria nacional, desde o vinhedo até o mercado. E o enólogo, protagonista desse processo, é parte fundamental para garantir a continuidade da evolução do setor”, destaca o presidente da ABE, enólogo Daniel Salvador.

Foto: Jeferson Soldi 

Cedenir Fortunatti é escolhido enólogo do ano pela Associação Brasileira de Enologia

Enólogo e gerente industrial da Fante Bebidas, Cedenir foi eleito em votação entre associados da ABE

Cedenir Fortunatti, da Fante Bebidas, foi eleito o enólogo do ano pela Associação Brasileira de Enologia (ABE). Enólogo e gerente industrial da Fante, Fortunatti foi escolhido em votação promovida entre os associados e agraciado no último sábado, em solenidade comandada pelo presidente da ABE, Edegar Scortegagna, no Dall’Onder Grande Hotel, em Bento Gonçalves. O jantar de confraternização foi alusivo ao Dia do Enólogo e aos 41 anos da entidade, comemorados em 22 de outubro.

O 15º profissional escolhido pela ABE é natural da comunidade de Restinga, interior de Flores da Cunha, sede da Fante Bebidas, e cresceu em meio aos parreirais. “Minha família sempre trabalhou com uvas. Eu fui criado em meio aos parreirais”, relembra o enólogo. Sua carreira no mundo do vinho teve início no ano de 1994, quando ingressou na então Escola Agrotécnica Federal de Bento Gonçalves (hoje Cefet), onde cursou o curso de Técnico em Enologia. 

IMG-20181029-WA0007

Após a formatura, em 1999, entrou na Fante, onde começou a trabalhar como auxiliar de laboratório. Incansável por conhecimento, em 2004 entrou no Curso Superior de Tecnologia em Viticultura e Enologia na Cefet e, após a graduação, especializou-se em Vitivinicultura pela UCS de Caxias do Sul, formando-se em 2011. Em 2013, assumiu toda a elaboração de vinhos finos e de mesa, espumantes, sucos e destilados da Fante, considerada uma das maiores empresas de bebidas do país.  Pela UCS, também é formado em MBA em Desenvolvimento de Lideranças.

O “alquimista das bebidas”, como os colegas o chamam, Fortunatti comenta que a premiação tem um sentimento de muita alegria e realização profissional. ”A Fante Bebidas confiou em mim, no meu trabalho, e propiciou as ferramentas necessárias para o meu crescimento e desenvolvimento profissional. Sou muito grato à Fante pela confiança em mim depositada”, destaca.

Segundo o diretor-geral, Júlio Fante, Fortunatti entrou muito jovem na empresa, se formou enólogo e foi conquistando, aos poucos, conhecimento e experiência para chefiar o setor enológico da Fante. Hoje, o enólogo acumula experiência de quase 20 anos no mundo do vinho, toda ela dedicada à Fante. “O título de enólogo do ano é um grande atestado de qualidade dos nossos produtos”, destaca Júlio Fante.