Posts

“A Fenavinho era a filha mais velha dele”

 

Filha de Moysés Michelon, Elaine foi primeira personalidade a receber o troféu Dom Empreendedor, instituído pelo CIC-BG. Homenagem reflete o reconhecimento ao empreendedor, presidente da primeira edição da Fenavinho, festa que será retomada sob a tutela da entidade em 2019

Na história da Fenavinho, o nome de Moysés Michelon ocupa lugar de honra – não só por ter sido o presidente da primeira edição, em 1967, mas também por sua personalidade aglutinadora. Foi com essa característica que ele construiu a festa responsável por alçar Bento Gonçalves ao reconhecimento nacional, lembra uma de suas filhas, Elaine. Foi ela quem recebeu do Centro da Indústria, Comércio e Serviços (CIC-BG), em nome de seu pai – falecido em outubro de 2017, aos 83 anos –, o troféu Dom Empreendedor.

A distinção foi criada para homenagear àqueles que impulsionaram, por meio de uma atuação visionária, o crescimento econômico da cidade, características das quais Michelon é expoente. A entrega da outorga ocorreu na noite da solenidade de lançamento da 16ª Fenavinho – que será retomada em 2019, sob a tutela e responsabilidade do CIC-BG. “Fiquei muito emocionada pela lembrança do nome do meu pai, que sempre atuou muito pela comunidade”, disse a empresária.

A comunidade, aliás, sempre esteve à frente dos interesses de seu Moysés, homem conciliador que tinha a virtude de unir todos à sua volta para trabalhar em conjunto por uma causa. “Ele foi presidente sem ser cantineiro. Não importava o partido político, ele estava lá pelo povo. Inclusive, o prefeito na época era de partido oposto ao dele, e ele se uniu com todos os partidos e fez a festa com muita galhardia”, contou Elaine.

IMG_1628

O recebimento do troféu Dom Empreendedor teve um significado marcante porque ocorreu junto ao anúncio da volta da festa identitária de Bento Gonçalves – e num palco sempre sonhado por Moysés Michelon, a casa própria do CIC-BG. “É muito emocionante esse resgate da Fenavinho, que aconteceu dentro da sede do CIC, um sonho pelo qual ele sempre lutou porque não admitia uma entidade tão sólida não ter um endereço próprio”, lembrou a filha. “Foi uma conjunção de fatores que convergiram para uma coisa positiva, na entidade que ele ajudou a desenvolver, na casa nova e resgatando a Fenavinho, que era sua filha mais velha”.

E, como sendo da família, Elaine tem um grande carinho pela “irmã”. Ela não era nascida quando seu pai presidiu a primeira Fenavinho, mas envolveu-se muito com a festa – e não foi apenas através das histórias contadas por ele. Vivenciou intensamente a Fenavinho que, além de desenvolvimento, trouxe outros valores a Bento Gonçalves. “Sou fã de carteirinha dessa festa, entreguei muita uva aos visitantes e estou muito feliz pelo CIC ter encampado a Fenavinho, que nos deixou legados como o orgulho pela terra e por ser colono”, disse Elaine.

 Foto: Vagão Filmes

Bento Gonçalves resgata a sua maior festa popular

Festa Nacional do Vinho ocorrerá em conjunto com a ExpoBento, em junho, em Bento Gonçalves

A 16ª edição da Festa Nacional do Vinho, que o Centro da Indústria, Comércio e Serviços de Bento Gonçalves assumiu o desafio de retomar em 2019, será um resgate das raízes e da proposta original desse evento icônico na história da cidade, realizado pela primeira vez mais de cinco décadas atrás. Os conceitos de celebração comunitária e enaltecimento da bebida símbolo do município serão marcantes no rol de atrações que estão sendo planejadas – e foram antecipadamente compartilhadas em um jantar promovido na sede da entidade, na noite de 28 de novembro.

“A Festa Nacional do Vinho preencheu seu propósito de valorizar a produção vitivinícola do município, já famosa na época. E fez mais do que isso: deu tão certo que lançou Bento Gonçalves na era do desenvolvimento. Por isso, o CIC-BG, cumprindo seu papel de entidade ligada às causas da cidade, orgulha-se de liderar o movimento que está trazendo a Fenavinho de volta à vida”, diz o presidente Elton Paulo Gialdi. Embora o formato ideal do evento ainda não esteja definitivamente consolidado, pois será construído de forma colaborativa, com a opinião e participação efetiva da comunidade, sua realização em 2019 já é certeira. “Formamos um comitê de representantes, jovens líderes com energia contagiante, que desenvolverão as ações necessárias para criar uma grande festa Raiz”, adianta Gialdi.

Em 2019, a Fenavinho ocorrerá junto com a ExpoBento – de 13 a 23 de junho, no Parque de Eventos de Bento Gonçalves. Quem visitar encontrará uma proposta de acolhida no melhor estilo das festas italianas, homenageando a herança cultural semeada pelos imigrantes que colonizaram a região. “O público terá contato com uma variedade de projetos que contemplam diferentes áreas. Além disso, o visitante poderá fazer uma verdadeira viagem pelo encantador mundo do vinho e de suas expressões”, antecipa Diego Bertolini, coordenador do comitê instituído pelo CIC-BG para cuidar dos preparativos da festa.

 Comitê Fenavinho, resopnsável pelos preparativos da Fesra, que ocorre durante a ExpoBento 2019

Em cena, o Vinho

Protagonista da festa, o vinho brilha como elo conector de todas as atrações da Fenavinho. Dezenas de vinícolas expositoras apresentarão e comercializarão seus produtos, compartilhando com o público a evolução do setor local – hoje referência em termos de tecnologia e qualidade, como bem comprovam as honrarias e titulações recebidas pelos rótulos brasileiros em concursos e premiações ao redor do mundo. Uma Enoteca mostrará os vinhos nacionais, suas regiões de procedência e principais condecorações.

Incentivando a apreciação desses produtos, Cursos de Degustação atenderão aos interessados em aperfeiçoar seus conhecimentos acerca de vinhos, espumantes e sucos, com o amparo técnico de enólogos. Quem quiser conhecer mais sobre a história da bebida dos deuses poderá visitar os memoriais temáticos, ricos em informações. Depois dessa contextualização, um Túnel do Tempo conta a trajetória de mais de 50 anos da Fenavinho – espaço museológico com exposição que mostrará fatos, fotos, objetos – indumentária das Imperatrizes, como também evidenciará os atores sociais que construíram essa história.

Resgate cultural e promoção de experiências

Uma das atrações já confirmadas para a Fenavinho 2019 é a Vila Típica, integrada à área gastronômica e ao espaço da agroindústria e das vinícolas. “A proposta é recriar ambientes de época, revitalizando expressões da cultura regional local. Queremos transmitir esses conceitos por meio de vários campos do patrimônio cultural: arquitetura colonial, artesanato, hábitos e costumes, vinho colonial, gastronomia, teatro, música entre outros – sempre com janelas interativas para a participação do público”, diz Bertolini.

Recriando a atmosfera das praças, tradicionais pontos de encontro e convivência comunitária nas cidades do interior, espaços abertos, de integração, sediarão, de forma permanente, apresentações cênicas, artísticas e musicais. Nesses locais também será possível conhecer o trabalho das agroindústrias familiares, com produtos típicos e artesanais.

Imprescindível quando o assunto é tradição italiana, a fartura gastronômica é outro destaque da Fenavinho 2019. O visitante poderá apreciar pratos típicos dessa culinária e reviver experiências como o Filó Italiano. Haverá, também, espaços reservados para a alta gastronomia, inclusive com a realização de cursos ministrados por chefs, e aulas de harmonização, unindo culinária e vinho.

Para as crianças, a Fenavinho recria a Piccola Città, espaço com ações na área da educação patrimonial, lazer e recreação dirigida ao público infanto-juvenil.

O comitê da Fenavinho também está trabalhando no planejamento de ações paralelas, que remetem à essência da festa – entre elas, a oferta de Vinho Encanado na Via Del Vino, na região central da cidade – que está confirmada para ocorrer no próximo ano, nas duas semanas que antecedem a festa e a feira. Há, ainda, projeto para a realização de desfiles de carros alegóricos e escolha das Soberanas

CIC-BG encampa desafio de retomar a festa ícone de Bento Gonçalves

Coube ao Centro da Indústria, Comércio e Serviços de Bento Gonçalves encampar a mobilização que permitiu a retomada da Fenavinho já no próximo ano. A força-tarefa protagonizada pela entidade engajou não só sua diretoria – atual e de gestões anteriores – mas também o poder público municipal, os Instituidores da Fenavinho (representantes das entidades idealizadoras da festa, 50 anos atrás), uma série de outros envolvidos – com o objetivo de viabilizar seu resgate. “Foi um longo caminho até chegarmos aqui. Tivemos aproximadamente 45 reuniões, mais de 80 horas de negociações. Agora, sob a guarda do CIC-BG, a marca Fenavinho tem a garantia de bom zelo, do cuidado, da administração responsável e equilibrada deste grande patrimônio”, diz o presidente da entidade, Elton Paulo Gialdi.

Um dos principais entraves que inviabilizou a continuidade da Fenavinho – realizada pela última vez em 2011 – foi o passivo financeiro acumulado: em valores corrigidos, mais de R$ 3,5 milhões. Boa parte das tratativas do CIC-BG consistiu em negociar os processos ajuizados e, também, articular com os credores morais (aqueles que mesmo tendo valores a receber da Fenavinho, não recorreram à justiça). “Conseguimos chegar em um montante viável para o pagamento e resgate de forma honrosa e respeitável. Faço questão de agradecer a todos os credores que foram chamados para as negociações e, sensibilizados pelo projeto de resgate desta querida festa, foram flexíveis e sensatos, em acordos razoáveis e justos. Sem essa demonstração de boa vontade não teríamos conseguido chegar a valores viáveis para a solução definitiva do impasse financeiro”, conta Gialdi.

O próximo passo do CIC-BG é planejar a continuidade sustentável da Fenavinho. “Inicialmente, devemos realizar a festa em 2019 e 2020 juntamente com a ExpoBento.  A partir de então, a Fenavinho passa a ser bianual, sempre nos anos pares, no período do ano que mais convier aos interesses coletivos da maioria, e consolidando-se como um evento distinto. Assim, Bento Gonçalves terá sua festa, a Fenavinho, e sua feira, a ExpoBento”, comenta o presidente.

Soma de forças que gera benefícios

Consolidada como maior feira multissetorial do país, a ExpoBento desfila, há 29 edições, um rol de atrações que tem atraído, ano após ano, público visitante superior às 200 mil pessoas – e impulsionado uma movimentação financeira para Bento Gonçalves que supera os R$ 40 milhões em negócios.

Para 2019, um atrativo extra promete agregar ainda mais valor a sua programação: a Fenavinho. “Em 2019, a ExpoBento acolhe a Fenavinho, compartilhando sua solidez, credibilidade e tradição. Mas também receberá muito em troca: uma festa que mexe com o coração de muitas gerações e, de forma intrínseca, desperta paixão, é amada por todos os bento-gonçalves. A integração dessas duas forças só tem a somar: ganha a ExpoBento, a Fenavinho e, sobretudo, nossa comunidade”, comenta o diretor-geral da ExpoBento 2019, Rogério Capoani.

De forma conjunta, a diretoria da ExpoBento 2019 e o comitê da Fenavinho 2019 trabalharão pelo propósito de unir dois eventos que são ícones da história de Bento Gonçalves e ofertar ao público uma experiência harmônica e prazerosa, equilibrando feira e festa. “Desta forma, iniciaremos uma caminhada conjunta, estabelecendo diretrizes e condições favoráveis para uma sólida e sustentável engrenagem no planejamento a longo prazo desta tão querida e respeitada Fenavinho, a exemplo do que acontece com a ExpoBento”, diz.

O resgate da essência comunitária que a retomada da Festa Nacional do Vinho propõe foi enaltecido, também, pelo prefeito Guilherme Pasin. “Obrigado ao CIC-BG por estar à frente dessa empreitada. Mais do que economia, turismo ou qualquer outro dos incontáveis ganhos que essa ação trará, estamos fortalecendo nossa comunidade”, disse. Apoiando a iniciativa, a Câmara de Vereadores manifestou o apoio do legislativo às propostas que estimulam o desenvolvimento municipal. “São projetos inspiradores e que darão certo com o envolvimento de todos nós”, disse o vice-presidente Eduardo Veríssimo.

Conheça o Comitê da Fenavinho 2019

Coordenação: Diego Bertolini

Cultura e Relação com a Comunidade: Rodrigo Parisotto

Eventos: Roberto Cainelli Jr

Gastronomia: Marcos Giordanni

Marketing: Rodrigo Valério

Turismo: Gabirelle Rodrigues

Vinho: Bruna Cristófoli

Vinícola \ Institucional: Daniel Panizzi

Conheça a diretoria da ExpoBento 2019

Diretor geral: Rogério Capoani

Diretor Jurídico: Gabriel Luchese

Vice: Andresa Provenzi

Diretor de Projetos: Cesar Anderle

Vice: Adelgides Stefenon

Diretor Industrial: Gilberto Durante

Vice: Humberto Giacomello

Diretor de Serviços e Alimentação: Willian Rizzi

Vice: Adriano Ferronatto

Diretor de Marketing: Rodrigo Valério

Vice: Bruna cenci e Mayara Poletto

Diretora Financeira: Jussara Canabarro

Vice: Flávia Gallon Anceski

Diretor de Eventos: Bruno Benini

Comercialização: José Carlos Zortéa

SERVIÇO:

O que: ExpoBento 2019 e Fenavinho

Quando: 13 a 23 de junho de 2019

Onde: Parque de Eventos de Bento Gonçalves

Mais informações: www.expobento.com.br

Crédito das imagens: Vagão Filmes/Augusto Tomasi

FENAVINHO retorna em 2019 integrada à Expobento

A Expobento 2019 foi lançada no último dia 21 de novembro, no Centro Empresarial do município, e com ela, também foi confirmado o retorno da Fenavinho, que será realizada junto a Feira, de 13 a 23 de junho, no Parque de Eventos.

Serão cerca de 400 expositores participantes e, também, atrativos aos mais de 200 mil visitantes esperados para o período. “Nossa responsabilidade é dar continuidade a trajetória de sucesso de uma feira que acumula quase três décadas de bons resultados, de contribuições para Bento Gonçalves e para a Serra gaúcha. É um desafio que vai exigir muita seriedade na gestão e comprometimento, mas é também um exercício de doação”, destacou o Diretor Geral, Rogério Capoani.

A ExpoBento 2019 terá ênfase em eventos culturais de cunho educacional, destacando atrações especiais para as crianças. A grade contará shows diversos, prestigiando o talento local, regional e atrações de renome nacional.

WhatsApp_Image_2018_11_21_at_094904_1

A novidade deste ano fica por conta da realização da Festa Nacional do Vinho, que será realizada no período da feira. O Centro da Indústria, Comércio e Serviços de Bento Gonçalves, em uma ação construida juntamente como o poder público assumiu o desafio de retomar a festa que projetou nacionalmente a cidade cinco décadas atrás, celebrando um de seus principais produtos: o vinho. “Dentro da próxima ExpoBento, realizaremos também a Fenavinho, um marco na história de Bento Gonçalves. Teremos um espaço muito especial para essa festa raiz, que resgata e homenageia as características das festas do povo italiano, mostrando o orgulho de celebramos nossas origens. O CIC está trabalhando na construção desse projeto, alinhando nomes, ideias e estratégias para esse grande desafio que será realidade em 2019. Nós assumimos e vamos cumprir esse compromisso”, garantiu o presidente da entidade, Elton Paulo Gialdi.

  “Festa essa que é maior do que um conjunto de letras impresso em um cartaz ou maior do que o seu número de edições. A Fenavinho tem um valor intangível e é o resgate do orgulho do nosso povo. Sua grandiosidade merece e precisa ser retomada”,  celebrou o prefeito Guilherme Pasin.

Foto: Davi da Rold

Salão homenageia 50 anos da Fenavinho na ExpoBento 2017

selo-fenavinho-450x333A festa que chancelou o título de Capital Nacional do Vinho a Bento Gonçalves recebe reverências dentro da ExpoBento 2017, com o Salão Fenavinho, atração que o público poderá conferir até o próximo domingo, dia 18, no Pavilhão F do Parque de Eventos de Bento Gonçalves.

Instalações contando a história da festa preenchem o pavilhão F. A exposição privilegia, também, os belos vestidos com os quais desfilaram as soberanas de cada período, homenageando a força feminina tão fortemente presente na cultura local. Em um mini-cinema, visitantes poderão assistir a um filme que traz detalhas sobre cada edição da Fenavinho, convidando os saudosistas a relembrar os momentos marcantes dessa trajetória cinquentenária.

unnamed (3)No salão, apresentações culturais típicas de corais, grupos musicais e teatrais rementem à tradição italiana, além do espaço para os jogos: bochin, bocha e carteado, trazidos da Itália e replicados através das gerações, são lembrados. Pontos de serviço de vinho e sucos e espumantes, acompanhados das mais saborosas iguarias da culinária típica italiana estarão dispostos pelo local.

LEIA TAMBÉM: Fenavinho: Há 50 anos, festa acelerou o crescimento de Bento Gonçalves

unnamed (1)“No espaço do Salão construímos um itinerário interativo, onde os visitantes possam visualizar a importância e grandiosidade da Fenavinho para o município e região. Elaboramos uma programação que valoriza  nossa tradição e cultura – seguindo o exemplo e o conceito que a Fenavinho ensinou a todos nós. Acreditamos no potencial de Bento Gonçalves e no talento das pessoas que transforma a cidade em uma grande potência econômica e turística. Essa homenagem é, também, para toda a comunidade”, diz o diretor de projetos da ExpoBento 2017, Gianfranco Bellé.

Espaço para a arte local

unnamed (2)Entre outros atrativos, o Salão Fenavinho apresenta uma coleção de obras de 16 artistas da cidade. Cada um deles – com exceção de uma dupla – foi convocado pela Associação dos Artistas Plásticos de Bento Gonçalves (AAPLASG) a retratar uma das 15 Fenavinhos realizadas desde 1967.

unnamedCom liberdade para criar, eles foram pautados para produzir em óleo, acrílico e espátula sobre tela, de modo a imprimir a própria leitura da respectiva edição da Fenavinho que lhe coube. A curadoria do projeto é de Neiva Poletto. Após o final da ExpoBento, as obras devem ser expostas na Casa das Artes e no Museu Municipal, podendo ser adquirida pelo público.

Artistas participantes

Geni Brandalise – 1ª Fenavinho (1967)
Luiza Matilde Fedrizzi – 2ª Fenavinho (1971)
Vera Salton Luchese – 3ª Fenavinho (1975)
Ademir Gugel – 4ª Fenavinho (1980)
Zélia Paludo – 5ª Fenavinho (1985)
Romi Gabbardo – 6ª Fenavinho (1990)
Sonia Bervian Possamai – 7ª Fenavinho (1991)
Vildete Pessutto – 8ª Fenavinho (1992)
Aline Mützenberg – 9ª Fenavinho (1993)
Vânia Mützenberg – 10ª Fenavinho (1994)
Gilberto Schenato – 11ª Fenavinho (2000)
Edi Fachi Giacomello – 12ª Fenavinho (2005)
Elias Domingues Pereira – 13ª Fenavinho (2007)
Inês Tremarin – 14ª Fenavinho (2009)
Marilene Beltran e Denise de Andrade Tosi – 15ª Fenavinho (2011)

Programação do Salão Fenavinho 50 anos

 

Sexta-feira (16)

Comunidade de Tuiuty

Jogos de carta e mora

19h: Coral Florença

20h: Ricordare E Vivere

 

Sábado (17)

Comunidade de Faria Lemos

Jogos de carta e mora

12h30: Grupo Folclórico Trevisani Nel Mondo

13h30: Jatir Dequigiovanni

14h30: Grupo Folclórico Trevisani Nel Mondo

15h30: Jatir Dequigiovanni

16h: Grupo De Danças Riccordi Ditalia da Linha Paulina

17h: Flauta Doce

17h30: Grupo de Danças Riccordi Ditalia da Linha Paulina

18h: Caminho de Faria Lemos

18h30: Pequenos Cantores

19h: Fanfarra Breaslieri

20h às 21h: Filó Italiano Colonial

21h: Encerramento com o Grupo Trevisani Nel Mondo

 

Domingo (18)

Comunidade de Tuiuty, Faria Lemos e Vale dos Vinhedos

Jogos De Cartas E Mora

13h: Grupo Folclórico Trevisani Nel Mondo

15h e 17h: Coral Vale dos Vinhedos

Leia também nossa reportagem especial sobre os 50 anos da Fenavinho: Fenavinho: Há 50 anos, festa acelerou o crescimento de Bento Gonçalves

Expobento 2017: compras, shows, gastronomia e confraternizações

Até o próximo dia 18 deste mêsExpobento, ocorre em Bento Gonçalves, a Expobento 2017, no Parque de Eventos, com mais de 450 expositores das áreas da indústria, comércio e serviços, com  cerca de 30 mil produtos. As ofertas para compras são muitas.  Abrangem desde veículos, imóveis,  vestuários e  produtos vitivinícolas até vestidos de noiva e semi jóias. A feira também oferece  ampla área gastronômica e  mais de oitenta apresentações artísticas – música, teatro, dança, humor –, entre elas o show de Maiara e Maraísa no dia 12 de junho.

Neste ano, a ExpoBento espera receber 200 mil visitantes nos seus 11 dias de programação, público que deve movimentar cifras na ordem de R$ 40 milhões. Além dos números que ajudam a expressar seu tamanho, a 27ª edição deve ser lembrada como a ExpoBento da superação. Mesmo diante de um cenário econômico ainda incerto, a feira conseguiu a façanha de crescer 6% em área comercializada, uma demonstração de sua importância para a economia da cidade. “A ExpoBento é uma feira para todos os públicos, mas acima de tudo é um encontro de negócios. Os empresários sabem que a consolidação da ExpoBento é convidativa para expor, pois as chances de comercialização são muito grandes, e eles têm confiança para investir aqui mesmo diante da crise”, argumenta o diretor de comercialização, José Zortea.

Além de aquecer a economia da cidade, a ExpoBento se transforma numa central de empregos durante as semanas que envolvem a feira. Estima-se que, contando os períodos de montagem e desmontagem, além dos dias de realização da feira, a ExpoBento gere 2,5 mil empregos diretos e indiretos. “É um período do ano muito bom para Bento Gonçalves, a ExpoBento consegue não apenas injetar recursos na nossa economia, mas também injeta ânimo para o empresariado seguir adiante”, diz Laudir Piccoli, presidente do CIC, entidade promotora da feira.

Entre as novidades desta edição, a ExpoBento traz a feira voltada ao mercado de casamentos Quer Casar Comigo? Entre os dias 10 e 13 de junho, de cerimonialistas a buffets, de estilistas/alfaiates a agências de viagens, passando por fotógrafos e salões de beleza, mostrarão seus serviços no Pavilhão F. Na programação, uma palestra com a jornalista Gabi Chanas, do blog noivas.com, dias 11 e 12, desfiles de vestidos de noiva e de trajes para noivos, workshop sobre cortes e penteados e talk-show com fotógrafos.

Outra atração simultânea é o Salão Fenavinho. De 15 a 18 de junho, também no Pavilhão F, os 50 anos da festa serão lembrados com exposição de vestidos das soberanas, filme sobre cada edição da Fenavinho e cantorias e jogos típicos dos imigrantes italianos. Já os amantes da gastronomia têm lugar cativo no Buona Forchetta, espaço com winebar e degustações variadas, além do Food Truck Destemperados e aulas com chefs da região e de fora do Estado.

Fenavinho: Há 50 anos, festa acelerou o crescimento de Bento Gonçalves

Reportagem: Natália Zucchi
Edição: Kátia Bortolini

Mudança nos estatutos com previsão de retorno em 2019

selo-fenavinho-450x333O presidente da última Fenavinho, João Strapazzon, ocorrida em 2011, permanece temporariamente no cargo para convocar a assembleia que elegerá a diretoria da próxima edição, prevista para 2019.

Há três comitês trabalhando nessa tentativa de retorno. O primeiro, formado por juristas e advogados, reviu os estatutos da festa, permitindo a participação do poder público. O segundo, é formado por profissionais que estão renegociando as dívidas deixadas pela última edição, na ordem de R$ 1,2 milhão. O terceiro comitê tem a tarefa de projetar como a próxima edição sairá do papel. Conforme Strapazzon, parte do valor da dívida já foi abatido por empresas e pessoas físicas credoras que deixaram o valor do débito como contribuição à festa.

Para o decorrer deste ano estão previstas diversas ações alusivas ao cinquentenário do evento, considerado patrimônio da comunidade. Entre elas, desfiles temáticos na Semana da Pátria, em setembro, e no aniversário de emancipação política de Bento Gonçalves, em outubro. O projeto de comemoração dos 50 anos da Fenavinho, coordenado pela prefeitura, está envolvendo 40 entidades.

Fena-11

O Jornal Integração da Serra reporta, neste especial Fenavinho 50 anos, histórias e fatos pitorescos dos bastidores da festa que projetou Bento Gonçalves nacionalmente, com destaque para acontecimentos da primeira edição do evento.

“Fuzide Bento”

boneco-fenavinhop2Um dos fatos mais pitorescos da Fenavinho, presente no imaginário popular, aconteceu na terceira edição da festa, ocorrida de 15 de fevereiro a 9 de março de 1975. Um dos bonecos colocados pela organização em postes para enfeitar a cidade, teria sido furtado por uma turma de Caxias do Sul e pendurado na entrada daquele município, portando um cartaz no pescoço com os dizeres: “Fuzi de Bento”.

3246121756_99dfb6e725_oAo se deparar com a brincadeira, a prefeitura de Caxias do Sul, para evitar confusões, resgatou o boneco e providenciou que voltasse ao seu poste de origem, em Bento Gonçalves. Três dias depois, o mesmo boneco aparece na entrada de Caxias, de novo no mesmo poste,com outro cartaz pendurado com os dizeres “Fuzi de novo”, e ficou por lá mesmo. Na fenavinho-(1)época, a rivalidade entre os dois municípios era muito presente.

A história do boneco consta no livro de contos de causos “Frótole e Buzie”, dos escritores bento-gonçalvenses Ademir Antonio Bacca e Hary Dalla Colletta (in memoriam).

A primeira edição da Festa

A ideia da festa surgiu na Associação de ex-Alunos do Colégio Marista Aparecida. A associação promovia dois a três eventos por ano, muito frequentados por jovens da época. Em 1965,por ocasião dos 25 anos da educação Marista em Bento Gonçalves, a associação optou por promover um evento maior, designado Festa do Vinho, na época o principal produto da cadeia secundária do município.

A proposta, liderada pelo presidente da associação, engenheiro agrônomo Loreno Gracia e por seu vice, o empresário Moysés Michelon, contagiou seus pares e a direção do colégio. Como o ano também coincidia com os 50 anos da instalação das Irmãs Carlistas do Colégio Medianeira no município e com os 75 anos de emancipação política de Bento Gonçalves, Gracia e o irmão marista Avelino Madalosso, diretor do Colégio Aparecida na época,visitaram o então prefeito Milton Rosa e sugeriram a realização da Festa do Vinho, englobando as três comemorações. O Prefeito gostou da ideia e, algumas reuniões após, Gracia foi indicado para presidir a comissão organizadora da 1ª Festa Nacional do Vinho (Fenavinho), tendo como vice Enio Fasolo.

A Fenavinho então iria acontecer no ano seguinte, mas meses depois Gracia foi a trabalho aos Estados Unidos e depois a Minais Gerais, ficando a festa acéfala. Mediante a situação, o padre Ernesto Mânica, pároco da Igreja Santo Antônio, que exercia forte liderança na comunidade, procurou o Prefeito para propor a renovação da Diretoria da Fenavinho e indicou o empresário Moysés Michelon para a presidência do evento. Michelon foi procurado pelo Prefeito e pelo Padre em seu escritório na empresa Massas Isabela, em maio de 1966, aceitando o desafio de preparar a festa em seis meses.

A missão foi cumprida com o auxílio do poder público municipal, através da compra da área de terras para a instalação de um pavilhão para sediar o evento, coordenada pelo então prefeito em exercício, o médico Ervalino Bozzetto, que substituía Milton Rosa,afastado por problemas de saúde. O dinheiro da obra veio da promoção de um leilão, da Casa Civil do Governo do Estado e de contribuições de empresas locais que, ao todo, arrecadaram sete milhões e meio de cruzeiros. O Batalhão Ferroviário, na época instalado no município, disponibilizou soldados e oficiais para ajudar na construção do pavilhão e a comunidade se envolveu de forma maciça no projeto. O evento, ocorrido de 25 de fevereiro a 12 de março de 1967, deu à cidade o título de Capital Brasileira do Vinho.

Acesso asfáltico

fenavinho-(6)A visita do então Presidente da República, Humberto de Alencar Castelo Branco, à 1ª Fenavinho também foi articulada pelo padre Mânica.

O padre era amigo e cabo eleitoral do político Daniel Faraco, Ministro da Indústria e Comércio de Castelo Branco, e solicitou a sua intervenção para convidar o Presidente. O Ministro salientou a Castelo Branco que na região estava concentrada a maior produção de uvas e vinhos do Brasil. Também ressaltou que a maior parte da comunidade de Bento Gonçalves estava mobilizada em torno da organização da 1ª Festa Nacional do Vinho.

O Presidente da República aceitou o convite e, na companhia do então chefe da Casa Civil, General Ernesto Geisel, nascido em Bento Gonçalves, e do então governador do estado, Perachi de Barcelos, foi recebido com festa em Bento Gonçalves em 25 de fevereiro de 1967. Percorreu de carro o trajeto entre Porto Alegre e Bento Gonçalves, por estrada de chão, porque o mau tempo não permitiu o deslocamento aéreo da comitiva. No percurso, Castelo Branco perguntou ao então Governador como uma cidade que estava promovendo uma festa nacional não tinha acesso asfáltico. Meses após, foi emitida a ordem de serviço do Estado para o asfaltamento dos 120 quilômetros de estrada entre Bento Gonçalves e a capital do Estado.

 A bebida do pecado

Fena4Outro fato inusitado na história da primeira Fenavinho foi o baile para a escolha da Imperatriz e Damas de Honra. Devido ao curto espaço de tempo para o evento, a data prevista para o baile coincidiu com a quaresma, período em que a igreja católica não permitia a promoção de festas. Consultado sobre o assunto, o padre Mânica autorizou a realização do baile, ocorrido no Clube Ipiranga, com a escolha de Sandra Guerra como Imperatriz e Iegle Ghelen e Liana Mazzini como Damas de Honra.carros-alegoricos

 Além disso, o vinho, até então visto como potencial econômico e também como “a bebida do pecado”, passou a ser enaltecido nos sermões de Mânica e de outros padres da Paróquia Santo Antônio. Eles liam nas missas passagens da Bíblia que citavam o vinho como “a bebida sagrada”. Além disso, o tema escolhido para o desfile de carros alegóricos foi “O Vinho na Bíblia”.

“O doce vinho que afasta as mágoas do coração”

Fenavinho---Moysés-Michelon-(3)“A união de Bento Gonçalves em torno da realização da primeira Fenavinho foi marcante. Ninguém se omitiu à festa”, afirma o empresário Moysés Michelon, que presidiu o evento. “Conseguimos trazer, pela primeira vez, autoridades nacionais para a cidade, incluindo o Presidente da República, Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco e o proprietário do Diário Associados, o embaixador Assis Chateaubriand. A cobertura da imprensa nacional colocou o município no mapa de atrativos turísticos do Brasil”, recorda ele. Michelon observa que a 1ª Fenavinho foi um marco para a cidade, por projetá-la no cenário nacional, fortalecendo a vitivinicultura e impulsionando o crescimento da economia secundária do município.

Fenavinho---Moysés-Michelon-(7)Michelon salienta que nos preparativos da primeira edição foram criados o brasão, o hino e a bandeira de Bento Gonçalves. A bandeira, com fundo branco, ressalta a paz e o trabalho. O brasão, em seus símbolos e cores, recorda a uva e o vinho e exalta o trabalho das famílias bento-gonçalvenses. Conforme diz a letra do hino, escrito por Maria Borges Frota e musicado por Rui Barros, “…uvas de várias castas, enriquecem a região, com teu doce vinho afastas, as mágoas do coração…”. 

A historiadora Assunta de Paris, no Livro Memórias de Bento Gonçalves, ressalta que “a 1ª Fenavinho foi e é a expressão mais plena do esforço de todos, sem reservas. Empresários, trabalhadores abnegados, exército, padres, mulheres, homens, crianças, todos, enfim, deixaram de lado suas diferenças para trabalhar incansavelmente na preparação da festa. Por isso, ela não pertence a ninguém de forma especial, é um patrimônio cultural de nossa comunidade”.

Nossa capa

fenavinho-(11)Nossa capa mostra a naturalidade das jovens da época com a imagem de Sandra Guerra eleita a 1ª Imperatriz do Vinho, aos 16 anos de idade, no dia 26 de novembro de 1966, no salão de festas do Clube Ipiranga. Sandra Guerra Mocellin, hoje com 67 anos, moradora de Porto Alegre, recorda com carinho os momentos vividos na ocasião.

“A Fenavinho nos proporcionou muitas experiências em viagens feitas pelo estado e em entrevistas para programas de TV, revistas e jornais. Também participamos, a Iegle, a Liane e eu, dos programas da Hebe Camargo e do impagável Chacrinha, no seu auge de audiência”, lembra ela.

Fena-34Sandra acentua que a comunidade de Bento Gonçalves foi a maior beneficiada com a promoção da 1ª Fenavinho. “Por ser uma festa temática, divulgou ao país a cultura local e os produtos da região, com destaque ao vinho”, afirma. Ela acrescenta que foi marcante vivenciar a união das pessoas organizadas de forma voluntária, seja em comissões ou individualmente, para disponibilizar hospedagem em casas de família, já que não havia hotéis e pensões suficientes. “Também, foi dada muita atenção à estrutura de alimentação para atender às milhares de pessoas que vieram conhecer a cidade. Foi tudo muito bonito”.

Divulgação nacional

Fena22Outros fatos importantes da primeira edição da festa que divulgaram o evento no cenário nacional foram a distribuição gratuita de vinhos e suco de uva no centro da cidade e a visita do presidente dos Diários e Emissoras Associadas, o embaixador Assis Chateaubriand, um dos brasileiros mais poderosos do século XX, dono de um vasto império de comunicação, responsável por trazer a televisão para a América Latina, entre outros feitos. As estadas do Presidente da República e de Chateaubriand em Bento Gonçalves transformaram a Fenavinho em notícia nos principais meios de comunicação do Brasil.

Revista1A repercussão foi tanta que a Imperatriz e as Damas de Honra foram recebidas em programas de televisão comandados por Hebe Camargo e Chacrinha. A revista O Cruzeiro, um dos veículos dos Diários Associados, de circulação nacional, dedicou a capa e várias páginas da edição de 1º de dezembro de 1970 à Fenavinho e às “Uvas de Bento”, representadas pela Imperatriz e Damas de Honra.

Fenavinho---Moysés-Michelon-(4)Castelo Branco e Chateaubriand foram recepcionados em datas diferentes na recém-inaugurada adega da vinícola Dreher. O vinho servido no almoço presidencial foi engarrafado para a ocasião com o rótulo: “Especial para o almoço presidencial”. Chateaubriand também foi homenageado pela Dreher com o “Velho Capitão”. Ele esteve na cidade a convite do comendador Carlos Dreher Neto, que presidia o Clube Colibri, formado por grandes anunciantes dos Diários Associados.

Fena-33

Imperatriz e Damas de Honra em visita às vinícolas . Foto: Acerco Itacyr Giacomello

Em 1967, Bento Gonçalves era o maior produtor de vinhos e uvas do Brasil. Também era o maior fabricante de acordeões da América Latina e o segundo no estado em arrecadação pública. Era, ainda, um dos municípios de menor índice de analfabetismo do país.

Trabalho harmônico

“A Fenavinho foi fruto da coragem e da visão empresarial de muita gente. A primeira Fenavinho foi decisiva para mudar os rumos do desenvolvimento de Bento Gonçalves, dando início a uma nova etapa social e econômica do município”. A afirmação é do jornalista Itacyr Giacomello, que coordenou a Comissão de Imprensa do evento durante suas primeiras edições. Ele salienta fenavinho-(4)que, além de valorizar os vinhos e vinhedos da região, a festa abriu caminho e impulsionou os setores moveleiros, metalmecânico e de couros, dando início a atual diversificação do parque industrial de Bento Gonçalves. “A Fenavinho foi um evento irreversível, marcou para sempre Bento Gonçalves no Brasil. Foi um trabalho harmônico e abnegado por todos os envolvidos”, ressalta.

fenavinho-(3)

Itacyr Giacomello

Ele comenta que, em 1967, o setor vinícola liderava a economia secundária do município, capitaneado pelas companhias Dreher, Mônaco, Cooperativa Vinícola Aurora, Vinícola Salton, Vinhos Fontanive, Cooperativa Vinícola Tamandaré, Cia. Vinícola Riograndense e Vinícola Salgado. Acrescenta que o setor moveleiro despontava com as empresas de móveis Miolo, Sperotto, Zardo e, posteriormente, com os mó veis Pozza e Barzenski. 

“Encantados com o vinho, os turistas, na maioria vindos de Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro, não dispensavam o contato com os moradores locais para entender os detalhes da festa. Foi um evento que surpreendeu o Brasil inteiro”, destaca Itacyr.

Engenharia do vinho encanado

vinho-encanado---CópiaA distribuição do chamado vinho encanado no centro da cidade, que surpreendeu os moradores e visitantes, estava a cargo da Cooperativa Vinícola Aurora, que representava as vinícolas participantes da festa. Posteriormente, cada uma devolvia a ela a porcentagem de vinho e suco de uva distribuído correspondente ao acordo feito entre as vinícolas. A explicação é de Vitalino Nichetti, então funcionário da Cooperativa Vinícola Aurora, que presidiu o trabalho de comissões criadas para a organização da atração.

Vitalino Nichetti

Vitalino Nichetti

“O transporte dos vinhos tinto e branco e do suco e uva da Cooperativa até o centro de Bento Gonçalves, era feito com camionetes. Na primeira edição, as bebidas foram bombeadas até tanques instalados para armazenamento no terceiro andar do Edifício Pozza, no Centro. Do terceiro andar, mangueiras desciam e percorriam a rua Marechal Deodoro até as três tendas onde as bebidas eram distribuídas. A primeira tenda ficava no início da rua Marechal Deodoro, a segunda no meio e a terceira, em frente à Igreja Santo Antônio. Na segunda Fenavinho, o vinho ficou armazenado no Edifício Millan. Na terceira, no prédio da Vinícola Salton. Já na quarta edição do evento, os tanques foram alocados no Edifício Zanoni, permanecendo o mesmo sistema de distribuição às tendas”, conta Nichetti.

Ele acrescenta que somente na 5ª Fenavinho, em 1985, o vinho passou a ser distribuído de forma centralizada na recém-inaugurada “Casa Del Vino”, ainda instalada no centro de Bento Gonçalves, próximo à prefeitura. “Na Casa Del Vino, os vinhos e suco de uva distribuídos passaram a ser refrigerados por um circuito fechado, através dos tanques de aço inoxidável revestidos por pipas de madeira, na parte superior da Casa. Desses tanques, mangueiras conduziam as bebidas até as pequenas pipas fixadas nos balcões que circundam a Casa, onde os visitantes se serviam pelas torneiras. Nas edições anteriores, tanto os vinhos quanto o suco de uva eram servidos em temperatura ambiente”, detalha.

Fena-31Nichetti acrescenta que a Casa Del Vino, contendo 32 barris e 48 torneiras, demandava o trabalho de 24 pessoas entre atendentes, enólogos e técnicos para administrar o sistema. A refrigeração dos tanques, que segundo ele, tinha um papel fundamental para a degustação das bebidas, era controlada por Igino Bitarello. Nichetti ressalta que Hugo Justi, técnico em manutenção da Aurora, também ajudava de forma intensa no que era preciso para o sistema estar sempre em pleno funcionamento. Ele também lembra de Mauro Morbini e Dario Crespi como sendo os enólogos que mais trabalharam com o vinho encanado.

Selos e cartazes Fenavinho 

cartaz-fenavinho2---Cópia

cartaz-fenavinho3---Cópia

cartaz-fenavinho---Cópia

Vencedores da distinção troféu Mérito Lojista, da CDL/BG

 Premiados CDL 2017A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Bento Gonçalves distinguiu profissionais do varejo do município que em 2016 se destacaram no cenário de empreendedorismo local, com o  troféu Mérito Lojista, entregue na noite da última quinta-feira (6) em evento que reuniu mais de 300 pessoas no Grande Hotel Dall Onder.  Receberam o troféu as empresas Cristo Rei Materiais Elétricos e Grepar, empatadas na categoria Comércio; Lancheria Portuguesa, em Serviços; e Fábio Brandalise, da Atitudes Esportes, como Jovem Empreendedor. A solenidade também foi marcada pela outorga do título Mérito Lojista Personalidade ao empresário Moysés Michelon, que há 50 anos presidiu a primeira edição da Festa Nacional do Vinho (Fenavinho).

Foto/ Jeferson Soldi.

 

 

50 anos da 1ª Fenavinho será celebrado em eventos durante 2017 em Bento Gonçalves

selo fenavinhoRepresentantes de cerca de 40 entidades estiveram reunidos nesta semana para dar início ao projeto de comemoração dos 50 anos de realização da 1ª Festa Nacional do Vinho (Fenavinho), realizada em 1967. Conforme o secretário Municipal de Turismo, Gilberto Durante, a Administração Municipal já está com quatro ações programadas e que terão seu enfoque nas Bodas de Ouro da Festa: Desfile na Semana da Pátria, cujo tema municipal será “50 anos da Fenavinho”, Desfile Temático de Aniversário de Bento Gonçalves, Exposição Fotográfica Fenavinho 50 Anos e Reinauguração da Casa do Vinho.

A Festa também será incluída na programação da  XXV Avaliação Nacional de Vinhos, que será realizada no dia 23 de setembro. Já o Clube Esportivo estampará o selo Fenavinho 50 anos no terno oficial e a Associação de Turismo de Faria Lemos fará homenagem a festa durante a Sagra Trevisana Di Faria Lemos.

“Na ExpoBento, que será realizada de 8 a 18 de junho, teremos o Salão Fenavinho 50 anos, de 15 a 18 de junho, um espaço especialmente desenvolvido para celebrar as Bodas de Ouro do evento, que ocupará o Pavilhão F”, disse o diretor da ExpoBento 2017, Roger Bellé. A edição de 2017 da Sparkling Night Run, que será realizada dia 11 de novembro, também terá como enfoque os 50 anos da Fenavinho.

Todas as participantes do encontro terão até o dia 6 de março para enviar à Secretaria de Turismo (turismo@bentogoncalves.rs.gov.br) sugestões de eventos que poderão realizar englobando o tema “Fenavinho 50 anos”.