Posts

CDL de Bento Gonçalves divulga inadimplência de 2017

CDL

A inadimplência do comércio de Bento Gonçalves em 2017  aumentou 2,2% em relação ao ano anterior.  A informação é da Câmara de Dirigentes Lojistas de Bento Gonçalves (CDL-BG). No último ano, o montante acumulado por dívidas dos consumidores com o comércio ficou em R$ 11.269.781,99, ou seja, apenas 2,2% a mais do que o computado em 2016, quando as cifras atingiram R$ 11.032.438,00.

Por outro lado, em  2017 foi constatada redução de 5,6% nos registros no SPC em relação ao ano anterior. Um dos destaques de 2017 em relação ao ano anterior foi a diminuição de 20,6% bi  registros envolvendo inadimplência em pagamentos por meio de cheque: queda de 20,6%).

O relatório compartilhado pela entidade também mostra redução significativa na contração de novas dívidas, na ordem de 23,3%, em registro feito em até um mês. Se em 2016 o índice era de 8,79%, em 2017 ele caiu para 6,74%. A pesquisa da entidade é feita com base nos cerca de 600 estabelecimentos filiados a CDL/SPC, que representam cerca de 80% do faturamento dos quase três mil estabelecimentos comerciais do município.

Endividamento cresceu entre homens e idosos

Em 2016, as mulheres lideraram as estatísticas de inadimplência. Já em 2017 a presença masculina aumentou 2,85 pontos percentuais em relação ao anterior, indo de 34,91% para 37,76%, enquanto a das mulheres retrocedeu esse mesmo índice, caindo de 65,09% para 62,24%.

Quase 74% de quem está devendo ao comércio tem idade entre 30 e 64 anos. Entretanto, os idosos a partir de 65 anos formam a faixa etária que teve maior crescimento como público devedor, representando um acréscimo de quase 12% no ano passado em relação a 2016 – passou de 11,78% para 13,17%. Os valores da dívida, em 34,50% dos casos, giram entre R$ 100 e R$ 250.

Consulta ao crédito preveni a inadimplência

A redução dos registros de inadimplência no SPC pode ser consequência, também, da mudança de comportamento dos lojistas na hora de analisar e conceder crédito. “Temos trabalhado para conscientizar o comércio sobre a importância de vender bem: isso significa efetivamente receber pela mercadoria negociada. Um dos motivos que pode explicar a redução do indicador de inadimplentes é que as lojas estão mais criteriosas para liberar crédito, consultando previamente os dados do cliente no banco de dados do SPC. Essa é, sem dúvida, a forma mais eficiente de diminuir os casos de inadimplência”, ressalta o presidente da CDL/BG,  Marcos Carbone. (foto: Exata Comunicação)

Mulheres lideraram lista de inadimplência do SPC em Bento no primeiro semestre de 2017

CDL inadiplênciaMuitas mulheres de Bento Gonçalves, no primeiro semestre deste ano, gastaram mais do que podiam. É o que apontam  dados computados pela  Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Bento Gonçalves com base em registros para o  SPC e Serasa feitos por lojistas associados a entidade.  De dezembro a junho deste ano o comércio de Bento Gonçalves registrou um prejuízo que beira os R$ 11,5 milhões – valor inadimplente acumulado até o fim do primeiro semestre de 2017 no município. Quem mais deve são pessoas físicas, com idade entre os 30 e 50 anos (55% dos registros), e do sexo femino (67% dos registros são de mulheres contra 33% de homens).

Metade do valor da dívida está concentrada em tickets com valor entre R$ 100 e R$ 250. A outra metade é de compras superiores a R$ 500. Desde a última apresentação dos dados feita pela Câmara de Dirigentes Lojistas com números referentes a dezembro de 2016, houve crescimento de 4% no montante da dívida. Já no comparativo com o mesmo período do ano anterior, o aumento está na casa dos 17% (no primeiro semestre de 2016 a dívida era de R$ 9.769.304,00, contra os R$ 11.493.088,00 registrados nos seis meses iniciais de 2017).

Em risco saúde financeira dos negócios do varejo

“Pesquisa recentemente divulgada em âmbito nacional mostrou que o comércio concentra o segundo maior percentual da inadimplência no Brasil – ou seja, 38% das dívidas estão alocada no segmento. Em Bento Gonçalves, o avanço é gradativo e permanente, o que obviamente nos preocupa muito, principalmente por ser um fator que coloca em risco a saúde financeira dos negócios do varejo – ou seja, a empresa vendeu um produto ou prestou um serviço e não recebeu por ele, arcando com o prejuízo. Divulgamos esses dados como forma de alerta ao lojista, para que preste muita atenção no momento de análise e concessão de crédito”, explica o presidente da CDL-BG, Marcos Carbone. Atualmente, o comércio de Bento Gonçalves registra o total de 3.901 CNPJs ativos.

Rigorosa análise de perfil

O número de registros lançados no SPC diminiu – ainda que pouco, na casa dos 1,2% – no comparativo entre o primeiro semestre de 2017 com o mesmo período do ano anterior. A queda também ocorreu com relação ao total verificado até dezembro de 2016, com -0.7%. Isso significa que menos pessoas estão devendo na praça – ainda que o valor dessa dívida tenha crescido. “Aqui observamos uma situação recorrente e que poderia ser facilmente prevenida com a rigorosa análise do perfil do cliente no momento de concessão de crédito. O banco de dados do SPC é riquíssimo e atualizado em tempo real, configurando-se em uma ferramenta importante que alerta o lojista diante de um consumidor que está inadimplente em outros estabelecimentos”, esclarece Carbone.

Na contramão desses indicadores, o comparativo mostra crescimento no número de pessoas jurídicas devedoras: 32% a mais no primeiro semestre de 2017 do que no mesmo período do ano anterior, além de aumento de 18% no valor da dívida. Já com relação ao acumulado em 2016, o total desse tipo de inadimplência aumentou em 11%. “As empresas estão devendo mais porque muitas delas sentiram fortemente os efeitos do ciclo de retração desencadeado no Brasil pela sucessão de crises políticas e econômicas. Não existem dados oficiais que comprovem esse indicador, mas nosso conhecimento empírico mostra que, diante da escassez de capital, os gestores precisaram fazer escolhas, e optaram por cumprir com as obrigações da folha de pagamento, gerando inadimplência em outros compromissos”, sugere o presidente.

 Consumidor quer quitar a dívida

Quem está devendo tem pressa de limpar o nome na praça e recuperar o acesso ao crédito. Os registros feitos em até 03 meses caíram 14,5% no comparativo entre o primeiro presidente da CDL-BG, Marcos Carbone. Atualmente, o comércio de Bento Gonçalves registra o total de 3.901 CNPJs ativos.

Em Bento Gonçalves, quem mais deve são pessoas físicas, com idade entre os 30 e 50 anos (55% dos registros), e do sexo femino (67% dos registros são de mulheres contra 33% de homens). Metade do valor da dívida está concentrada em tickets com valor entre R$ 100 e R$ 250. A outra metade é de compras superiores a R$ 500.

 O que mudou no cenário da inadimplência

O número de registros lançados no SPC diminiu – ainda que pouco, na casa dos 1,2% – no comparativo entre o primeiro semestre de 2017 com o mesmo período do ano anterior. A queda também ocorreu com relação ao total verificado até dezembro de 2016, com -0.7%. Isso significa que menos pessoas estão devendo na praça – ainda que o valor dessa dívida tenha crescido. “Aqui observamos uma situação recorrente e que poderia ser facilmente prevenida com a rigorosa análise do perfil do cliente no momento de concessão de crédito. O banco de dados do SPC é riquíssimo e atualizado em tempo real, configurando-se em uma ferramenta importante que alerta o lojista diante de um consumidor que está inadimplente em outros estabelecimentos”, esclarece Carbone.

Na contramão desses indicadores, o comparativo mostra crescimento no número de pessoas jurídicas devedoras: 32% a mais no primeiro semestre de 2017 do que no mesmo período do ano anterior, além de aumento de 18% no valor da dívida. Já com relação ao acumulado em 2016, o total desse tipo de inadimplência aumentou em 11%. 

 

 

 

Em Bento Gonçalves, inadimplência cresceu 18% em 2016

A inadimplência do consumidor gerou um prejuízo de mais de R$ 11 milhões em Bento Gonçalves – valor acumulado dos últimos cinco anos. O montante da dívida cresceu 18,23% em 2016, no comparativo com o total cumulativo registrado até dezembro de 2015. Os dados, divulgados pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Bento Gonçalves (CDL), têm como base de consulta o sistema do SPC-Brasil e as informações repassadas pelos 600 associados ao CDL do município – a cidade possui mais de 2.500 lojas. De todos os CPFs consultados em 2016, 30% apresentaram alguma restrição de crédito

unnamed (2)

Marcos Carbone, presidente do CDL-BG.

Conforme levantamento, o número de registros caiu 4%. Isso significa que menos pessoas estão devendo mais – trazendo o alerta para os lojistas serem cada vez mais rigorosos na análise e concessão de crédito, evitando maus negócios.

O total de consultas ao sistema do SPC também caiu 3% em 2016 no comparativo com 2015. “Sempre que o comércio faz uma venda sem estudar o perfil do cliente está assumindo o risco do prejuízo”, alerta o presidente da entidade, Marcos Carbone.

Perfil da inadimplência

O valor do ticket médio que fica inadimplente em Bento Gonçalves está entre R$ 50 e R$ 250 – representando aproximadamente 70% dos registros. O perfil do devedor revelado pelos indicadores mostra predominância de pessoas físicas frente às jurídicas – mas impressiona o crescimento exponencial desse grupo  na parcela de devedores: cerca de 40% no comparativo de 2016 com relação a 2015.

Os dados também evidenciam que as mulheres devem mais na modalidade de crediário: elas respondem por aproximadamente 65% das contas não quitadas. Já os homens assinam 75% dos cheques que não podem ser descontados por falta de saldo. A faixa etária que concentra o maior volume de inadimplentes é a de 30 a 49 anos (com mais de 55% dos registros).

“Há dois anos atrás, o cenário era outro: quem estava devendo mais eram mulheres entre 20 e 25 anos. Hoje nós vemos essa mudança como uma resposta a economia brasileira dos últimos anos. Na maioria dos casos, o provedor da família foi demitido, não conseguiu encontrar um novo emprego e não pode arcar com as contas”, analisa Carbone.

Panorama: pessoas deveram mais em 2016

O valor da dívida registrada no SPC de janeiro a dezembro de 2016 foi 31% maior do que os números contabilizados no mesmo período de 2015. Ou seja, os consumidores deveram mais. A quantidade de registros únicos também foi maior: 15,76% no comparativo 2016-2015. Isso quer dizer que mais consumidores ficaram inadimplentes.

Mesmo diante das dificuldades orçamentárias, as pessoas estão se esforçando para voltar a ter o nome limpo na praça. Em 2016, o número de indivíduos que conseguiu sair da situação de inadimplência foi 45% maior do que o registrado em 2015. O mês de novembro registrou o pico de exclusões de registros – os devedores utilizaram a primeira parcela do adiantamento do 13º salário para quitar as pendências financeiras.

Do total de registros contabilizados no sistema, 53% foram quitados em prazo inferior a um ano – fica a dica para o lojista: quanto antes registrar a ocorrência da inadimplência, mais cedo tende a recuperar o valor da dívida.