Posts

Pronatec anuncia novas vagas, mas oferta cai 38%

O governo federal anunciou novas vagas para o Pronatec neste ano. Para o RS, são 2.975 vagas, 38% a menos do que a última oferta em 2015. 

 Pronatec-RN-2016-2O anúncio de quase 2.975 vagas do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) no Rio Grande do Sul em 2017 aponta a retomada do investimento em formação técnica depois de um longo jejum, já que o Estado não contava com bolsas dessa modalidade desde 2015 (quando as ofertas já foram bastante reduzidas em relação ao ano anterior). Porém, o número de vagas para esta edição caiu 38% com relação a 2015, quando foram ofertadas 4.785 vagas para o Estado.

De acordo com o diretor do Sindicato do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (SINEPE/RS) Carlos Milioli, a oferta é positiva e deve garantir a continuidade do programa, sem desequilíbrio do mercado. “As políticas tendem a mudar com a mudança do governo. Entretanto, para garantir as metas do plano nacional, é preciso incrementar o programa, e isso só vai ocorrer com um aporte constante e estruturado de recursos ao longo dos próximos anos”, acredita.

Essa nova ação estratégica do Pronatec, chamada MedioTec, tem um novo público-alvo: alunos do ensino médio regular matriculados em escolas públicas. E contempla, preferencialmente, àqueles que cursam a partir do 2º ano. Outra mudança significativa é que os alunos, além da anuidade, também deverão receber vale transporte e vale alimentação e, se aplicável à instituição, material didático e uniforme. Esse benefício pode ser oferecido por meio de vales ou da própria instituição (que pode prover diretamente o transporte e a alimentação). “Essa assistência estudantil deve ajudar a reduzir a evasão e aumentar a eficiência do programa”, avalia Milioli, ao apontar como grandes dificuldades das edições passadas os cancelamentos e desistências por parte dos estudantes, mesmo com benefício da bolsa.

 O processo seletivo dos candidatos interessados nas vagas não será mais feito pelo Ministério da Educação (MEC), que levava em consideração, basicamente, a nota do Enem. Esse ano será conduzido pelas secretarias de educação de cada estado. “Ainda não tivemos informação da SEDUC sobre os critérios usados nesse processo seletivo, que deverá ser feito ao longo do mês de junho”, afirma o diretor. Conforme o edital do MEC, a homologação das vagas ocorrerá no final de maio e a oferta de cursos pelas instituições participantes, a partir do segundo semestre.

Fundação lança guia da Mata Atlântica para auxiliar estudantes e professores

A Fundação SOS Mata Atlântica lançou, na última semana, a cartilha “Aqui tem Mata?”, um guia que busca estimular os diálogos socioambientais nos espaços escolares a partir da descoberta da Mata Atlântica – sua história, biodiversidade e a importância de protegê-la. A proposta da cartilha é ser um material complementar e que incentive a consulta e uso dessas informações por educadores, com sugestões de exercícios e abordagens dessas temáticas em aula.

A publicação é baseada no site de mesmo nome, que disponibiliza, por meio de mapas e gráficos, o estado de conservação de florestas, mangues, restingas e outros ambientes da Mata Atlântica nos 3.429 municípios do bioma.  No site,  basta inserir o nome de um município para descobrir o que resta de vegetação, as bacias hidrográficas e as áreas protegidas da região.

Com linguagem leve e acessível, a publicação é voltada para professores e alunos do ensino fundamental, mas também pode ser utilizada por qualquer educador interessado no tema. O guia está disponível para download em: www.sosma.org.br/publicacoes.

por-que-preservar-a-mata-atlanticaSobre a SOS Mata Atlântica

A Fundação SOS Mata Atlântica é uma ONG brasileira que atua há 30 anos na proteção da floresta mais ameaçada do país. A ONG realiza diversos projetos nas áreas de monitoramento e restauração da Mata Atlântica, proteção do mar e da costa, políticas públicas e melhorias das leis ambientais, educação ambiental, campanhas sobre o meio ambiente, apoio a reservas e unidades de conservação, dentre outros. Todas essas ações contribuem para a qualidade de vida, já que vivem na Mata Atlântica mais de 72% da população brasileira. Os projetos e campanhas da ONG dependem da ajuda de pessoas e empresas para continuar a existir. Saiba como você pode ajudar em www.sosma.org.br/apoie.