Posts

Bento registra abertura de mais de 800 empresas no primeiro semestre

Município desenvolve políticas que incentivam a vinda de novos empreendimentos

Bento Gonçalves vem se consolidando como sede de novas empresas. Isso se deve as políticas municipais de incentivo ao empreendedorismo que fomentam a vinda de negócios para a cidade. Dados da Secretaria de Desenvolvimento Econômico comprovam que no primeiro semestre deste ano, o número de abertura de empresas foi positivo. Durante o período, 848 empreendimentos se instalaram no Município.

Destas novas empresas, 554 (65,33%) são do setor de prestação de serviços, 159 (18,75%) do comércio, 58 (6,84%) comércio com prestação de serviços, 56 (6,6%) autônomos, 13 (1,53%) indústrias, seis (0,71%) indústrias com prestação de serviços e duas (0,24%) agroindústrias.

Para o secretário da pasta, Sílvio Bertolini Pasin, “o crescimento de novos negócios em Bento Gonçalves confirma que a cidade é uma dos melhores locais para se empreender. A Lei do Incentivo, entre outras políticas desenvolvidas, é uma grande propulsora destes investimentos, pois as empresas obtêm benefícios para se fixarem aqui, gerando novas oportunidades de renda e de emprego. O ambiente regulatório desburocratizado e o mercado em expansão, também garantem essa cultura empreendedora”.

A Sala do Empreendedor é um local de assessoria gratuita para pequenos, médios e grandes empresários, que visa desburocratizar o processo de formação de novas empresas. Com uma equipe multidisciplinar, o espaço realiza em média mais de dois mil atendimentos por mês, executando todos os processos necessários para a abertura de estabelecimentos.

O proprietário do restaurante Chang Thai, Leandro Scotta, que se instalou no município neste período, falou sobre a importância da Sala para a concretização do seu negócio. “O local é um ótimo suporte para quem está pensando em abrir um negócio. Sempre que precisei, o espaço me ajudou bastante, com esclarecimento de dúvidas, informações sobre documentação e o que eu precisava para fazer isso dar certo. O atendimento é feito com clareza e rapidez. Eu fico muito agradecido pela Sala do Empreendedor e pelo nosso município”, destacou.

A Lei do Incentivo ao Desenvolvimento Econômico (nº 6012/2015) prevê a isenção temporária de taxas e tributos para empresas já estabelecidas no município e que tenham projetos de ampliação, ou para empresas que optarem por se instalarem em Bento.

Inaugurada em junho deste ano em Bento Gonçalves, a rede de supermercados Caitá foi um dos projetos beneficiados pela Lei. O proprietário do empreendimento, Juliano Zandonai explica porque escolheu a cidade para instalação. “Escolhemos Bento, pois acreditamos no seu potencial, acreditamos ser uma cidade que pode crescer muito. A lei de incentivo foi muito bem vinda, ajudou a facilitar a instalação e a desburocratizar o processo de abertura. O suporte que tivemos foi ótimo, o ambiente de negócios que o Poder Público estimula sem dúvida é um fator de atratividade para novos negócios”.

Especialista projeta que 2018 será favorável para micro e pequenas empresas

É preciso reduzir custos e melhorar eficiência para aproveitar o momento

As reformas dos últimos meses, a chegada das eleições e o aumento do poder de compra do brasileiro prometem fazer de 2018 um ano cheio de oportunidades, tanto em crescimento quanto em facilidade para se fazer negócios. Ainda que no Brasil, seja necessário gastar 2.038 horas apenas com burocracia, ser dono do próprio negócio está nos sonhos de 44% dos brasileiros, de acordo com pesquisa do GEM (Global Entrepreneurship Monitor).

image00115

No entanto, Vitor Torres, CEO da Contabilizei, escritório de contabilidade que usa tecnologia para facilitar a rotina de milhares de empresas em todo o Brasil, faz um alerta: “o empresário tem que usar os aprendizados da crise dos últimos anos para se planejar melhor. Reduzir custos e melhorar a eficiência é obrigação daqui para frente.” Ele preparou oito dicas para que os empresários se preparem para fazer de 2018 um grande ano nos negócios:

  1. Encontre os impostores dentro da sua empresa

Existem impostores do orçamento dentro de todo negócio. Reveja contratos, fornecedores, prestadores de serviço etc. E aqui, vale rever também os impostos: com as mudanças no Simples Nacional para 2018, as empresas que já fazem parte do programa podem se beneficiar e àquelas que ainda não aderiram (empresas do Lucro Presumido, por exemplo) podem ganhar com a simplificação no pagamento dos impostos.

  1. Ganhe eficiência e facilite a sua vida

Fazer mais com menos é lei para quem quer crescer e isso pode ser traduzido em eficiência. Para alcançar isso, é preciso estar aberto aos novos recursos. A tecnologia é muito positiva neste sentido e tem ajudado os empreendedores a otimizarem suas operações, independente do tamanho. Hoje, já é possível fazer tudo no meio digital com a mesma qualidade, mas ganhando em rapidez. Desde chamar um serviço de motoboy, encontrar um prestador de serviço, alugar um imóvel e até fazer contabilidade. Modernize seu negócio para ganhar eficiência e economia.

  1. Não seja um fantasma para a Receita

Operar regularmente no âmbito fiscal é primordial para a saúde das empresas e até para estimular um ambiente de negócios mais favorável no país como um todo. Afinal, só podemos exigir se cumprimos a nossa parte. E, cada vez mais, a troca de informações entre os órgãos competentes vai facilitar a identificação de regularidades e a autuação de empresas. O governo está na caça aos fantasmas.

  1. Regra de 5x

Uma das mais simples e efetivas regras de planejamento financeiro, que vale para qualquer negócio é a regra do 5x. Funciona assim: os gastos da empresa devem ser 5 vezes menores que o faturamento. Então se uma empresa fatura R$10 mil por mês, os gastos não devem ultrapassar R$2 mil mensalmente. Desta forma, o empresário tem segurança para se planejar e um caixa para os momentos mais difíceis. E em se tratando de Brasil, a gente sabe, isso é essencial.

  1. De uma vez por todas: pare de misturar as coisas

A conta da empresa é a conta da empresa, a conta pessoal é a pessoal. Parece simples, mas este é um dos maiores equívocos que os pequenos empresários insistem em cometer. Além de perder o controle das finanças do seu negócio, ele está arriscando cair na malha fina da Receita Federal e ganhar muita dor de cabeça. Separe as contas e se organize.

  1. Faça, sim, promessas de ano novo, mas cumpra

De nada adianta ter na cabeça o que precisa ser feito, mas não colocar em prática com consistência. Para isso, não prometa a si mesmo mais do que pode cumprir, foque no que é prioridade e no que realmente está ao seu alcance. É o único modo de afastar de si mesmo o fantasma de promessas não cumpridas de ano novo. E nos negócios, esta racionalização ainda vai te ajudar a ter foco naquilo que realmente vai fazer diferença para a sua empresa.

Em 2017, você irá liderar ou educar?

Por Eduardo Shinyashiki

Dentro de uma organização, o que é mais importante: liderar ou educar?

Provavelmente, você já se deparou com essas duas ações isoladamente. Entretanto, a união delas pode trazer resultados e transformações incríveis para empresas dos mais variados segmentos.

Já muito se sabe sobre o papel do líder, aquele indivíduo que precisa mobilizar pessoas na busca de resultados constantes e cada vez maiores. Abraham Lincoln deu uma definição muito sábia para esse papel: “A maior habilidade de um líder é desenvolver habilidades extraordinárias em pessoas comuns”.

Atualmente, as organizações buscam mais do que alguém que saiba exercer a “Liderança Situacional”, importante modelo de Hersey e Ken Blanchard, no qual o líder se adapta ao perfil de cada profissional. Hoje, o estilo mais procurado pelas empresas é a liderança educadora, um “plus” da liderança situacional que tem por essência acreditar no potencial da equipe e preparar um ambiente corporativo que estimule a aprendizagem, o desenvolvimento e a adaptação às mudanças.

O líder educador não só ensina, mas também aprende com os liderados. Ele não apenas delega, mas também realiza juntamente à equipe em busca dos melhores resultados. Isto é, ele não se coloca em uma posição de superioridade que o limita de participar da execução de tarefas, mas conquista o respeito da equipe com as lições diárias de ética, companheirismo, paciência e educação.

A liderança educadora verifica constantemente se as pessoas estão motivadas para o desenvolvimento e entrega de resultados no trabalho. Ela consiste em dar apoio e desenvolver as pessoas em suas atividades, fornecendo suporte e orientação, além de motivar para novos desafios, objetivos e situações como o aprendizado de novas competências e tarefas e auxílio nos problemas de relacionamento no trabalho ou queda de desempenho.

Os líderes educadores têm forte empatia pelas pessoas e se interessam pelo trabalho de sua equipe. Investir na capacidade dos liderados significa investir nas organizações, e é por isso que devemos sempre construir novos paradigmas de liderança. Desta forma, o gestor educador passa a ser uma referência, um modelo.

Existem algumas atividades que estão relacionadas ao dia a dia do líder educador como integração, desenvolvimento da comunicação, gestão do tempo e o desenvolvimento do potencial profissional de sua equipe. Já no contexto pessoal, essa liderança tem algumas características peculiares como postura reflexiva, capacidade de observação, inovação e facilidade em aprender com os outros e com suas próprias experiências.

O líder que possui a essência educativa gerencia sua equipe por meio do diálogo. Ele define sua gestão como um espaço de aprendizagem para o desenvolvimento de novas competências e estimula o compromisso com a equipe e demais pessoas, criando um melhor ambiente de trabalho e possibilitando mais qualidade e inovação.

Esse tipo de liderança utiliza o diálogo, descobre e estimula novos talentos, desenvolve a atenção e o foco, estimula a autoconfiança, tem flexibilidade, cria um ambiente de trabalho em que a alegria, o reconhecimento e o bem-estar estão sempre presentes. Com isso, um gestor consegue manter uma equipe motivada e em constante desenvolvimento.

Independentemente do contexto em que o líder educador esteja inserido, ele é a pessoa chave para a integração e o desenvolvimento dos recursos humanos. Experimente ser um líder educador em 2017 e desenvolva novas habilidades para a construção de uma liderança eficaz e transformadora.

*Eduardo Shinyashiki é mestre em neuropsicologia e especialista em desenvolvimento das competências de liderança organizacional, educacional e pessoal. Com mais de 30 anos de experiência no Brasil e na Europa, é referência em ampliar o poder pessoal e a autoliderança das pessoas, por meio de palestras, coaching, treinamentos e livros, para que elas obtenham atuações brilhantes em suas vidas. Mais informações: www.edushin.com.br

A atuação das empresas na era do talentismo

Por Wellington Rodgério

No atual cenário em que vivemos, com crise financeira em diversos países, catástrofes ambientais e diferenças sociais, engana-se quem acredita que esses problemas são exclusivos dos governantes. Está mais do que na hora de todos enxergarem que já ultrapassamos há tempos a era em que as iniciativas privadas não prestavam atenção nessas questões. E, mais, as empresas que não discutem e não se preocupam com os problemas do mundo ao seu redor estão fadadas ao fracasso.

As companhias que pensam somente em gerar lucros têm de se reinventar. É preciso enxergar que empresas são agentes de mudanças, que também possuem um real compromisso com a sociedade, devem participar ativamente, extrapolar as exigências do capitalismo e ter um reposicionamento de comportamento empresarial.

A mudança de paradigma do sistema que vivemos está em um termo conhecido como “talentismo” – ou seja, no fato de pensar no conjunto da obra, e não apenas na organização em si. A finalidade desse novo conceito é a capacidade de inovar e circular ideias por meio do talento, da educação e do empreendedorismo, sempre com uma visão clara de compromisso junto à sociedade, ao meio ambiente e às causas sociais que envolvem a realidade ao seu entorno, seja na cidade ou no país todo. Isso significa um reposicionamento do comportamento empresarial.

 Para compreender um pouco melhor, o Fórum Econômico Mundial reúne anualmente chefes de governo, representantes empresariais, de bancos, entre outros executivos, com os intuitos de debater temas presentes e propor caminhos para o futuro. Porém, é claro, nada adiantará se essas questões não saírem do papel.

Além de colocarem as iniciativas em prática, as organizações precisam seguir os “Dez Objetivos do Pacto Global”, iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU) elaborada sobre os pilares dos direitos humanos, princípios e direitos fundamentais no trabalho, respeito e preservação do meio ambiente e o combate à corrupção. A missão do Pacto Global é engajar as empresas para que aceitem as metas propostas, apoiem e busquem alcançá-las dentro de suas dependências e também nas esferas de influência.

O “talentismo” nada mais é que a valorização de uma empresa ao seu capital humano seja ele parte da equipe de colaboradores, da carteira de clientes ou da comunidade que, de alguma forma, participa de sua atuação. Toda companhia que atua no cenário moderno do capitalismo precisa estar de acordo com esse conceito e perceber que as pessoas são mais importantes que o dinheiro.

* Wellington Rodgério é diretor financeiro do Grupo Sabará, empresa especializada no desenvolvimento de tecnologias, soluções e matérias-primas de alta performance, voltadas aos mercados de tratamento de águas, cosméticos, nutrição e saúde animal e à indústria de alimentos e bebidas

Projeto “Leãozinho do Bem” segue arrecadando tributos

Cidadãos e empresas de Bento Gonçalves ainda podem destinar parte de seu Imposto de Renda (IR) para contribuir com ações sociais desenvolvidas na cidade. Para tanto, basta aderir ao projeto “Leãozinho do Bem”, que estimula a doação de um percentual do tributo para iniciativas locais.

Microsoft PowerPoint - apresentacao_leaozinho [Somente leitura]Até o final do mês de abril, as pessoas físicas interessadas em ajudar essa importante causa podem direcionar até 3% do valor pago ao Governo Federal para entidades conveniadas ao Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (Comdica). No caso de pessoas jurídicas, o limite é 1%.

O procedimento de destinação da parcela do IR exige que, no momento da declaração à Receita, as pessoas físicas utilizem o formulário completo. As jurídicas devem informar o lucro real.

A estimativa é que, anualmente, pelo menos R$ 3 milhões poderiam permanecer na cidade auxiliando as instituições parceiras, mas, em 2015, por exemplo, as destinações alcançaram apenas R$ 292,5 mil, menos de 10% do total. Com a nova mobilização gerada pelo projeto, a expectativa é que esse montante possa crescer neste ano.

Idealizado pela Associação dos Profissionais e Empresas de Serviços Contábeis de Bento Gonçalves (Apescont-BG), o Leãozinho do Bem conta com o apoio do Centro da Indústria, Comércio e Serviços de Bento Gonçalves (CIC-BG), do Sicoob Meridional, do Comdica e da imprensa local. Quer conhecer um pouco mais sobre o projeto? Acesse o site www. leaozinhodobem.com.br e a página no Facebook.

Entidades que podem ser beneficiadas

Associação Amigos das Crianças
Associação Atlética Banco do Brasil (AABB)
Associação Atlética de Bento Gonçalves (AABG)
Associação Bento-gonçalvense de Convivência e Apoio à Infância e Juventude (ABRAÇAÍ)
Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE)
Associação dos Deficientes Físicos de Bento Gonçalves (ADEF)
Associação dos Deficientes Visuais de Bento Gonçalves (ADVBG)
Associação dos Surdos de Bento Gonçalves (ASBG)
Associação Integrada ao Desenvolvimento Down (AIDD)
Bento Vôlei
Círculo Operário
Fundação Todeschini
Lar da Caridade