Posts

Empresários poloneses de olho no design brasileiro

Entre os dias 27 e 29 de novembro, Projeto Raiz recebeu visita de compradores vindos da Polônia interessados em contrato de licenciamento com designers brasileiros 

Ações estratégicas personalizadas para intensificar e promover a relação comercial entre os designers brasileiros e o mercado externo. Este é o fio condutor do Projeto Raiz, parceria entre o Sindicato das Indústrias do Mobiliário de Bento Gonçalves (Sindmóveis) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Atualmente, 46 estúdios de design de todo o país participam da iniciativa, que prevê investimento de U$ 2 milhões para o próximo biênio

Para fomentar a relação com o mercado europeu, principalmente o que diz respeito ao licenciamento de projetos e produtos, o Projeto Raiz recebeu a visita de empresas polonesas entre os dias 27 e 29 de novembro. O grupo de compradores passou por três importantes polos de design nacional: Bento Gonçalves, São Paulo e Rio de Janeiro. De acordo com Ana Cristina Schneider, consultora do projeto, a Polônia é um canal de acesso para outros mercados de interesse na Europa, como o Reino Unido, um dos alvos do design brasileiro.

Os números do Projeto

Criado em 2012 a partir da base sólida do Sindmóveis de Bento Gonçalves, entidade que há 40 anos representa o setor moveleiro nacional, somado ao apoio da Apex-Brasil, o Projeto Raiz possui, atualmente, 46 estúdios de design associados, dentre eles nomes como Jader Almeida, Paulo Alves, Aristeu Pires, Guto Indio da Costa, entre outros.

DSC_8611

A atuação do Projeto segue o cronograma de feiras internacionais de design, com destaque para a participação na ICFF – Nova Iorque, considerada a maior plataforma do setor de mobiliário de alto padrão dos Estados Unidos. Para os próximos dois anos, a direção prevê participar dos seguintes eventos: Semana de Design de Milão (abril/2019 e 2020); ICFF Nova Iorque (maio/2019 e 2020); Semana de Design de São Paulo (agosto/2019), Semana de Design de Londres (setembro/2019) e Movelsul Brasil (março/2020). As tradicionais mostras itinerantes por embaixadas do Brasil devem seguir por Barcelona (junho/2019), Berlim (setembro/2019) e Tóquio (Junho/2020).

Texto e foto: Ana Carolina Azevedo

Ministério do Trabalho homologa Convenção Coletiva do setor moveleiro

Sindmóveis e Sitracom chegaram a um entendimento para os parâmetros vigentes no biênio 2018/2019

Foi homologa pelo Ministério do Trabalho, no último dia 23, a Convenção Coletiva de Trabalho 2018/2019 vigente para as empresas do setor moveleiro do polo de Bento Gonçalves – que inclui indústrias de Bento Gonçalves, Monte Belo do Sul, Pinto Bandeira e Santa Tereza. O acordo foi acompanhado pelos departamentos jurídicos do Sindmóveis e Sitracom, resultando num reajuste de 1,87%, referente ao INPC do período.

Polo moveleiro

A convenção versa, entre outras determinações, sobre os pisos salariais e benefícios ao trabalhador. Com a convenção, o salário admissional da categoria (para o período de experiência de 60 dias) passa a ser de R$ 1.269,20. O salário intermediário é de R$ 1.303,20 e, a partir de seis meses de empresa, o empregado passa a receber R$ 1.472,70.

O presidente do Sindmóveis, Edson Pelicioli, pontua que a negociação entre os sindicatos foi extensa e que ambos continuarão trabalhando para a modernização das relações de trabalho, em que empresas e empregados construam um ambiente de crescimento mútuo e contínuo. “A melhor alternativa neste momento de incerteza com relação à economia e alterações promovidas pela Reforma Trabalhista foi a manutenção das cláusulas da convenção anterior, o que traz mais segurança jurídica às relações de trabalho”, afirma.

Crescimento nas exportações do polo moveleiro de Bento Gonçalves

Incremento foi de 8,9% entre janeiro e setembro deste ano, com destaque para negociações na América do Sul e Arábia Saudita

As exportações do polo moveleiro de Bento Gonçalves seguem puxando a curva de desempenho para índices positivos nesse ano. De janeiro a setembro, em comparação com igual período do ano passado, as exportações cresceram 8,9%, passando de US$ 26 para US$ 28 milhões. Destaque para a Colômbia e Estados Unidos, que ganharam posições entre os cinco principais destinos para os móveis de Bento Gonçalves, além da Arábia Saudita, Chile e Uruguai, com aumentos significativos nos embarques no período. Índia, Equador, Porto Rico e África do Sul também tiveram negociações importantes com o polo no período.

Por outro lado, mercados tradicionais, como a Argentina e Paraguai, vêm perdendo espaço ao longo do ano, especialmente devido aos problemas econômicos e cambiais enfrentados no país argentino. O crescimento das exportações no polo moveleiro de Bento Gonçalves é superior ao do estado, com incremento de 4,7% no período, mas inferior aos índices nacionais. No Brasil como um todo, as exportações de móveis cresceram 11,5% de janeiro a setembro, com destaque para os Estados Unidos. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior do MDIC.

Apesar dos índices positivos, o diretor Internacional do Sindmóveis, Leonardo Dartora, pondera que o aumento de preços e custo de produção acaba anulando um crescimento real para a indústria moveleira de Bento Gonçalves. O setor tem sido impactado pelo aumento do frete, da energia elétrica e das chapas de MDF e MDP – essas últimas com um reajuste entre 5% e 10%, apurado entre os associados do Sindmóveis. Existe, além disso, um reajuste nos acessórios moveleiros precificados em dólar, o que aperta ainda mais a composição do preço dos móveis.

O Sindmóveis trabalha para alavancar a competitividade internacional das empresas com ações de promoção e estudos de mercado por meio de seu Comitê Internacional. “A entidade comemora os dados, mas há muito caminho até voltarmos aos patamares de 2010 e 2011, próximos a 60 milhões anuais, e pré-crise financeira de 2008/09, quando o polo chegou a exportar mais de US$ 80 milhões anualmente”, interpreta o diretor.

Principais mercados para os móveis de Bento Gonçalves

 

1-                 Uruguai

2-                 Peru

3-                 Chile

4-                 Colômbia

5-                 Estados Unidos

6-                 Argentina

7-                 Paraguai

8-                 México

9-                 Arábia Saudita

10-             Panamá