Posts

Qualidade marca a safra de uva 2018 no Rio Grande do Sul 

Foram colhidos 663,2 milhões de quilos de uvas destinados ao processamento de produtos vinícolas. Estado gaúcho responde por 90% da produção nacional

Festejada pelos vitivinicultores como uma das melhores safras de uva da década em termos de qualidade, a colheita 2018 contabilizou o ingresso de 663,2 milhões de quilos da fruta nas vinícolas gaúchas. O volume, considerado dentro da normalidade histórica, é 12% menor que a vindima anterior. Do total, 597.699.541 foram de uvas americanas e híbridas e 65.540.421 de Vitis viniferas. Nesta safra, 113 variedades de uva foram colhidas em 129 municípios do Rio Grande do Sul, com processamento realizado em 64 cidades do Estado. Assim como nos últimos seis anos, 50% da produção foi destinada à elaboração de suco.

Marcio Ferrari, vice-presidente do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) e coordenador da Comissão Interestadual da Uva, explica que a queda na produção já era esperada, devido, principalmente, a supersafra de 2017 – a maior da história –, quando foram colhidos 753,2 milhões de quilos de uva para processamento. “Naturalmente, depois de uma colheita muito grande a parreira fica debilitada, sofrendo uma redução na produção. Também tivemos poucas horas de frio no inverno de 2017, o que fez com ela brotasse menos e, consequentemente, diminuísse o volume”, assinala.

O dirigente ressalta, ainda, a importância de uma boa matéria-prima para que os rótulos brasileiros continuem se destacando no mercado interno e no Exterior. “A qualidade desta safra se mostrou muito superior, tanto para os viticultores que vendem a uva para o processamento, como os que comercializamin natura. Quando falamos em qualidade é importante ressaltar que não levamos apenas em consideração a graduação de açúcar (brix), mas a sanidade e a cor da fruta. São esses três fatores que irão resultar em produtos de excelência”, pontua.

O presidente do Ibravin, Oscar Ló, concorda com a avaliação do vice-presidente da entidade, elogiando a qualidade da matéria-prima para a elaboração de vinhos, espumantes e sucos de uva. “Será uma safra de referência, especialmente para os vinhos tintos de guarda. A nossa expectativa é que reflita positivamente no setor, ajudando impulsionar as vendas”, acrescenta.

Entre as cultivares com maior produtividade neste ano no Estado estão a Isabel, Bordô e Niágara branca, entre as americanas e híbridas, e a Moscato branco, Merlot e Chardonnay, nas Vitis viniferas. “Pelos números, a variedade Bordô mostrou um crescimento no volume, se aproximando mais da produção da Isabel, pois é uma uva mais rentável, que vem sendo bastante solicitada para a produção de suco. Também percebemos uma grande produção da Niágara, que praticamente não tinha produzido na safra passada”, explica Ferrari.

uvas_665365768

Flores da Cunha foi cidade que mais produziu uvas para processamento. Já Bento Gonçalves teve o maior volume de vinificação. Neste ano, a safra de uva começou na segunda quinzena de dezembro, no Vale dos Vinhedos, e encerrou no início de abril, nos Campos de Cima da Serra, região de maior altitude no Rio Grande do Sul. O Estado responde por 90% das uvas para processamento no Brasil.

18ª Jornada da Viticultura Gaúcha
Os dados da safra 2018 serão apresentados na 18ª Jornada da Viticultura Gaúcha, nesta quarta-feira (27), a partir das 8h30min, no Salão da Comunidade de Faria Lemos, distrito de Bento Gonçalves. A programação inclui a história da Comissão Interestadual da Uva, explanação sobre as conquistas e as atuais reivindicações setoriais, assistência técnica para otimização dos custos de produção e as perspectivas climáticas para a próxima safra (programação completa em anexo).

Dados da safra de uva para processamento 2018:

Total processado: 663.239.961 quilos de uva
– Uvas americanas e híbridas: 597.699.541 (90%)
– Vitis viniferas: 65.540.421 (10%)

Destino das uvas:       
– Vinhos e derivados: 50%
– Sucos e derivados: 50%

Vinícolas ativas no Rio Grande do Sul: 682
Vinícolas que processaram uvas em 2018: 410

Total de municípios que produziram uvas para processamento: 129
Total de municípios que processaram uva: 64

Principais cultivares americanas e híbridas: Isabel (216.376.954 quilos), Bordô (158.499.677 quilos) e Niágara branca (43.018.822 quilos)
Principais cultivares Vitis vinifera: Moscato branco (11.170.250 quilos), Merlot (6.201.038 quilos) e Chardonnay (6.052.520 quilos)

As safras anteriores*:

Ano Volume (milhões de kg)
2011 709,6
2012 696,9
2013 611,3
2014 606,1
2015 702,9
2016 300,3
2017 753,2

* Uvas para processamento de vinhos, espumantes, sucos e derivados. Dados referentes ao Rio Grande do Sul, provenientes do Cadastro Vitícola, mantido por meio de parceria entre Ibravin e Embrapa Uva e Vinho, com recursos do Fundo de Desenvolvimento da Vitivinicultura (Fundovitis).

 

MUNICÍPIOS COM MAIOR PRODUÇÃO

Flores da Cunha 100.955.699 quilos
Bento Gonçalves 98.519.420 quilos
Farroupilha 58.824.662 quilos
Caxias do Sul 54.376.210 quilos
Garibaldi 46.018.252 quilos
 

MUNICÍPIOS COM MAIOR PROCESSAMENTO

Bento Gonçalves 214.034.814 quilos
Flores da Cunha 171.074.079 quilos
Caxias do Sul 57.558.581 quilos
Farroupilha 56.296.016 quilos
Garibaldi 36.064.892 quilos

DEPOIMENTOS DAS REGIÕES PRODUTORAS DO RIO GRANDE DO SUL:

CAMPOS DE CIMA DA SERRA
PAULA SCHENATTO, enóloga:
“Foi uma excelente safra, como na maioria das regiões. A produção foi um pouco menor, devido as geadas na primavera, mas não chegamos a ter grandes prejuízos com isso, apenas uma pequena redução no volume. O consumidor pode esperar ótimos produtos dessa safra. Nos Campos de Cima, as variedades que mais se destacaram foram Cabernet Sauvignon, Merlot, Sauvingnon Blanc e Chardonnay.”

CAMPANHA GAÚCHA
CLORI PERUZZO, vitivinicultora e presidente da Associação dos Produtores de Vinhos Finos da Campanha Gaúcha:
“Tivemos pouca produção, mas com muita qualidade nas uvas. A falta de chuvas na época da maturação ajudou muito para que atingíssemos uma qualidade alta. Todas as castas superaram as expectativas, o que fará com que tenhamos vinhos ainda melhores do que os dos últimos anos.”

SERRA DO SUDESTE
ANTONIO CZARNOBAY, enólogo:
“Foi uma safra complicada em termos de volume. Tivemos problemas de chuva na floração e depois, quando o cacho já estava formado, com o vento e grazino. Tivemos muitas perdas no volume. Entretanto, no quesito qualidade, foi muito, muito bem. A Chardonnay, Merlot e Touriga tiveram um resultado bem interessante. Acredito que a última safra que tivemos tão boa quanto essa foi a de 2012.”

SERRA GAÚCHA
OLIR SCHIVENIN, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Flores da Cunha e Nova Pádua:        
“Apesar de não termos tido um inverno tão rigoroso, avalio a safra como sendo muito positiva, superando as expectativas. Tivemos um bom volume e a qualidade foi muito boa, principalmente a bordô, que é uma das mais produzida. O sabor, o aroma, a cor e graduação estão excelentes. Temos tudo para ter a melhor safra da década ou da história da vitivinicultura.”

FOTO
Legenda: 
Isabel, Bordô e Niágara branca (americanas e híbridas) e Moscato branco, Merlot e Chardonnay (Vitis viniferas) foram as variedades que apresentaram maior produtividade nesta safra        
Crédito: 
Dandy Marchetti/Ibravin


Assessoria de Imprensa Ibravin: www.ibravin.org.br

Martha Caus: (54) 3538.3048 | (54) 9.8111.4450 – imprensa@ibravin.org.br
Cassiano Farina: (54) 3538.3048 | (54) 9.9937.9027 – imprensa2@ibravin.org.br
Camila Ruzzarin: (54) 3538.3048 | (54) 9.9190.1392 – imprensa3@ibravin.org.br

Vinícola Aurora tem aumento de 258% em exportações no primeiro quadrimestre

Foram 8 países compradores nesses 4 primeiros meses, 4 deles na Ásia, continente que absorveu 62% do volume embarcado

 A Vinícola Aurora registrou um aumento de 258% em seu volume exportado nesse primeiro quadrimestre de 2018, em relação a igual período do ano passado. Em valor dos produtos exportados, o aumento foi de 234%.

 O suco de uva foi o item que apresentou maior percentual de crescimento nas exportações em relação ao ano passado: 32%. De janeiro a abril deste ano foram vendidas 24408 garrafas do produto, o que representa 15% do volume total exportado pela Aurora no período. Taiwan, China e Paraguai, nesta ordem, foram os principais compradores de suco de uva nesse quadrimestre.

 Os vinhos (brancos, tintos e espumantes) formam a fatia mais exportada em volume no período, respondendo por 43% do total. Os maiores países compradores de vinhos da Vinícola Aurora foram Japão, Estados Unidos, Cingapura e França. Há praticamente um empate com Keep Cooler, linha que representa 42% das exportações da Aurora no quadrimestre. O embarque mais recente ocorreu na última sexta-feira (dia 27), para Shangai: 54432 garrafas Brazilian Soul Cooler (marca exclusiva para exportação). 

Mais países

A Vinícola Aurora vendeu para 8 países neste quadrimestre, 5 a mais em relação ao mesmo período de 2017.  A Ásia (com China, Japão, Cingapura e Taiwan) foi o continente maior comprador, com 62%. A América do Sul comprou 28% do volume exportado, América do Norte 7% e Europa, 3% no quadrimestre.

LEIA TAMBÉM: Diretoria da ExpoBento 2018 anuncia atrações da feira

 “Seguimos a linha de crescimento nas exportações desde 2015”, afirma Rosana Pasini, gerente de Exportação e Importação da Vinícola Aurora. “Já temos novos embarques confirmados em maio, para novos clientes na Irlanda e no Perú e para clientes atuais da China e Estados Unidos, de todas as linhas, o que manterá o alto crescimento das exportações em 2018 comparado ao ano anterior”, adianta Rosana.

SAIBA MAIS: Dia das Mães não pode ser sinônimo de dívidas

Vinícolas e importadoras ganham mais uma semana para inscrever amostras

Associação Brasileira de Enologia prorroga prazo até 10 de abril

Com amostras chegando de diversas partes do mundo, a Associação Brasileira de Enologia (ABE) prorrogou o prazo para vinícolas e importadoras inscreverem seus rótulos no 9º Brazil Wine Challenge, um dos mais importantes concursos internacionais de vinhos das Américas. O Brazil Wine Challenge acontecerá de 5 a 8 de junho, no SPA do Vinho Hotel & Condomínio Vitivinícola, no Vale dos Vinhedos. A data limite passa a ser dia 10 de abril, com recebimento das amostras até 20 de abril. As inscrições podem ser feitas pelo site www.brazilwinechallenge.com.br. O Concurso é o único  do Brasil com a chancela da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV) e da União Internacional de Enólogos (UIOE).

Dez países já figuram entre os participantes: Argentina, Austrália, Bolívia, Brasil, Bulgária, Chile, Grécia, Nova Zelândia, Portugal e Uruguai. A expectativa é de que esta representatividade aumente, reunindo centenas de amostras de diferentes procedências que disputarão espaço nesta que é a principal vitrine de vinhos no Brasil. “Ter um vinho ou um espumante premiado no Brazil Wine Challenge é ter o reconhecimento de especialistas de diversos países. É associar sua marca aos melhores rótulos avaliados no concurso, atraindo olhares de conhecedores e de quem está ingressando neste universo de sensações”, destaca o presidente da ABE-, enólogo Edegar Scortegagna.

 O concurso conta com um sistema de avaliação totalmente informatizado, que garante maior agilidade e segurança na captação e tabulação dos dados. Implantado ainda na edição de 2010, o sistema apresenta excelente desempenho, colocando a avaliação entre as mais organizadas do mundo.