Posts

Exportações de vinhos e espumantes brasileiros crescem 32% em valor no semestre   

Comercializações para 29 países somam US$ 3,6 milhões. Volume foi 39% superior ao mesmo período de 2017, com 1,6 milhões de litros negociados     

As exportações de vinhos tranquilos e espumantes brasileiros tiveram alta de 39,3% em volume e 32,8% em valor no primeiro semestre de 2018, em comparação ao mesmo período do ano anterior. Os produtos vinícolas foram comercializados para 29 países, somando 1.593.137 litros e negócios de US$ 3,6 milhões.

No ranking dos cinco principais destinos estão Paraguai, Estados Unidos, Cingapura, Colômbia e Reino Unido. As 42 empresas participantes do projeto setorial Wines of Brasil, realizado em parceria entre o Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), responderam por 85% do resultado obtido.

De acordo com o gerente de Promoção do Ibravin, Diego Bertolini, a expectativa é que no segundo semestre as comercializações para o exterior sigam crescendo, especialmente devido às estratégias em mercados da América Latina, que incluem também o projeto setorial 100% Grape Juice of Brazil. Em 2017, os países do continente absorveram 41,3% do total global negociados.

“Além dos mercados-alvos China, Estados Unidos e Reino Unido, pretendemos aumentar as iniciativas de promoção e aprimorar a distribuição em países próximos ao Brasil, como Paraguai, Colômbia, Chile e Peru, em função de vantagens competitivas, como logística e perfil de produto. Os latino-americanos possuem paladar similar aos brasileiros, o que favorece nossa penetração”, explica o executivo.

Ibravin

Entre janeiro e junho de 2018, o melhor desempenho ficou com os espumantes, que obtiveram expressivo crescimento de 61,2% em litros e 29,2% em valor, comparados ao primeiro semestre do ano anterior. Os vinhos tranquilos, que representam a maior fatia das comercializações, tiveram um incremento de 37,4% no volume e 33,6% nas vendas.

EXPORTAÇÕES – JANEIRO A JUNHO 2018

Volume (litros) 2018/17 Valor (US$/FOB) 2018/17
Vinhos tranquilos 1.450.301 37,44% 3.013.070,00 33,60%
Espumantes 142.836 61,21% 631.671,00 29,23%
Total 1.593.137 39,28% 3.644.741,00 32,82%

Fonte: Comex Stat – Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic)

PRINCIPAIS DESTINOS DAS EXPORTAÇÕES (VALOR) – JANEIRO A JUNHO 2018

Vinhos e espumantes Vinhos Espumantes
Paraguai Paraguai Chile
Estados Unidos Estados Unidos Cingapura
Chile Colômbia Polônia
Reino Unido Reino Unido Estados Unidos
Cingapura Japão China

Fonte: Comex Stat – Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic)

Sobre o Wines of Brasil e o 100% Grape Juice of Brazil          
O Wines of Brasil e o 100% Grape Juice of Brazil são iniciativas de promoção comercial dos vinhos, espumantes e sucos de uva brasileiros no mercado externo, desenvolvidas desde 2002 entre o Ibravin e a Apex-Brasil. Os projetos setoriais contam, atualmente, com a participação de 42 vinícolas e têm como mercados-alvo os Estados Unidos, Reino Unido, China e Paraguai. Nos últimos anos, cerca de 95% das empresas que aderiram às ações conseguiram dar continuidade em suas exportações, devido ao suporte, aos programas de capacitação oferecidos e ao trabalho setorial de consolidação da imagem dos rótulos nacionais no Exterior. Mais informações podem ser obtidas nos sites www.winesofbrasil.comwww.grapejuiceofbrazil.com e www.ibravin.org.br.

Foto: Dandy Marchetti/Ibravin

Descontos, shows e esporte estrelam segunda semana do Dia do Vinho 2018

Maior loja online de vinhos da América Latina e passeio de barco a vapor no rio São Francisco também são destaques na programação que pode ser consultada emwww.diadovinho.com.br

 Depois de se espalhar pelo Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil, o Dia do Vinho agora também está acessível em qualquer lugar do mundo. Maior loja online de vinhos da América Latina, a wine.com.br é a mais nova participante do movimento que celebra o enoturismo nacional e, até o dia 3 de junho, estará oferecendo 76 rótulos verde-amarelos com descontos que vão de 10% a 25%. No mesmo período, quem preferir navegar pelo mundo físico tem a opção de degustar vinhos e espumantes a bordo de um barco a vapor que sai de Juazeiro (BA) e percorre as águas e paisagens do rio São Francisco. Apenas dois novos destaques dos mais de 350 atrativos da programação que pode ser descoberta em detalhes no site oficial diadovinho.com.br.

 Mas nem de longe os únicos. No próximo domingo (27), só para se ter ideia, o Dia do Vinho 2018 contempla atividades que vão de uma cavalgada por caminhos onde batalhas e revoluções desenharam as fronteiras meridionais do Brasil, em Bagé (RS), na Campanha Gaúcha, até o show do quarteto The Beatles no Acordeon, na Praça da Bandeira, em Flores da Cunha (RS), que chegará em agosto no igualmente histórico palco do The Cavern Club – aquele mesmo onde despontaram quatro rapazes, em Liverpool.

 Na véspera, 26, a tradicional Wine Run desafia adeptos da prática esportiva a uma meia maratona pelos altos e baixos do Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves (RS). Mesmo sábado em que a vizinha Farroupilha (RS) aguarda algumas centenas de milhares de romeiros para uma das mais emocionantes demonstrações de fé do país, no Santuário de Nossa Senhora de Caravaggio.

Foto 1 -Degustações harmonizadas - Crédito Dandy Marchetti, Ibravin

 Para facilitar a vida dos visitantes, um miniguia abaixo traz uma seleção com alguns dos destaques da programação entre os dias 26 (sábado) e 29 (quarta-feira) de maio. Mas vale lembrar que o Dia do Vinho segue até 3 de junho. E há muito mais para se descobrir entre os mais de 250 empreendimentos de dezenas de municípios integrados à ação no Roteiro de São Roque (SP), em Porto Alegre (RS), no Vale Central Gaúcho (RS), na Campanha Gaúcha (RS) e na região Uva e Vinho da Serra Gaúcha (RS). O ponto de partida é a consulta no site oficial diadovinho.com.br.

 

Para todos os gostos – e bolsos

Para quem quiser saber mais sobre um produto em que o Brasil detém excelência mundial, o campus do Instituto Técnico Federal (IFRS) em Bento Gonçalves (RS) oferecerá um minicurso gratuito sobre Elaboração e Degustação de Vinho Base para Espumantes, na quinta-feira (24).

 

Já a sexta-feira (25) prevê um verdadeiro circuito de jantares harmonizados ocorrendo simultaneamente pelo Rio Grande do Sul: em Antônio Prado (Jacarandá Pizzeria e Ristorante), em Caxias do Sul (Casa do Comendador), em Farroupilha (vinícola Casa Perini), em Santa Maria (vinícola Velho Amâncio) e em Veranópolis (restaurante Mascaron).

 

No dia seguinte, 26, a proposta se inverte de turno e de extremo no mapa gaúcho: sai da noite e da Serra e vai para o almoço em Itaqui, na Campanha Gaúcha, onde a vinícola Campos de Cima serve uma feijoada para celebrar o Dia do Vinho.

 

Enquanto isso, no Vale dos Vinhedos (RS), a vinícola Larentis oferecerá degustação de vinhos em barricas. Ainda no mesmo dia 26, duas outras atividades para apurar os sentidos surgem em Antônio Prado (RS): um minicurso de degustação de espumantes, na vinícola Zanella, e uma Noite do Vinho Só Para Mulheres, na Casa Olivo Vinhos e Bistrô.

 

Para fechar o sábado (26), a Casa Destemperados, em Porto Alegre (RS), realiza mais uma edição do Tour Vinhos do Brasil, acompanhados de arroz caprese.

 

O arremate dos primeiros 10 dias – e do território nacional, no limite com o Uruguai – fica em Santana do Livramento (RS), onde o domingo (27) reserva um piquenique com degustação na vinícola Almadén. E ainda vem mais uma semana pela frente…

 

DIA DO VINHO 2018 – DESTAQUES DA SEGUNDA SEMANA

Período de 26/5 a 29/5

 

26/5

 

FARROUPILHA (RS)

LANÇAMENTO DA EXPERIÊNCIA GASTRONÔMICA-RELIGIOSA SABOR E FÉ

•    Onde: vinícola Adega Chesini

•    Data: 26/5

•    Horário: 12h

•    Endereço: Vila Rica Distrito – s/n, Farroupilha

•    Telefone: (54) 3462.2357

•    Preço: sob consulta

•    O que terá: almoço especial e vivência da história de fé que envolve a vinícola e a família dos produtores

 

GARIBALDI (RS)

PRODUÇÃO DE TAÇAS DE VINHO ARTESANALMENTE

•    Onde: Vidraria Madelustre

•    Data: 26/5

•    Horário: das 10h às 16h (último horário para visita 15h)

•    Endereço: Rua Cristóvão Colombo, 190 – Guarani, Garibaldi

•    Telefone: (54) 3462.9500

•    E-mail: [email protected]

•    Preço: sob consulta

•    O que terá: vidreiros moldarão na hora as taças de vinho que estarão à venda no showroom

 

BENTO GONÇALVES (RS)

WINE RUN MEIA MARATONA

•    Onde: Vale dos Vinhedos

•    Data: 26/5

•    Horário: largada às 9h

•    Endereço: largada do varejo da vinícola Gran Legado (Linha Leopoldina, s/n, Bento Gonçalves)

•    Telefone: (54) 9997.45787

•    E-mail: [email protected]

•    Inscrições e informações detalhadas: www.winerun.com.br

•    O que terá: trajeto de 21 quilômetros com largada da vinícola Gran Legado (Vale dos Vinhedos), percurso pelo Vale Aurora e Roteiro das Cantinas Históricas, e chegada na Capela das Almas (Distrito de Faria Lemos)

 

27/5

 

BAGÉ (RS)

CAVALGADA DO VINHEDO

•    Onde: saída da Pousada do Sobrado com chegada na vinícola Peruzzo

•    Data: 27/5

•    Horário: 8h

•    Endereço: Rua Zoroastro Lamote, s / n – Zona Rural

•    Telefone: (53) 9999.50610

•    E-mail: [email protected]br

•    Preço: sob consulta

•    O que terá: percurso a cavalo de cerca de 10 quilômetros, partindo da Pousada do Sobrado e chegando na vinícola Peruzzo. Às 12h, almoço festivo tradicional com cordeiro e vinho. Às 15h, inauguração da trilha Pegadas da Fé, em homenagem à padroeira do Forte Histórico de Santa Tecla

 

FLORES DA CUNHA (RS)

FESTIVAL DE VINHOS E GASTRONOMIA

•    Onde: Praça da Bandeira

•    Data: 27/5

•    Horário: das 11h30 às 18h

•    Telefone: (54) 3279.3600

•    E-mail: [email protected]br

•    Entrada gratuita

•    O que terá: comercialização de vinhos e espumantes com Indicação Geográfica (IG) dos Altos Montes a partir de R$ 30, gastronomia típica local (menarosto), comida de rua. Shows com Grupo Ballo D’Itália e Irmãos Manzoni e Juliano; Jeann Branndão; e aquele que será apresentado no The Cavern Club, em Liverpool (Reino Unido), em agosto: The Beatles no Acordeon

 

29/5

 

BENTO GONÇALVES (RS)

DEGUSTAÇÃO ÀS CEGAS DE SUCO DE UVA

•    Onde: Instituto Técnico Federal do Rio Grande do Sul (IFRS) – Campus Bento Gonçalves

•    Data: 29/5

•    Horário: 14h

•    Endereço: Avenida Osvaldo Aranha, 540 – Bairro Juventude da Enologia

•    Telefone: (54) 3455.3200

•    E-mail: [email protected]

•    Inscrições gratuitas e limitadas pelo e-mail [email protected]

•    O que terá: visita guiada às instalações da vinícola-escola e apresentação dos benefícios do suco de uva, finalizando com a degustação em que os participantes estarão vendados

 

FARROUPILHA (RS)

O VINHO É POP

•    Onde: Casa Poeta Oscar Bertholdo

•    Data: 29/5

•    Horário: 18h

•    Endereço: Rua Fridolino Altaus – Imigrante

•    Telefone: (54) 3261.6963

•    O que terá: degustação de oito produtos, entre vinhos e espumantes, harmonizada com música. A Banda Municipal Cinquentenário fará a trilha sonora, trazendo, por exemplo, o rock para combinar com um vinho mais intenso, ou um samba para embalar a degustação do moscatel. Promovido pela Prefeitura Municipal e Secretaria de Turismo e Cultura; Associação Farroupilhense de Produtores de Vinhos, Espumantes, Sucos e Derivados (Afavin) e Confraria Feminina do Vinho

•    Ingresso: R$ 55 por pessoa

•    Vagas limitadas

Exportações de vinhos e espumantes brasileiros crescem 44% em valor no primeiro trimestre de 2018

Os espumantes respondem por 30% do total exportado e obtiveram crescimento, em valor, de 64% na comparação com mesmo período do ano passado

Dando continuidade ao incremento próximo a 50% nas exportações brasileiras de vinhos e espumantes conquistada em 2017, o setor vitivinícola comemora a manutenção dos percentuais obtidos no primeiro trimestre. Entre janeiro e março de 2018 foram comercializados mais de US$ 1 milhão, com a remessa de 553.210 litros de rótulos brasileiros ao Exterior, representando alta de 44,3% em valor e de 48,7% em volume na comparação com o mesmo período do ano passado. Os principais mercados compradores foram Paraguai, Chile, Estados Unidos, Cingapura e Reino Unido. As ações de promoção e divulgação dos vinhos brasileiros no mercado externo são viabilizadas pelo Wines of Brasil – projeto setorial realizado em parceria entre o Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

O grande destaque do período foram as exportações de espumantes, que subiram 64% em valor ante o mesmo período e apresentam um valor médio por litro de US$ 4,88. Os vinhos tranquilos, por sua vez, registraram aumento de 37% e valor médio por litro de US$ 2,25. Nesse período, os rótulos borbulhantes apresentaram participação de 30% nas vendas.

Segundo Diego Bertolini, gerente de Promoção do Ibravin, o resultado está alinhado com o novo posicionamento do setor no âmbito internacional, que foi lançado em março, na ProWein, maior feira mundial do segmento, realizada na Alemanha.

“Com os espumantes conseguimos exportar com valor agregado para mercados mais maduros e competitivos como os Estados Unidos, Reino Unido e Ásia. Já com os vinhos, temos proximidade logística e uma afinidade de paladar e, portanto, de produto, com os mercados da América Latina”, observa Bertolini.

 Exportações brasileiras - Crédito Dandy Marchetti, Ibravin (1)

A lógica comercial apontada pelo gerente do projeto se justifica quando se observa os principais mercados compradores dos rótulos brasileiros (vide quadro abaixo). Para os próximos meses, estão previstas ações do Wines of Brasil em Nova York e Reino Unido. Já no segundo semestre, a agenda contemplará eventos com foco na América Latina, Estados Unidos e China.

Exportações brasileiras de vinhos e espumantes


Período janeiro a março 2018

  Em volume (litros) Em valor (US$)
  2017 2018 % 2017 2018 %
Espumantes 63.759 94.081 47,56% 279.955,00 458.908,00 63,92%
Vinhos 308.302 459.129 48,92% 755.579,00 1.035.308,00 37,02%
Total 372.061 553.210 48,69% 1.035.534,00 1.494.216,00 44,29%

Principais importadores de rótulos brasileiros

1º Paraguai

2º Chile

3º Estados Unidos

4º Cingapura

5º Reino Unido

Principais mercados para espumante Principais mercados para vinho
1º Chile

2º Cingapura

3º Estados Unidos

4º Reino Unido

5º China

1º Paraguai

2º Estados Unidos

3º Reino Unido

4º Bolívia

5º Japão

Sobre o Wines of Brasil

O Wines of Brasil é uma iniciativa de promoção comercial dos vinhos, espumantes e suco de uva brasileiro no mercado externo, desenvolvidos, desde 2002, entre o Ibravin e a Apex-Brasil. O projeto setorial conta, atualmente, com a participação de 42 vinícolas e têm como mercados-alvo os Estados Unidos, Reino Unido, China e Paraguai. Nos últimos anos, cerca de 95% das empresas que aderiram às iniciativas conseguiram dar continuidade em suas exportações, devido ao suporte e aos programas de capacitação oferecidos e o trabalho setorial de consolidação da imagem dos rótulos nacionais no Exterior. Mais informações podem ser obtidas nos sites www.winesofbrasil.com e www.ibravin.org.br.

Foto: Dandy Marchetti/Ibravin

Espumante é a aposta brasileira na maior feira mundial de vinhos    

Onze empresas integrantes do projeto setorial Wines of Brasil estarão na Alemanha, entre os dias 18 e 20 deste mês. Projeção é de negócios de cerca de US$ 1 milhão nos próximos 12 meses

O Brasil reforçará ao mundo do vinho a vocação do país para a elaboração de espumantes. A participação das vinícolas brasileiras na maior feira do segmento, a ProWein Alemanha, em Düsseldorf, de 18 a 20 de março, focará na promoção e prospecção de negócios que devem chegar a US$ 1 milhão nos próximos 12 meses, com as borbulhas liderando as atenções e estratégias das 11 empresas que estarão no estande verde-amarelo, no hall 9 – G28. A ação é do projeto setorial Wines of Brasil, desenvolvido pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), por meio do Fundo de Desenvolvimento da Vitivinicultura do Rio Grande do Sul (Fundovitis), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Está é a 14ª participação consecutiva das vinícolas na feira.

Entre as novidades desta edição e alinhada com o objetivo do projeto setorial está o lounge Sparkling Brasil, com degustação de 22 rótulos de espumantes, de 12 empresas, conduzidas pelo sommelier brasileiro Maurício Roloff. As vinícolas verde-amarelas que estarão no estande coletivo são Aurora, Casa Perini, Casa Valduga, Don Guerino, Góes, Lidio Carraro, Miolo, Mioranza, Peterlongo, Pizzato e Salton, além da Nova Aliança, que participará apenas com produto no Sparkling Brasil.

Wines of Brasil_Crédito Dandy Marchetti

Também será a primeira vez que os produtores brasileiros estarão representados no ProWein Forum. Às 10h do dia 18, os representantes do projeto setorial conduzirão uma degustação de espumantes verde-amarelos e apresentarão a produção nacional.

 “Vamos reforçar a qualidade e a diversidade dos nossos espumantes, algo já reconhecido e validado pela crítica e pelo próprio trade internacional, posicionando-os como carros-chefes da produção brasileira. Em 2017 retomamos o crescimento nas exportações, com um incremento de 47,5% na venda da bebida”, informa o gerente de Promoção do Ibravin, Diego Bertolini.

A participação na feira, segundo Bertolini, é valorizada em função de reunir os principais compradores dos países que são mercados-alvo do Wines of Brasil – Estados Unidos, China e Reino Unido – e também de importadores da América Latina. “A ProWein reúne players do mundo inteiro e a nossa participação de forma conjunta deverá trazer ótimos resultados, tanto em negócios como em imagem”, acredita.

Em 2017, a Alemanha foi o 10º principal destino das exportações de vinhos e espumantes brasileiros, com mais de 20 mil litros, em negócios que ultrapassaram a marca de US$ 117,5 mil. “É importante ressaltar o valor médio por litro exportado, que foi de US$ 5,70 e mostra que estamos posicionados numa categoria de produtos com maior valor agregado, tanto em espumantes como em vinhos tranquilos”, aponta.

Após a participação na ProWein, um grupo de 14 pessoas, de sete vinícolas brasileiras, realizará uma missão técnica na Itália, nas regiões de Conegliano e Treviso. De 21 a 23 deste mês, integrantes do Wines of Brasil e das empresas Aurora, Casa Perini, Casa Valduga, Góes, Miolo, Peterlongo e Salton farão visitas em vinícolas, em roteiros enoturísticos e na Escola de Enologia de Conegliano. O objetivo é conhecer a produção das empresas, as experiências dos empreendimentos com o turismo e as formas de atrair visitantes para os roteiros de vinhos no Brasil.

ProWein 2018 em números          
A ProWein 2018 terá a presença de 6,7 mil expositores, de 61 países. Serão mais de 300 regiões vitivinícolas representadas e cerca de 500 eventos, incluindo sessões de degustações guiadas, seminários e apresentações.

Sobre o Wines of Brasil
Criado em 2002, o Wines of Brasil é uma iniciativa de promoção comercial dos vinhos e espumantes brasileiros no mercado externo, desenvolvido entre o Ibravin e a Apex-Brasil. O projeto conta atualmente com a participação de 42 vinícolas e têm como mercados-alvo os Estados Unidos, Reino Unido e China. Nos últimos anos, cerca de 95% das empresas que aderiram a iniciativa conseguiram dar continuidade em suas exportações, devido ao suporte e aos programas de capacitação oferecidos e o trabalho setorial de consolidação da imagem dos rótulos nacionais no Exterior. Mais informações podem ser obtidas nos sites www.winesofbrasil.com e www.ibravin.org.br.

Foto: Dandy Marchetti/Banco de Imagens Ibravin

Após recorde de 2017, safra da uva deverá ficar dentro da média histórica  

Com antecipação do início da colheita em torno 15 dias em relação ao período normal, vitivinicultores projetam volume 20% menor que o colhido no ano anterior, com ganhos na qualidade

Depois de registrar a maior colheita da história do Rio Grande do Sul, com 753 milhões de quilos de uva em 2017, antecedida pela quebra de safra recorde em 2016, com perda de 57%, a vindima 2018 deverá ficar dentro da normalidade e chegar a cerca de 600 mil toneladas da fruta destinadas ao processamento. Produtores e indústria estão otimistas com o desenvolvimento da produção no campo até o momento. As condições climáticas e o manejo adequado realizado ao longo dos meses estão proporcionando às uvas boa qualidade e níveis altos de graduação de açúcar, o que deverá resultar, novamente, em ótimos vinhos, espumantes e sucos de uvas 100%.

De acordo com o presidente do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) e também presidente da Federação das Cooperativas Vinícolas do Rio Grande do Sul (Fecovinho/RS), Oscar Ló, as primeiras uvas para processamento começaram a ser colhidas na segunda quinzena de dezembro, cerca de 15 dias antes do período normal. “As variedades precoces estavam adiantadas por conta do pouco frio feito no inverno. A brotação começou antes, porém, as noites mais frias no mês de dezembro fizeram com que as variedades tardias estejam maturando no período considerado normal. Isso pode prolongar a safra gaúcha, fazendo com que até o término, em março, ela feche o ciclo. A previsão é de um volume 20% menor do que no ano passado, e, devido às regularidades das chuvas e as uvas estarem amadurecendo com clima mais seco, vamos ter uma excelente qualidade. O clima está mais seco, as uvas estão com a sanidade melhor”, avalia.

Safra - Crédito Silvia Tonon

A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio Grande do Sul (Emater/RS) também projeta uma safra dentro da média dos últimos anos. “Contabilizando todas as uvas, independente do destino, e incluindo o consumo in natura, acreditamos que devam ser colhidas cerca de 750 mil toneladas da fruta em todo o Estado. Se mensurássemos apenas as uvas para processamento, destinadas a elaboração de vinhos, espumantes e sucos de uva, acreditamos que este número passará para, aproximadamente, 600 mil toneladas”, prevê Enio Ângelo Todeschini, engenheiro agrônomo e assistente técnico regional de fruticultura da Emater. “Se o clima continuar assim para viticultura é muito bom, pois diminui o risco de doenças e melhora a maturação da uva. Por enquanto, a qualidade está excelente. O cultivo ao longo de 2017 foi dentro do recomendado, com podas, adubação sem exagero e com plantas com cobertura de solo, o que evita a perda de água e nutrientes, ou seja, a erosão, deixando a videira sem maiores riscos”, completa.

As variedades Bordô, Niágara, Violeta, Concord, Pinot Noir e Chardonnay, por exemplo, foram as primeiras a serem colhidas no Estado. Neste mês, as vinícolas estão recebendo também as Merlot, Riesling Itálico e Glera (Prosecco), e em fevereiro e março serão a vez das Cabernet Souvignon e Franc, Tannat, Moscato Branco, Isabel e Trebbiano.

Para o vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Garibaldi, Denis Debiasi, a redução na produção da videira será uma das variáveis responsáveis pela boa qualidade da fruta. “Vamos ter uma diminuição no volume, pois no ano passado a safra foi grande e, claro, a parreira não aguenta dois anos seguidos grandes volumes. Mas isso também é bom, pois não houve acúmulo de uvas nas parreiras, as uvas estão mais distribuídas e se desenvolveram melhor. Na região, tem gente colhendo com um grau de açúcar bem satisfatório. Essas noites amenas, com chuvas periódicas e dias quentes nos proporcionam uma qualidade melhor, em que as uvas amadurecem dentro da normalidade. Quando a matéria-prima vem boa, melhora toda a cadeia”, pontua Debiasi.

Segundo o chefe-geral da Embrapa Uva e Vinho, Mauro Zanus, as previsões climáticas previstas para o auge da safra 2018, no primeiro mês do ano, deverão se manter positivas para que se colham as uvas com a maturação adequada. “Os prognósticos meteorológicos apontam para uma influência moderada do La Niña até o final de janeiro, ou seja, uma incidência de chuvas abaixo do normal, o que favorece a maturação e, consequentemente, a boa qualidade das uvas. Estamos acompanhando as previsões, mas ainda é precipitado falar de fevereiro ou março”, observa.

Marcio Ferrari, vice-presidente do Ibravin, coordenador da Comissão Interestadual da Uva e presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Farroupilha, explica que as precipitações ocorridas nos últimos meses de 2017 na Serra Gaúcha – região responsável por 85% da produção nacional – foram pontuais e não deverão prejudicar o volume total que será colhido em todo o Estado: “Tivemos algumas perdas em função da chuva de pedra, mas, de uma forma geral, essa diminuição de safra se dá em função da formação de cachos menores”, explica.

 Segundo o Cadastro Vitícola, no Rio Grande do Sul são cultivadas 138 variedades de uva, entre viníferas (destinadas à produção de vinhos finos e espumantes) e uvas americanas e híbridas (reservadas à elaboração de vinhos de mesa e sucos). As principais regiões produtoras são: a Serra, a Serra do Sudeste, os Campos de Cima e a Campanha.

Os números das últimas safras gaúchas*             

Ano Volume (milhões de quilos)
2011 709,6
2012 696,9
2013 611,3
2014 606,1
2015 702,9
2016 300,3
2017 753,2

 *Uvas para processamento de vinhos, espumantes, sucos de uva e derivados. Dados referentes ao estado do Rio Grande do Sul, provenientes do Cadastro Vinícola, mantido por meio de parceria entre Ibravin e Secretaria de Agricultura, Pecuária e Irrigação do Rio Grande do Sul (Seapi/RS), com recurso do Fundo de Desenvolvimento da Vitivinicultura (Fundovitis).

 
Foto: Silvia Tonon

Vinhos e espumantes do Brasil em exposição na França

Museu do Vinho
Inaugurado há um ano, La Cité du Vin, em Bordeaux, na França, proporciona experiências culturais e sensoriais aos visitantes. Nos primeiros 12 meses de atuação, mais de 400 mil pessoas, de 150 nacionalidades,  passaram pelo local. Desde sua inauguração, em junho de 2016, os rótulos de vinhos e espumantes do Brasil estão no espaço, sob os holofotes.

La Cité du Vin foca na história mundial do vinho e proporciona aos visitantes experiências sensoriais com os produtos.  Com um rodízio de rótulos a cada ano, novas opções de 12 empresas gaúchas chegarão até o início do mês de julho para se somar ao portfólio do que é considerado o maior parque temático de vinhos do mundo. A participação brasileira é viabilizada pelo projeto setorial Wines of Brasil, desenvolvido pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) em conjunto com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).Aurora, Campos de Cima, Casa Perini, Casa Valduga, Domno, Don Giovanni, Lidio Carraro, Miolo Wine Group, Mioranza, Nova Aliança, Peterlongo e Salton enviaram 504 garrafas de 28 rótulos para serem degustados. A expectativa é que até junho de 2018 outras 450 mil pessoas visitem o local.

Em 2016, as comercializações de vinhos e espumantes  brasileiros no mercado externo cresceram 45% em valor e 43% em volume em comparação ao mesmo período do ano anterior. Os principais destinos dos rótulos verde-amarelos foram Paraguai, Estados Unidos, Reino Unido, Colômbia, China, Holanda, Japão, Alemanha, Finlândia e Canadá. ( foto: AnaKa)

Embrapa e Ibravin apresentam dados da produção de uva no Rio Grande do Sul

Informações do Cadastro Vitícola 2013-2015 serão mostradas na próxima segunda-feira, dia 24, em evento para dirigentes, viticultores e imprensa.

Na próxima segunda-feira, dia 24 de abril, a partir das 9h30min, a Embrapa Uva e Vinho e o Instituto Brasileiro do Vinho – Ibravin, apresentam o Cadastro Vitícola 2013-2015, no Auditório da Empresa de Pesquisa, em Bento Gonçalves . A nova edição é realizada pelas entidades promotoras, com o apoio da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação do Rio Grande do Sul (Seapi-RS) e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

 bvinhosO Cadastro Vitícola 2013-2015 é uma sistematização de informações dos vinhedos declaradas pelos viticultores do estado do Rio Grande do Sul. A edição apresenta, além de uma análise criteriosa sobre os dados cadastrais, mapas com a distribuição espacial dos vinhedos georreferenciados.

São informações históricas de dados e gráficos da viticultura gaúcha nos últimos 20 anos e os números detalhados de área das propriedades e dos vinhedos, cultivares por microrregião e por município e vinhedos por variedades.

 

A pesquisadora e coordenadora do Cadastro Vitícola, Loiva Maria Ribeiro de Mello, que irá fazer uma apresentação da edição no evento, antecipa que se constata uma mudança na viticultura no Estado, que está avançando para regiões mais planas, nas quais é possível a mecanização do cultivo. “A viticultura tradicional da Serra Gaúcha é essencialmente de agricultura familiar, instalada em pequenas propriedades de topografia acidentada. Agora, com o avanço do plantio na Serra do Sudeste, por exemplo, as propriedades possuem maior área de produção ”, destaca a pesquisadora. No Rio Grande do Sul, o levantamento de dados que alimentam o cadastro tem sido realizado desde 1968.

 Desde o ano 2000, a coordenação técnica do Cadastro Vitícola é realizada pela Embrapa Uva e Vinho, por delegação do Mapa. O projeto é financiado pela Embrapa e pelo Ibravin, com recursos do Fundo de Desenvolvimento da Vitivinicultura (Fundovitis) e conta com o apoio de outras instituições e entidades (sindicatos de produtores, Emater/RS e associações de produtores).

Após o evento, o cadastro e todas as suas possibilidades de buscas a partir de filtros estabelecidos estarão disponíveis para consulta, impressão ou exportação na página da Embrapa Uva e Vinho.

Foto: Silvia Tonon