Posts

Parceiros Voluntários tem agenda solidária em escolas e entidades do município

ONG apoiou, durante o mês, atividades em instituições de ensino e no Lar do Ancião

No mês de junho, diversas ações articuladas pela Parceiros Voluntários de Bento Gonçalves ocorreram em instituições de ensino e entidades do município, com o apoio de empresas e profissionais engajados na causa.

Nas escolas bento-gonçalvenses, as atividades seguiram a agenda do programa ‘Tribos nas Trilhas da Cidadania’ – projeto desenvolvido por jovens e crianças que busca estimular e desenvolver a cultura do voluntariado.Os resultados da iniciativa aparecem em promoções como a realizada na Escola Municipal Ensino Fundamental Professor Felix Faccenda: em comemoração ao Dia do Meio Ambiente (lembrado em cinco de junho), os alunos das turmas de 3º ano distribuíram um informativo sobre os cuidados com a água – confeccionado com papel reciclado artesanal e produzido pelos próprios estudantes da educação infantil. Também houve o lançamento do projeto ‘Mão Amiga – Abrace Uma Causa’, que visa a arrecadar tampinhas plásticas, posteriormente doadas a entidades assistenciais. A meta é que as organizações utilizem os recursos para a aquisição de materiais necessários ao tratamento de seus pacientes.

Ação na Escola Felix Faccenda 1

Outro exemplo de engajamento social – esse envolvendo o setor privado – foi a ação realizada no Lar do Ancião, na quarta-feira,27. Por meio do programa ‘Voluntário Pessoa Jurídica’, massagistas do salão Jane Beauty proporcionaram momentos de descontração e relaxamento à, aproximadamente, 15 moradores da casa de repouso. “O resultado foi excelente. A experiência foi de muita valia para ambas as partes: os idosos relataram a satisfação por receber o serviço e os profissionais aprenderam com toda a vivência deles”, comenta a fisioterapeuta do Lar do Ancião, Thais Dendena. Foi a primeira vez desse tipo de iniciativa na entidade.

 Ação na Escola Felix Faccenda 2

Doações ao Lar do Ancião

O Lar do Ancião é uma organização que existe desde 1981 em Bento Gonçalves. São cerca de 60 idosos residentes no local. O lar oferece serviços como assistência social, enfermagem, fisioterapia e atendimento psicológico com uma equipe de mais de 30 funcionários. Para a manutenção das facilidades, o apoio da comunidade é fundamental. As maiores necessidades são doações em dinheiro, produtos de limpeza, de higiene, fraldas geriátricas e itens de alimentação em geral. Para saber como contribuir com a entidade, é possível acessar o sitewww.lardoanciaogb.com.br.

O que é a Parceiros Voluntários

A Parceiros Voluntários é uma ONG implantada no município há quase 20 anos. Mantida pelo Centro da Indústria, Comércio e Serviços (CIC-BG), atua em uma campanha permanente para incentivar o trabalho voluntário e inspirar novas parcerias. Os interessados em participar – sejam pessoas físicas ou jurídicas – podem escolher ações que estiverem relacionadas as suas habilidades e que, ao mesmo tempo, proporcionam bem-estar. No caso das empresas, a Parceiros Voluntários tem um programa que auxilia no planejamento e execução de ações sociais em benefício da comunidade com a participação direta dos seus colaboradores. As ações variam conforme o interesse de cada instituição: voluntariado individual, reforma de espaços, bingo com idosos, piquenique com crianças, captação de materiais para entidades e caminhadas por causas sociais são alguns dos exemplos. Mais informações podem ser obtidas pelo (54) 2105-1999.

Crédito das fotos: divulgação Parceiros Voluntários

Parceiros Voluntários realiza ações de solidariedade com público  jovem

Alunos de várias turmas da Escola Municipal Félix Faccenda vivenciaram uma semana repleta de fantasia – mas também com uma boa dose da melhor realidade que um voluntário pode entregar. Duas ações coordenadas pela Parceiros Voluntários comprovaram que, em época de Páscoa, doces são ótimos acompanhamentos para o renascimento da esperança.

Na quarta-feira, 28, foi a vez da equipe Jane Beauty visitar a escola para cortar o cabelo da meninada. Já na segunda-feira, 26, a equipe da Iva Espaço de Beleza visitou as instalações do projeto Pelotão Curumim e cortou o cabelo dos 30 adolescentes que frequentam a entidade. Nesse mesmo dia, a senhora coelha passou pelo bairro Municipal para deixar mais açucarada a vida da criançada, ao mesmo tempo em que os reais preceitos da Páscoa foram celebrados de forma a contemplar as atividades escolares.

Páscoa

 Tradicional aliada da Parceiros Voluntários, a Jane Beauty atua ao lado da ONG há três anos. Cada mês, um setor do centro estético envolve-se com uma entidade indicada pela Parceiros Voluntários. “Assim, fizemos com que toda a equipe (de 38 pessoas) se envolva para ajudar o próximo”, comenta Janete Grégio, diretora da empresa, que nesta ação cortou o cabelo de cerca de 100 crianças.

 Para explorar a ludicidade da Páscoa, a voluntária Kely Ginar Viana estreou no papel de senhora coelha, atendendo a um chamado da escola. Como atividade de produção textual, os alunos convidaram a coelhinha para o colégio, aprendendo, dessa forma, a como escrever uma cartinha.  Pela primeira vez, Kely vestiu uma fantasia e, além de distribuir doces, contou a história da data. “Estava nervosa, mas abracei a causa da escola, porque a gente recebe muito mais do que dá nessas ações, ainda mais com crianças que têm um coração muito puro”, diz a voluntária. Numa outra atividade, os alunos precisaram pesquisar uma receita de Páscoa e levar para a escola. Após, escolheram uma para preparar no refeitório e se deliciar com o quitute.

Jane

 A supervisora pedagoga da escola, Luciane Comparini, comenta que as atividades da Parceiros Voluntários reforçam os vínculos entre escola e comunidade, além de promover alegria aos estudantes. “É muito importante estar junto deles, conversando, passando um tempo diferente, isso levanta a autoestima das crianças”, opina.

LEIA MAIS: Filmes clássicos de ficção científica é o tema de mostra de cinema em Bento Gonçalves

Foto: Exata Comunicação

Educação Financeira na grade curricular das escolas

EDUCAÇÃO FINACEIRAEm 2017, o Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas foi implantado em cerca de 1.500 escolas no Brasil, considerando que o ambiente escolar é o mais propício para o ensino desta disciplina. Isso sem contar as muitas outras que utilizam os materiais paradidáticos.

“O enfoque é comportamental, vai além da matemática. Com educação financeira, crianças e jovens aprendem a importância de ter sonhos e poupar para conquistar cada um deles ao longo do tempo. São respeitadas as potencialidades e expectativas de aprendizagem de cada faixa etária”, conta o presidente da DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos.

Para dar sustentabilidade aos conteúdos trabalhados em sala, a DSOP desenvolveu materiais próprios para todos os ciclos do ensino. Além de sua abordagem inovadora, o Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas contempla cursos de capacitação para professores, palestras e outras atividades para alunos, pais e comunidade.

Veja alguns fatores que motivam a inserção da educação financeira nas escolas

1- Um dos grandes desafios globais do século é fazer a sociedade atual repensar hábitos de consumo, substituindo-os por outros mais sustentáveis;

2- As profundas mudanças nas economias mundiais têm exigido um reaprendizado de como lidar com as finanças, fenômeno que movimenta governos e instituições a adotarem medidas para habilitar as pessoas a fazerem escolhas conscientes de gastos e investimentos;

3- Há forte evidência de que lares com baixa educação financeira não planejam a aposentaria, pagam juros mais altos e têm menos bens. E já ficou demonstrado que o nível mais baixo de educação financeira levou as pessoas a ficarem mais inadimplentes; 

4- Crianças são muito observadoras e, desde cedo, começam a perceber que o dinheiro tem força. Ao mesmo tempo, crianças e jovens estão expostos às mensagens publicitárias, que estimulam o desejo de ter. Portanto, importante ensiná-las, o mais cedo possível, de forma lúdica e prazerosa, o quanto é importante ter objetivos, fazer escolhas e que nada é mágico, porém, tudo é possível, desde que o dinheiro seja usado com foco e sabedoria. Isso é papel que pode ser compartilhado entre pais e escolas;

5- A educação financeira dialoga diretamente com os conteúdos das disciplinas formais ensinadas nas escolas;

6- Escolas são cada vez mais exigidas a oferecer ensino diferenciado e serviços que beneficiem também os pais.

Sobre a DSOP Educação Financeira

A DSOP Educação Financeira é uma organização dedicada à disseminação da educação financeira no Brasil e no mundo, por meio da aplicação da Metodologia DSOP, criada pelo educador e terapeuta financeiro, Reinaldo Domingos.

Dia após dia, a DSOP se firma como principal promotora de conhecimento sobre o tema no Brasil, destacando-se pelo amplo alcance de seus programas, que beneficiam estudantes, profissionais e famílias, contemplando todo o ciclo de vida.

Atualmente, dispõe de uma rede formada por mais de mil educadores financeiros e mais de 60 franquias de negócios em todo o Brasil e uma nos Estados Unidos (Orlando, Flórida), que compartilham da missão de disseminar a educação financeira, romper com o ciclo de pessoas com desequilíbrio financeiro e construir novas gerações e famílias sustentáveis financeiramente.

Parceiros Voluntários promove ação na escola estadual Anselmo Luigi Piccoli

 

parceiros voluntáriosProfissionais do Centro Estético Jane Beauty e da Barbearia JB, de Bento Gonçalves atenderam gratuitamente 65 crianças da escola estadual Anselmo Luigi Piccoli, dentro do projeto “Voluntário Pessoa Jurídica”. Cadeiras reposicionadas, espelho apoiado no quadro negro, secadores, tesouras, escovas sobre as classes e muita boa vontade transformaram a sala normalmente usada para atividades pedagógicas em um verdadeiro estúdio de beleza. Estudantes do 1º ao 5º ano do ensino fundamental, tomaram o corredor, em fila, à espera de uma mudança no visual. Thainá Marques, de 10 anos, foi uma delas. Do time que prefere cabelos longos, deixou claro que queria apenas aparar as pontas. “Eu tenho dó de cortar, por isso sempre cuido a fase da lua, daí cresce mais. Hoje só quis fazer um retoque”, diz, enquanto mostra os fios, que quase alcançam a cintura.Teve também quem foi acompanhado pelos pais, como o Lucas de Araújo, de 7 anos, do segundo ano. Ele é filho da merendeira Lorena de Araújo, que trabalha na Anselmo e deu uma espiadinha no pequeno antes da primeira tesourada. “Acho ótimo esse tipo de iniciativa. Se desse, eu cortava também”, brinca Lorena.

Aproximando empresas e comunidade 

A coordenadora da Parceiros Voluntários em Bento Gonçalves, Angélica Somenzi, explica que todos os meses uma instituição é visitada e recebe a ação social, com o objetivo de aproximar empresa e comunidade. “O envolvimento direto da equipe é importante porque, além de fortalecer a imagem do empreendimento, permite aos colaboradores terem consciência do seu papel enquanto agentes de mudanças”, diz.

Para ser voluntário

A Parceiros Voluntários acredita que o exercício da cidadania, a partir da prática do voluntariado, é indispensável para a transformação da realidade social. Por isso, a ONG, que é mantida pelo Centro da Indústria, Comércio e Serviços (CIC-BG) atua em uma campanha permanente para incentivar o trabalho voluntário e inspirar novas parcerias. “Quando uma pessoa ou empresa decide abraçar a função voluntária todos acabam ganhando, não só quem é ajudado, mas quem ajuda. Cada um é importante nessa rede do bem, podendo fazer a diferença”, destaca Angélica Somenzi, coordenadora da Parceiros Voluntários de Bento Gonçalves. Interessados em fazer parte da Parceiros Voluntário podem entrar em contato pelo telefone (54) 2105.1999.

 

Educação voltada ao senso crítico, à responsabilidade e ao empoderamento da mulher

editorial_aparecida_cred_marilia_dalenogare_DSC_0401.jpgA pedagoga Silvia Pagot Marodin é a primeira mulher a assumir a Direção do Colégio Marista Aparecida de Bento Gonçalves. Ela é natural de Bento Gonçalves, formada em Pedagogia licenciatura pela Universidade de Caxias do Sul (UCS) e em Orientação Educacional pela Educinter. Possui, entre as suas especializações, MBA em gestão escolar pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS). Silvia já está há 15 anos fazendo parte da família Aparecida. Em 2001 entrou na escola como Orientadora Educacional. Em 2007 assumiu a vice-direção e em 2009 passou ao atual cargo.

Segundo Silvia, o foco do seu trabalho é a gestão do currículo, a forma que o colégio Marista Aparecida deve estar organizado e quais concepções teóricas e sociais precisam ser levadas para dentro de sala de aula. “Como cidadã e como educadora tenho que estar de olho no mundo e busco estar conectada com a linguagem que a garotada fala e com o ambiente que eles se relacionam. Tenho uma filha de 17 anos que está no terceiro ano do ensino médio e ela me ajuda muito nessas atualizações.”

Ela também observou o crescimento anual de estudantes matriculados da instituição. Hoje o Aparecida possui 720 alunos nos turnos de manhã e tarde, contemplando Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio. “Buscamos incentivar o protagonismo juvenil e damos uma forte base teórica. Além disso, propomos atividades que busquem a valoriza- ção do humano em cada ação realizada aqui dentro. Nossa preocupação é que esses jovens saiam da escola com senso crítico e responsabilidade. É muito importante ter o Grêmio Estudantil e a Pastoral Juvenil Marista (PJM) ativos dentro do Marista”.

De acordo com a Diretora, a escola Marista Aparecida acredita que seja importante haver equilíbrio entre os gêneros dentro do ambiente escolar. Silvia observa que é recente a ocupa- ção de mulheres em cargos de gestão e liderança. “Não acho que as mulheres tenham conquistado seu lugar no mercado de trabalho plenamente. É preciso se empoderar de verdade, ter coragem e saber da capacidade imensa que cada uma tem. Se nós somos a maioria da população, por que na política temos poucas representantes? Por que não estamos na maioria dos cargos de liderança se investimos mais na nossa educação e temos melhor formação que os homens? Nosso estilo pode ser diferente do homem. Servimos para qualquer tipo de trabalho, mesmo superando nossos limites.

Ela afirma que através da educa- ção, é possível dialogar e expor essas questões de gêneros para os estudantes, de maneira tranquila e gradativa. “ Mesmo assim, não podemos achar que a missão está cumprida. A nova geração de mulheres precisa estar consciente do cenário para iniciar sua carreira, porque elas têm uma grande luta pela frente. Só haverá igualdade de gênero quando todas mulheres puderem ser felizes com suas escolhas fazendo o entorno melhor”.

Silvia relata que nos últimos seis anos constatou crescente participa- ção do pai com as ações que envolvem a escola. “Em muitas famílias houve a inversão dos papéis, a mulher trabalhar fora o dia inteiro e o pai é que vem levar e buscar os filhos, participa de reuniões e de atividades escolares. Nas reuniões da educação infantil vemos também que quase metade dos pais acompanhando as mães mesmo estando divorciados. Percebe-se que os pais da geração mais nova são os que mais se interessam e preocupam. Essa nova geração de pais está mais atenta a dividir as responsabilidades da família com a companheira. Acho que por outro lado nós precisamos trabalhar mais a questão das mulheres para elas não se sentirem tão culpadas por estar deixando o lar para o mercado de trabalho. Vemos que muitas carregam esse sentimento. As mulheres trabalham por necessidade e porque também querem”.

Em caso de separação do casal muitos filhos permanecem com as mães. “Vemos aqui que numa boa parcela desses casos a mulher se responsabiliza por trabalhar, levar e buscar o filho na escola e cuidar do lar. Muitas vezes esses filhos nem recebem pensão alimentícia. O máximo exigido do homem é que ele cumpra sua obrigação financeira. Mas se judicialmente não está definido, parece que o homem tem uma responsabilidade a menos. Nesse caso eu vejo como o peso é muito maior para as mulheres. É uma questão cultural, as mulheres são as últimas que abandonam, elas cuidam dos filhos, dos pais e dos familiares que adoecem”.

ExpoBento promove projeto “Padrinhos na Escola”

unnamed (1)A feira ExpoBento, realizada em Bento Gonçalves, aderiu ao projeto “Padrinhos na Escola”, iniciativa voluntária que objetiva arrecadar matérias escolares adequados para alunos do 1º ao 5º ano matriculados na rede pública de ensino. A meta é arrecadar 1,5 mil kits – compostos por caderno, lápis, borracha, tesoura, lápis colorido, cola, apontador, entre outros, para alunos de 10 escolas  municipais e estaduais de Bento Gonçalves. Essas escolas também recebem folhas de papel A4 e coloridas, além de cartolina e insumos para utilizar durante o ano letivo.

“Acreditamos que investir em educação é a forma mais eficiente de contribuir para que essas crianças possam ter mais oportunidades no futuro. Além disso, colaborar com as causas que beneficiam a comunidade é uma maneira que a ExpoBento tem de agradecer a acolhida que sempre recebeu das pessoas da cidade.” afirma o diretor-geral da ExpoBento 2017, Roger Bellé.

Como funciona a distribuição

Os alunos das escolas indicadas deverão escrever uma carta, com breve apresentação e os motivos pelos quais gostaria de receber a doação de materiais escolares. As redações serão entregues aos padrinhos, que contribuirão para aquisição dos kits. Esses artigos serão repassados aos alunos antes do início das aulas, conforme calendário municipal e estadual.

Toda a comunidade pode participar – sendo pessoas físicas ou jurídicas convidadas a aderir.

Para colaborar, é possível adquirir os kits pelo valor de R$ 50,00. Informações podem ser obtidas pelo endereço [email protected]

 Confira as instituições beneficiadas pelo projeto “Padrinhos na Escola”

Escola Estadual de Ensino Fundamental Ângelo Salton

Escola Estadual de Ensino Fundamental General Amaro Bittencourt

Escola Estadual de Ensino Fundamental Maria Goretti

Escola Estadual de Ensino Fundamental Nossa Senhora da Salete

Escola Estadual de Ensino Fundamental Pedro Vicente da Rosa

Escola Estadual de Ensino Médio Imaculada Conceição

Escola Municipal de Ensino Fundamental Félix Faccenda

Escola Municipal de Ensino Fundamental Fenavinho

Escola Municipal de Ensino Fundamental Maria Borges Frota

Escola Municipal Toque de Carinho