Posts

Doações da comunidade ao Consepro de Bento Gonçalves crescem mais de 200% em 2017

Em um complexo exercício de solidariedade, as contribuições de pessoas físicas e pessoas jurídicas realizadas no ano passado  ao Consepro (Conselho Municipal de Segurança Pública), registraram um impressionante crescimento de quase 206% em relação a 2016. Os números fazem parte do relatório financeiro de 2017, divulgado pelo órgão nesta semana. Os recursos arrecadados foram destinados a Brigada Militar, a Polícia Civil, Justiça Restaurativa e na execução das ações do Conselho.

Presidente do Consepro em 2018, Laercio Pompermayer

Cada Real adicionando ao montante ajuda a fortalecer os organismos de repreensão ao crime em Bento Gonçalves. Mais do que esperança, empresas e moradores depositaram nos cofres do Consepro R$ 470.021,88 – em 2016, as contribuições foram de R$ 153.605,03. Essa foi a maior fonte de recursos da entidade, respondendo por 44,2% do montante da receita total de R$ 1.062.648,87. “O que temos a dizer à comunidade é muito obrigado. É ela que tem viabilizado boa parte das melhorias que estão sendo implantadas e que ajudam a manter serviços com mais qualidade”, diz o presidente do Consepro, Laércio Pompermayer. Em contrapartida à evolução dos recursos doados por empresas e moradores, o auxílio advindo da prefeitura caiu quase 28%, passando de R$ 417.747,01 em 2016 para R$ 301.000,86 no ano passado.

LEIA TAMBÉM: AEARV doa alimentos à Secretaria de Assistência Social

Do total da receita, o Consepro aplicou R$ 890.470,07 nas forças de segurança da cidade. A Brigada Militar ficou com a maior parte dos recursos, com R$ 566.484,28 – ou seja, 63% do total. Com a verba, entre outras aquisições, o Consepro doou três veículos de grande porte – Kia Sorento –, concluiu o Centro Integrado de Operações – monitoramento por câmeras da cidade – e entregou uniformes e equipamentos de segurança.

A Polícia Civil recebeu R$ 103.224,37, fatiando de forma quase equânime os recursos entre os 1º e 2º Distritos Policiais, a Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento e a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher. No Consepro, foram investidos R$ 146.501,42 e na Justiça Restaurativa, R$ 3.853,00.

SAIBA MAIS: Fisioterapia e videogame são aliados no tratamento de pacientes

Com números positivos e assertividade em suas campanhas, o Consepro segue apostando na conscientização como instrumento eficaz na soma de novos doadores para a segurança pública. Na última quarta-feira, a entidade ofereceu um café da manhã aos colaboradores da agência Centro do Banrisul para explicitar a causa e solicitar apoio na busca por arrecadações do Posto de Identificação. Como a taxa é quitada no banco, a ideia é que a colaboração espontânea seja oferecida aos clientes no momento do pagamento da identidade. No ano passado, quase R$ 78 mil aportaram ao Consepro via Posto de Identificação.

VEJA TAMBÉM: Hospital Tacchini repagina Centro Obstétrico

Bento adere a projeto para utilização de mão-de-obra prisional

A Prefeitura de Bento Gonçalves assinou com a Secretaria de Segurança Pública do Estado, nesta quinta-feira, 08, convênio para utilização de mão-de-obra prisional. O Município é o primeiro a firmar o acordo dentro do Sistema de Segurança Integrada com os Municípios (SIM). O programa foi criado a partir da necessidade de unir esforços entre instituições federais, estaduais e municipais e a sociedade civil organizada para o enfrentamento da violência e da criminalidade no Rio Grande do Sul. Bento aderiu ao Sistema em dezembro de 2017. Estiveram presentes na assinatura o prefeito Guilherme Pasin, o procurador Sidgrei Spassini, o secretário de Segurança Pública, tenente-coronel José Paulo Marinho e o presidente do CONSEPRO, Laercio Pompermayer.

Com o acordo, a SUSEPE irá designar 20 apenados do regime semiaberto do Presidio Estadual de Bento Gonçalves, para trabalharem em serviços de limpeza, roçada, pintura de meio-fio, entre outros. A carga horária será de 44 horas semanais, de segunda a sexta-feira. Os apenados irão receber 75% do salário mínimo nacional, conforme o artigo 29 da Lei de Execução Penal (LEP).

IMG_20180308_WA0077_2

 “A cedência de mão-de-obra prisional é uma das principais vertentes do SIM, pois dá a oportunidade de trabalho ao apenado. A ressocialização diminui a reincidência no crime, pois trabalha a autoestima do apenado”, destaca o secretário Cezar Schirmer.

LEIA TAMBÉM: Prefeitura cria projeto “Prato do Bem”

 Para o prefeito Guilherme Pasin a sociedade é beneficiada com o trabalho. “São serviços que vão auxiliar no embelezamento da cidade. O que estamos vendo é o retorno de todo investimento que a sociedade faz aos presos, retorno em forma de trabalho”, disse.

 O convênio tem duração de 60 meses, podendo ser renovado. Também participaram do ato a presidente do Conselho Comunitário, Regina Zanetti, o diretor do Presídio de Bento Gonçalves, Volnei Zago, e o assessor do secretário de Segurança do Estado, tenente-coronel Alexandre Augusto Aragon.

Foto: Emanuele Nicola