Posts

O livro do capitel

Obra reúne histórias de 113 capitéis nas cidades de Bento Gonçalves, Monte Belo do Sul, Pinto Bandeira e Santa Tereza

As histórias sobre cada um dos capitéis encontrados no território da antiga Colônia Dona Isabel estão reunidas em uma obra literária lançada neste mês de dezembro. Durante dois anos, o jornalista Fabiano Mazzotti percorreu milhares de quilômetros para fotografar e conhecer as motivações de cada uma das pequenas capelas existentes à beira de estradas em Bento Gonçalves, Monte Belo do Sul, Pinto Bandeira e Santa Tereza.

Fabiano - Livro Capiteis (3)

Fabiano Mazzotti, Leonides Ferrari, Loiva Carraro, Sueli Ferrari , Carmelina Ferrari e Nelcy Ballista são os autores do livro

O trabalho conta com o suporte de uma pesquisa organizada pelas professoras Carmelina Ferrari, Leonides Ferrari, Loiva Carraro, Nelcy Ballista e Sueli Ferrari. Em 1981, como alunas de pós-graduação em folclore da Faculdade Palestrina, de Porto Alegre, elas juntaram informações entrevistando pessoas que já não estão mais vivas. Com esse material, Mazzotti aprofundou a pesquisa com novas conversas junto a familiares dos envolvidos na construção de cada capitel ainda existente, dividindo a autoria com as mulheres que possuem de 72 a 92 anos de idade.

As páginas do livro apresentarão histórias de 113 oratórios. As motivações da existência de cada capitel saem do anonimato para ganharem visibilidade em um projeto de elevado significado comunitário e histórico. Edificações que são reflexo de uma herança trazida da Itália pelos imigrantes, os capitéis são mais do que construções de madeira, pedra ou tijolos, são símbolos que representam o elo entre o homem e suas crenças.

Fabiano - Livro Capiteis (2)Fabiano - Livro Capiteis (1)

Além do livro impresso, o projeto também apresenta uma versão sonora. Um CD com a gravação de todas as histórias surge como o primeiro trabalho desse tipo para as quatro cidades envolvidas. O ineditismo alia-se à nobre sensibilidade em oferecer acesso de conteúdo a pessoas portadoras de deficiência visual.

Aprovado pelo Ministério da Cultura, o trabalho tem patrocínio das empresas Ceran, Meber Metais, Roseflor Alimentos, Vinícola Aurora e Adubare Compostos Orgânicos.