Posts

Tecnologias desenvolvidas no IFRS serão modelo nacional

Centro Tecnológico de Acessibilidade do Instituto Federal do Rio Grande do Sul é escolhido pelo MEC como referência para a Rede Federal. 

Tecnologias desenvolvidas no Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS) para auxiliar as pessoas com necessidades específicas a terem mais autonomia em sua vida escolar ou nas atividades do dia a dia serão agora disseminadas para todas as instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (EPCT). O Centro Tecnológico de Acessibilidade (CTA) do IFRS foi escolhido pelo Ministério da Educação (MEC) para ser Referência em Tecnologia Assistiva.

Para tratar sobre os detalhes da implantação do Centro de Referência, o assessor especial para Inclusão Social Produtiva e Diversidade na Educação Profissional e Tecnológica do MEC, Franclin Costa do Nascimento, visitou o CTA e a Reitoria do IFRS, em Bento Gonçalves, nesta quinta e sexta-feira, dias 7 e 8 de junho de 2018. Atualmente, o projeto está na fase de mapeamento das demandas que as instituições da Rede possuem relacionadas ao uso e ao desenvolvimento de Tecnologia Assistiva (TA) para melhor atender seus estudantes e servidores.

“Viemos conversar sobre como toda a Rede Federal poderá usufruir do conhecimento e dos recursos de tecnologia assistiva desenvolvidos no IFRS, uma referência na área. Nossa expectativa é que, a partir da disseminação do que é feito aqui, as instituições vejam que é possível trabalhar com as pessoas com necessidades específicas desde que seja oferecida uma tecnologia adequada”, frisou Nascimento.

CTA_Reitor_MEC2_fotoFernandoMenegatti

Os outros 37 institutos federais e os dois colégios federais da Rede receberam um formulário no qual podem informar demandas por recursos, dispositivos ou materiais adaptados, práticas, serviços, dicas e informações relacionadas a TAs ou a materiais didático-pedagógicos que sejam adaptados a diferentes necessidades de seus estudantes e servidores. A partir do levantamento, o CTA trabalhará na produção dos materiais e na promoção de atividades de capacitação. O Centro receberá recursos financeiros do MEC e os materiais produzidos não terão custo para as instituições.

O projeto é coordenado pela assessora de Ações Inclusivas do IFRS, Andréa Poletto Sonza, que explica: “A partir do mapeamento, iniciaremos a aquisição de matéria-prima e equipamentos necessários para a produção das tecnologias assistivas; a produção de TAs e/ou materiais didático-pedagógicos adaptados; a produção de vídeos, tutoriais, publicações e demais materiais informativos com o passo a passo para a produção de TA ou materiais adaptados; a publicização do que for produzido por meio de um portal que será o repositório dos itens produzidos; e o envio aos demandantes”.

Para isso, haverá um reforço na equipe do Centro, com a contratação de profissionais e estudantes para atuarem como bolsistas do projeto. Atualmente, o Centro conta com cinco servidores efetivos e parceria de pesquisadores de diferentes campi da instituição.

 

O que são recursos de Tecnologia Assistiva

De acordo com a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Lei 13.146/15), Tecnologia Assistiva ou ajuda técnica refere-se a produtos, equipamentos, dispositivos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivem promover a funcionalidade, relacionada à atividade e à participação da pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida, visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social.

Um recurso de Tecnologia Assistiva pode ser algo muito simples como uma bengala até um complexo sistema computadorizado. De modo geral, há recursos que são utilizados como auxílios para a vida diária, recursos para a comunicação, para a mobilidade, para controle do ambiente, para uso do computador, para adequação postural, para esporte e lazer, adaptações e projetos arquitetônicos para acessibilidade, adaptações em veículos, órteses e próteses, entre outros.

Na área da educação, alguns recursos de TA bastante utilizados são os de acesso ao computador, auxílios para leitura e escrita, materiais pedagógicos adaptados, auxílios para mobilidade e adaptações para acessibilidade.

Sobre o CTA do IFRS

O Centro Tecnológico de Acessibilidade (CTA) do IFRS desenvolve metodologias para a implementação de soluções acessíveis para pessoas com deficiência; trabalha na produção de Tecnologia Assistiva de baixo custo; cria sites, portais e sistemas web acessíveis; realiza avaliação de acessibilidade virtual; constrói materiais didático-pedagógicos acessíveis/adaptados; promove cursos, capacitações, palestras e oficinas. O trabalho é voltado para a comunidade acadêmica do Instituto, mas o Centro adquiriu um reconhecimento externo e seguidamente instituições dos mais variados estados visitam o CTA ou convidam a equipe para apresentar o trabalho desenvolvido.

Saiba mais sobre o Centro no site http://cta.ifrs.edu.br/

 

Sobre o IFRS

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) é uma instituição federal de ensino público e gratuito. Conta com cerca de 20 mil alunos e mais de 200 opções de Cursos Técnicos e Superiores de diferentes modalidades em vários municípios do Estado. Oferece também Cursos de Pós-graduação e dos Programas do governo federal.

O IFRS atua com uma estrutura multicampi. Possui os campi de Alvorada, Bento Gonçalves, Canoas, Caxias do Sul, Erechim, Farroupilha, Feliz, Ibirubá, Osório, Porto Alegre, Restinga (Porto Alegre), Rio Grande, Rolante, Sertão, Vacaria, Veranópolis e Viamão. Entre seus objetivos está promover a educação profissional e tecnológica de excelência e impulsionar o desenvolvimento sustentável das regiões.

Foi criado em 29 de dezembro de 2008, pela lei 11.892, e pertence à Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. A Reitoria está localizada em Bento Gonçalves. Saiba mais no endereço eletrônico www.ifrs.edu.br.

Primeira edição da Campanha Prato Cheio é realiza em 2018

Iniciativa do Sistema Fecomércio-RS/Sesc/Senac estimula doação de alimentos não perecíveis em todo o RS

 Começou a primeira edição de 2018 da Campanha Prato Cheio. Até o dia 30 de abril,, é possível realizar doações de alimentos não perecíveis nas Unidades do Sesc e em instituições apoiadoras como Senac, Sindicatos filiados ao Sistema Fecomércio/RS e empresas parceiras em todo o Rio Grande do Sul. O objetivo da iniciativa é arrecadar mantimentos para o Programa Mesa Brasil Sesc, que destina as doações a entidades sociais cadastradas.

LEIA TAMBÉM: Projeto Transformando Vidas dá início às atividades da 5ª edição

Colaborar com a campanha é uma oportunidade para a comunidade participar de forma ativa na Rede de Solidariedade formada por entidades sociais e doadores. Podem ser doados alimentos não perecíveis, dentro do prazo de validade e com embalagens íntegras. As doações entregues serão repassadas às entidades sociais, seguindo orientações de nutricionistas do Programa Mesa Brasil.

Sobre o Mesa Brasil – O Mesa Brasil Sesc é uma rede permanente de solidariedade, que atua desde novembro de 2003 no Rio Grande do Sul com o objetivo de evitar o desperdício de alimentos e diminuir as carências nutricionais da população. Para alcançar essas metas, conta com o apoio de empresas, entidades sociais e voluntários. No Rio Grande do Sul, o Mesa Brasil Sesc é realizado pelo Sistema Fecomércio-RS nas cidades de Porto Alegre e Região Metropolitana, Cachoeira do Sul, Ijuí, Erechim, Santa Maria, Rio Grande e Vales do Taquari e Rio Pardo (Lajeado, Estrela, Santa Cruz do Sul e Venâncio Aires), sempre em parceria com as prefeituras municipais. Outras informações podem ser obtidas no site www.sesc-rs.com.br/mesabrasil.