Segunda dose da AstraZeneca e Pfizer antecipadas em duas semanas

A Secretaria Estadual da Saúde e os secretários municipais da Saúde, em reunião na tarde da segunda-feira (12), decidiram reduzir o intervalo entre a primeira e a segunda dose das vacinas AstraZeneca e Pfizer, de 12 semanas para 10 semanas.

A medida vale para todas pessoas que já receberam os imunizantes e para os futuros vacinados. Não haverá alteração para a CoronaVac, que permanece com 28 dias entre as aplicações.

A definição foi tomada devido à suspeita de dois casos da variante Delta (com origem na Índia) em investigação no Estado.

A mudança vale a partir desta terça-feira (13), segundo o presidente do Conselho dos Secretários Municipais da Saúde (Cosems-RS), Maicon Lemos. A SES organiza-se para enviar mais doses destes imunizantes a partir de quarta-feira (14) aos municípios, mas aqueles que tiverem em estoque já podem aplicar a partir desta terça.

Segundo Lemos, a decisão do RS “segue orientações de vários pareceres científicos” e o “consenso de preservar vidas”. Ele afirma que a informação foi submetida ao Ministério da Saúde, que “deve se manifestar em breve.”

A decisão vinha sendo estudada desde a semana passada pelo Palácio Piratini. Outros estados, como Acre, Pernambuco, Ceará, Espírito Santo, Piauí, Sergipe e Alagoas, optaram, nos últimos dias, por diminuir o tempo necessário para que a população tome a segunda dose.

0 respostas

Deixe uma resposta

Escreva um comentário
Sinta-se livre para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *