Após mais de cinco anos de espera, obras do Casarão de Tuiuty saem do papel

Após mais de cinco anos de expectativa e promessas, o restauro do Centro Cultural Tuiuty finalmente saiu do papel. Numa época em que a campanha política está à flor da pele, a casa centenária que sediava a subprefeitura de Tuiuty, distrito de Bento Gonçalves começa a ganhar nova vida. A história do restauro começou em 2015, na primeira gestão do atual prefeito Guilherme Pasin, com o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Bento Gonçalves (IPURB) elaborando um projeto de restauro para o casarão, orçado em R$ 580.696,57 e com a promessa para ser executado em quatro meses. O projeto passou em duas etapas pelo Conselho Municipal do Patrimônio Histórico Cultural (COMPAHC). A primeira etapa, aprovada em fevereiro de 2015, visava a conservação, restauração e reforma da edificação, sob a responsabilidade do arquiteto Dangle Júlio Marini. Já a segunda, aprovada em setembro de 2015, previa reparos no interior da edificação, incluindo um novo layout. No mesmo período, Eliana Romagna assumiu como arquiteta responsável pela obra. Ainda em 2015, teria surgido uma tratativa entre o município e empresas do distrito para destinação de impostos à restauração, que acabou não vingando. A novela continuou e em setembro do ano passado havia a expectativa de que em dezembro começariam as obras. O tempo passou e o cenário não mudou. Em 2017, o Integração da Serra havia abordado a situação do casarão, mostrando a necessidade de um restauro imediato.

Localizado na Estrada Uva e do Vinho, o Centro Cultural Tuiuty terá edificação com área total de 454, 49 m² e irá contar com sala multiuso, quatro salas de oficinas, sala de leitura e acervo, sala de treinamento, dois depósitos, recepção, sala de administração e acessibilidade (inclusão de elevador no prédio).

A história do casarão

A residência já foi frigorífico, açougue, casa comercial e ferraria, antes de se tornar patrimônio público e sede administrativa do distrito, por meio de uma permuta entrePompermayer e a prefeitura, em1979, na administração de Fortunato Janir Rizzardo (PDT).

Como subprefeitura, abrigou correio, central telefônica e posto de saúde. Também foi residência do subprefeito de Tuiuty, em 1994. O administrativo da subprefeitura de Tuiuty trocou de endereço na gestão de Alcindo Gabrielli (PMDB), exercida de 2005 a 2008, mediante a precariedade do casarão.

O prédio, de três pavimentos, totalizando 454,49 metros quadrados de área construída com pedra, tijolo e madeira, foi inventariado como patrimônio histórico da imigração italiana em 1994, em levantamento do patrimônio cultural do Rio Grande do Sul, realizado em conjunto entre o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (IPHAE) e o Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

Foto: Evandro Soares/ Secult 

0 respostas

Deixe uma resposta

Escreva um comentário
Sinta-se livre para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *