Psicóloga-Letícia

Ser em tempos de transitoriedade

Letícia Simioni Schossler

Psicóloga – CRP 07/23986

Especialista em Psicologia Clínica – Ênfase em Psicanálise

Especialização em Constelações Familiares – Hellinger Schule (em andamento)

Contato: (54) 99121.3633

@psicologaleticiass

 

“Meu jardim tem-me ensinado constantemente uma lição: os restos escuros e putrefatos da planta deste ano serão o adubo do qual poderão ser encontrados os brotos do ano seguinte”.

Carl Rogers

 

Acompanhar a constância e a rapidez das mudanças em diversos cenários da vida cotidiana, para além do que alguns nomes já teorizavam, como Zygmunt Bauman sobre o conceito líquido na sociedade, nas relações, no amor, não é tarefa fácil. O que era há poucos minutos, talvez já deixe de ser, e assim, pouco a pouco, a transitoriedade ganha espaço. Cada vez mais creio que se há vida, há mudança e transformação. A estagnação pertence ao mundo dos mortos, seja de mente e/ou de corpo.

 

Mudanças envolvem, em maior ou menor grau, algum tipo de resistência; para nos defendermos perante o novo, nossa tendência é manter à todo custo os velhos pensamentos, crenças, hábitos, tradições e até mesmo alguns destinos familiares. E como é difícil mudar… mudar de rota quando o que nos foi ensinado, somado aquilo que nos foi possível e que nós próprios nos possibilitamos ou não conhecer até o momento, parecia tão mais confortável, sob controle, seguro e estável… e talvez fosse mesmo… mas esses não são adjetivos que combinam com crescimento e evolução.

 

Brinco, às vezes, com alguns pacientes que se está, não se é… às vezes você está mais nervoso, mas isso não faz de você alguém que necessariamente é nervoso. Como humana e apaixonada pelas mudanças possíveis em cada um de nós, pertencentes a essa espécie humana, acredito que a mudança, a integração do novo e um olhar para o horizonte é para todos aqueles que, em essência, desejam! O desejo é o primeiro passo para a mudança… se lhe damos atenção, ele baila através dos pensamentos e reforça que “O pensamento é o ensaio da ação” (Freud). Até podemos desejar, em partes, pelos outros, mas não podemos agir, portanto, só você pode agir rumo à metamorfose que deseja ser!

 

E hoje o que desejo é: “…eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo, sobre o que é o amor, sobre que eu nem sei quem sou…”.

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Escreva um comentário
Sinta-se livre para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *