“O eSocial existe em todo o mundo, não com esse nome, mas com a mesma função”, diz especialista

Segundo a Receita Federal, 13 mil grandes empresas e 11,5 milhões de trabalhadores já completaram a migração para a plataforma do eSocial. Neste mês, 1,24 milhão de médias empresas e 21 milhões de trabalhadores desse nicho também passaram a fazer parte do sistema informatizado de prestação de informações. Pensando em esclarecer as dúvidas, a Associação de Pequenas e Médias Empresas (Apeme), realizou palestra sobre estratégias para atendimento do eSocial, com Roque Puiatti. O encontro ocorreu na manhã de quinta-feira, 14, no auditório da associação.

O objetivo foi informar e orientar gestores sobre os trâmites do eSocial de Segurança e Saúde no Trabalho (SST). A explanação foi proferida pelo engenheiro de Segurança do Trabalho, mestre em Segurança de Processos e Prevenção de Perdas, e auditor do Ministério do Trabalho por mais de 30 anos, Roque Puiatti. O profissional apresentou exemplos de incorreções no preenchimento e seus impactos e promoveu o debate sobre estratégias para implementação e atendimento do eSocial SST nas micro e pequenas empresas.

Palestra sobre Esocial com Roque Puiatti - Priscila Boeira (4) copiar

De acordo com Puiatti, o ponto de partida é entender que a legislação trabalhista e previdenciária não mudou. O que ocorreu foi a padronização da forma de envio dos eventos trabalhistas e previdenciários. As empresas precisam se organizar articuladamente para que as informações da empresa correlacionem com o escritório contábil e o jurídico. “O eSocial não é algo novo. Existe em todo o mundo, não com esse nome, mas com a mesma função, que é cruzar as informações a ponto de otimizar a máquina pública”, disse o especialista.

O e-social exige o preenchimento de 2.757 campos e cria 1.200 interações – 33% explícitas e 67% automáticas, devido ao cruzamento de dados. “O que vai acontecer é a pessoa declarar que ganha R$ 3 mil ao mês, porém o cartão de crédito apontará um valor de gastos bem maior. Vai fechar o ciclo. A Receita Federal vai querer saber de onde vem esse dinheiro não especificado”, observou Puiatti.

Interessados em mais informações de como se adequar ao eSocial podem entrar em contato com a Unimed – parceira na realização da palestra, pelo e-mail: [email protected] ou (54) 3220-2061.

Fotos: Priscila Boeira

0 respostas

Deixe uma resposta

Escreva um comentário
Sinta-se livre para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *