ELEIÇÕES 2018: Disputa acirrada para representar Bento

Município tem doze candidatos aos cargos de deputado estadual e federal

Hora de escolher os representantes políticos. Voto vai delegar poder para legisladores e mandatários nos próximos quatro anos. Em Bento Gonçalves, cerca de 90 mil eleitores estão aptos a votar em 258 secções.

Por Giovani Nunes
Edição: Kátia Bortolini

Oito candidatos a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul e quatro à Câmara Federal, todos residentes em Bento Gonçalves, disponibilizaram seus nomes à eleição do próximo dia 7 de outubro.

A disputa promete ser acirrada e, como as chances de pulverização dos votos são grandes, os candidatos terão muito trabalho nesses últimos dias de campanha para convencer os quase 90 mil eleitores da cidade a votar em seus nomes. Nessa campanha, a grande aposta dos postulantes aos cargos, tanto na Câmara Federal como na Assembleia Legislativa, é no próprio perfil e nas suas propostas.

Órfã de representatividade

Para Bento Gonçalves, órfã de representatividade nos parlamentos gaúcho e federal nas últimas três décadas, a escolha de pelo menos um nome para essas esferas pode marcar um período de mudanças.

Atualmente, por não ter representantes, o município e suas lideranças são obrigados a recorrer a Deputados que têm compromissos com outras regiões. Como as demandas do município são muitas, a atuação de um parlamentar diretamente envolvido com a comunidade local pode modificar consideravelmente o quadro, trazendo recursos e elaborando projetos que atendam às necessidades de Bento Gonçalves.

Últimos representantes

O município de Bento Gonçalves, na época do Brasil bipartidário das décadas de 70 e 80, polarizado entre Arena e MDB, teve representação política, tanto na Câmara Federal, em Brasília, como na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre. Políticos de renome como Darcy Pozza – Arena (in memoriam) e Paulo Mincarone – MDB (in memoriam), como Deputados Federais, deixaram legados de obras e histórias ao município. Na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul o município era representado por Lóris Reali – Arena (in memoriam) e Antenor Ferrari – MDB, ambos com destacada atuação política no cenário estadual. Atualmente, Ferrari preside o diretório do MDB de Porto Alegre.

Quase 90 mil eleitores irão às urnas na cidade

No próximo dia 7 de outubro, 89.380 eleitores de Bento Gonçalves estão convocados às urnas para iniciar o processo de escolha dos próximos Presidente e Governador do Estado. Também devem votar para representantes na Assembleia Legislativa do Estado, na Câmara Federal e no Senado, que aprovarão ou não os projetos dos executivos estadual e federal.

Segundo dados do Tribunal Regional Eleitoral, em Bento Gonçalves 46.392 mulheres e 42.988 homens estão aptos para votar em 57 endereços, que vão concentrar 258 secções eleitorais.

capa 1

Cola com números dos candidatos

O chefe do Cartório Eleitoral de Bento Gonçalves, Ricardo de Abreu, recomenda que os cidadãos levem junto consigo a cola com todos os números dos seus candidatos. “São muitos números para serem lembrados na hora de votar e, além disso, a consulta ao material impresso que está afixado nos locais de votação pode ser muito demorada. Então é recomendável a cola para que se economize tempo também”, avisa.

“O cadastramento biométrico não teve obrigatoriedade em Bento Gonçalves. Então quem não o fez também está apto a votar”, ressalta Abreu. Ele acrescenta ainda que as dúvidas sobre o próximo pleito podem ser esclarecidas através de ligação telefônica para o número 148.

Publicidade para o pleito está diferente

A campanha para as eleições 2018 chama a atenção por trazer diferentes características na forma dos candidatos e partidos trabalharem a publicidade. A campanha eleitoral está mais limpa e os reflexos disso podem ser vistos nas ruas. As então tradicionais enxurradas de santinhos, pelo menos até agora estão sob controle. As esquinas, que eram tomadas por bandeiras, também estão praticamente limpas e os transeuntes podem circular com relativa tranquilidade.

Com diversas mudanças nas regras para a campanha eleitoral, candidatos, partidos e coligações adotaram posturas diferentes. Muitos candidatos estão ressaltando seus perfis. O eleitor mais atento vai notar que, na maior parte do material de campanha dos concorrentes ao pleito, a identificação de partidos e coligações é praticamente imperceptível. Em um período marcado por grandes escândalos no cenário político, os postulantes aos cargos eletivos estão tentando manter suas imagens afastadas de siglas e coligações tradicionais.

capa 2

CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA

Alvaro Dias – Podemos
Cabo Daciolo – Patriota
Ciro Gomes – PDT
Fernando Haddad – PT
Geraldo Alckmin – PSDB
Guilherme Boulos – PSOL
Henrique Meirelles – MDB
Jair Bolsonaro – PSL
João Amoêdo – Novo
João Goulart Filho – PPL
José Maria Eymael – Democracia Cristã
Marina Silva – Rede
Vera Lúcia – PSTU

CANDIDATOS AO GOVERNO DO ESTADO

l Eduardo Leite – PSDB
l Jairo Jorge – PDT
l José Ivo Sartori – MDB
l Julio Flores – PSTU
l Mateus Bandeira – Novo
l Miguel Rossetto – PT
l Paulo de Oliveira Medeiros – PCO
l Roberto Robaina – PSOL

CANDIDATOS AO SENADO FEDERAL PELO RIO GRANDE DO SUL

Abgail Pereira – PCdoB
l Ana Varela – Podemos
l Beto Albuquerque – PSB
l Carmem Flores – PSL
l João Augusto Gomes – PSTU
l José Fogaça – MDB
l Luis Carlos Heinze – PP
l Luis Carlos Machado –
Democracia Cristã
l Luiz Delvair – PCO
l Mário Bernd – PPS
l Marli Schaule – PSTU
l Paulo Paim – PT
l Romer Guex – PSOL
l Sandra Weber – Solidariedade
l Cleber Soares – PCB

CANDIDATOS À ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Adriano Nunes
Alcindo Gabrielli
Ângela Refatti
Dentinho
Eduardo Viríssimo
Evando Speranza
Moisés Scussel
Pastor Edilson Marques

CANDIDATOS À CÂMARA FEDERAL

Fred Cosentivo
Marlen Pelicioli
Paulo Caleffi
Raquel Vieira

0 respostas

Deixe uma resposta

Escreva um comentário
Sinta-se livre para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *