SEC-BG sediou reunião para definir formas de contornar o buraco financeiro aberto pela nova lei

Encontro do Secretariado Nacional dos Comerciários reuniu dirigentes sindicais de vários estados do Brasil

No último dia 21 de junho, o Sindicato dos Comerciários de Bento Gonçalves (SEC-BG) sediou a Reunião do Secretariado Nacional dos Comerciários da União Geral dos Trabalhadores. O encontro reuniu dirigentes sindicais do setor comerciário de vários estados do Brasil.

A principal pauta do evento foi sobre as formas de organização dos sindicatos para superar as dificuldades impostas pela nova lei. O presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Belo Horizonte, José Cloves Rodrigues, na ocasião afirmou que a alteração fere a Constituição. “Não teria validade do ponto de vista jurídico”, constata. Rodrigues salientou que o sindicato mineiro neste ano arrecadou apenas 5% do valor em comparação de 2017. “A maioria das empresas não recolheu a contribuição. Nós encaminhamos solicitações para a cobrança, mas muitas não o fizeram”, afirmou. Ele também relatou que o Sindicato dos Comerciários de Belo Horizonte reduziu o número de funcionários de 300 para 150 para continuar oferecendo aos associados assistência médica, odontológica e jurídica, entre outros serviços.

SEC-BG - ugt reuniao - foto julia freitas

Mobilização dos Sindicatos continua

O diretor financeiro do Sindicato das Empresas de Transportes de Valores do Rio Grande do Sul (Sindvalores/ RS) e presidente da filial gaúcha da UGT, Norton Rodrigues, afirmou que, após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), o movimento sindical deve buscar solução através de novo Projeto de Lei. “Vamos nos mobilizar para que consigamos no Congresso Nacional aprovar uma nova forma de custeio que não seja prejudicial ao trabalhador e que não inviabilize o movimento sindical de lutar pelos direitos dos trabalhadores”, diz, ao ressaltar os custos do sindicato, que tem sede em Porto Alegre, atender todo o Rio Grande do Sul. Para Norton, os trabalhadores têm de adquirir consciência e entender que deve arcar com os custos do sindicato para que possa ser atendido da melhor maneira e ter seus direitos defendidos.

0 respostas

Deixe uma resposta

Escreva um comentário
Sinta-se livre para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *