Posts

Cinco dicas sobre banhos em cães nos dias mais frios

A queda da temperatura entre o outono e o inverno exige cuidados redobrados para garantir a saúde dos pets

Durante as estações mais frias do ano, é necessário observar alguns cuidados especiais na higienização dos cães. Assim como nós, eles também sentem frio e podem ter a imunidade bastante reduzida nessa época. Para evitar problemas e garantir a saúde e a higiene dos pets, o médico veterinário Ricardo Cabral, da Virbac, dá cinco dicas sobre os principais cuidados que devem ser observados na hora de dar um banho no seu bichinho de estimação.

dog-2514968_1920

1. Prepare o ambiente – O mais indicado é dar o banho nos cães dentro de casa ou em outros ambientes fechados. Se possível, ligue um aquecedor para deixar o local mais quentinho e evitar que ele sinta frio. Se estiver no banheiro, uma opção para aquecer o ambiente é deixar o chuveiro aberto com água quente por alguns instantes, antes do banho. Garanta que não há correntes de vento passando pelo local e seque muito bem os pelos do animal.

2. Temperatura da água – A água deve estar morna. Para verificar a temperatura, coloque o antebraço na banheira e verifique se está agradável. Jamais use água muito quente, pois pode queimar a pele do bichinho, nem muito fria, para não provocar hipotermia. Use o shampoo de sua preferência, indicado para limpeza e hidratação da pele do animal.

3. Proteja bem as orelhas – Uma das principais recomendações ao dar banho no seu pet se refere ao cuidado que deve ser tomado para que não entre água nas orelhas. Se entrar água, o bichinho poderá ter sérios problemas, como a otite. Para evitar esse tipo de problema, proteja as orelhas e evite jogar água na cabeça do animal. Existem algodões hidrofóbicos, que têm maior capacidade de evitar a entrada de água.

4. Cuidados na secagem Para secar, utilize uma toalha para remover o excesso de água. Se puder, use um secador para garantir uma secagem completa e, com isso, evitar que o animal fique com o corpo frio. Preste atenção a determinadas partes do corpo, como cabeça, peito e pescoço, que são mais sensíveis e podem fazer com que o animal fique doente se ficarem molhadas no frio.

5. Frequência nos banhos Assim como a falta de banho pode prejudicar a saúde dos cães, o excesso também faz mal. Nos dias mais frios, o mais indicado para animais com pelos curtos é um banho a cada 30 dias. Já para os que possuem pelos longos, esse intervalo cai para 15 dias. Dê preferência aos horários mais quentes do dia.

Produtos

Para quem optar pelo banho em casa, ou ainda quiser levar o shampoo de sua preferência para a petshop, a Virbac oferece produtos que vão garantir a higiene do bichinho. Entre eles estão o shampoo Allermyl Glyco e a linha Episoothe (shampoo e condicionador). O Allermyl Glyco contém ácidos graxos que promovem a hidratação profunda e ingredientes que garantem a integridade e o equilíbrio natural da pele. É indicado especialmente para cães alérgicos ou que têm a pele mais sensível.

Já o shampoo Episoothe contém em sua fórmula aveia e glicerina, proporcionando a nutrição intensiva da pele, além de formar uma película protetora que garante o equilíbrio cutâneo. Para uma hidratação mais completa e imediata, pode-se combinar com o uso do condicionador. Juntos, os dois produtos dão mais brilho à pelagem e suavidade à pele.

 

18 cuidados para os cães no verão

O zootecnista e especialista em comportamento animal, Renato Zanetti indica alguns cuidados para aproveitar o verão na companhia do pet

Começou o verão e este é o momento ideal para praticar atividades ao ar livre com o animal de estimação. Passeios no parque, na rua, na praia é sempre uma boa pedida para garantir o bem estar dos pets.

Pensando nisso, o zootecnista e especialista em comportamento animal, Renato Zanetti, listou 18 cuidados para aproveitar a estação de maneira segura com o seu cão. Confira:

SOL

1. Não passeie em horários de sol forte (entre 10h e 16h) quando, tanto o ambiente quanto o chão, estão muito quentes. Nestes horários, o cão pode queimar as patas (coxim) ao andar no asfalto ou calçada, mesmo para curtos passeios. Cuidado também com o sol: o raio do sol que incide sobre o cão é tão prejudicial quanto ao raio de sol que reflete no chão e incide no cão. 

2. Cães com focinho curto sofrem ainda mais com os dias quentes, pois a troca de ar para regular a temperatura é prejudicada pela sua anatomia. Passeie apenas nos horários mais frescos.

3. Garanta água fresca em abundância, tanto durante os passeios, quanto em casa.

imagem_release_1165128

ÁGUA

4. Cuidado com as primeiras vezes do cão em contato com o mar, pois ele pode se sentir desconfortável com a novidade (barulho, movimentação das ondas, espuma da água, muitas pessoas por perto, etc.).

5. Não force o cão a nadar por longas distâncias se ele não estiver acostumado. Atividade física num novo ambiente precisa ser prazerosa e, não, um suplício.

6. Na piscina, garanta que o ele consiga sair da água para evitar problemas caso entre sem supervisão humana. Certifique-se se há escada ou rampa de fácil e livre acesso.

7. O acúmulo de sal do mar ou cloro da piscina pode ser irritante à pele do seu cão. Assim, o excesso deve ser removido com água doce.

8. Seque o cão após atividades aquáticas para evitar fungos e outras dermatites.

TERRA

9. Escove diariamente o pelo do seu cão quando ele tiver contato com areia e terra. O acúmulo na pele do cão de areia da praia ou terra do campo pode ser irritante e seu excesso pode ser removido.

PELOS & PELE

10. Atividades ao ar livre expõem o cão ao vento, água do mar, piscina, areia, grama, etc. Desta forma, é importante ter atenção especial para minimizar os efeitos do acúmulo de sujeira. Assim, dê banhos regulares e realize escovação diária.

11. Pelos longos merecem cuidados maiores, pois o risco de embaraçar é maior, comparando com os pelos curtos. Mas ambos os casos merecem atenção redobrada após atividades ao ar livre.

12. Proteja com bloqueador solar áreas claras ou sem pigmentação. O risco de câncer de pele é real.

DOENÇAS TÍPICAS

13. Atenção especial à prevenção contra pulgas e carrapatos, pois áreas ao ar livre podem receber outros cães e outras espécies (como cavalos ou animais nativos, por exemplo) aumentando-se o risco de infestação.

14. Observe casos de diarreia e vômitos (provenientes de viroses, ou por ingestão de água do mar ou da piscina, com cloro). Ambos os casos devem ser tratados pelo médico veterinário.

CARRO

15. Em qualquer estação, mas pior ainda no verão, NÃO deixe seu cão dentro do carro com os vidros fechados e sem ventilação. Aquela rápida ‘corridinha’ até o mercado pode ser fatal. O cão produz calor, o ambiente externo produz calor, não há troca de ar que está dentro do carro e a consequência, caso a situação fique crítica dentro do carro, é fatal.

16. Em viagens longas, vale realizar paradas periódicas para seu amigo esticar as pernas, hidratar-se e fazer suas necessidades.

VETERINÁRIO

17. Antes de pegar a estrada com seu cão, leve-o para uma consulta com seu médico veterinário de confiança.

18. Algumas regiões do país precisam que o cão esteja protegido contra certas doenças. Aproveite esta consulta veterinária, atualize a carteirinha de vacinação do seu amigo e viaje com segurança.

A Mel

MelEscrevo sob os olhares da Mel, a cachorrinha da minha filha Anna. Chegou em nossa casa em um momento de tristeza, de dor pela perda de um ente querido. Frágil e pequenina, quase nos deixou também. Mas a bolinha de pelos venceu a eterna luta pela vida e agora cresce sem parar.

Rebelde e temperamental, cisma em fazer suas necessidades nos melhores tapetes. Adora deitar de barriga, aproveitando o frescor do piso para arrefecer o corpo. E late sem parar, invocada e autoritária, a cada toque da campainha. Eu, que fui iniciado no mundo dos cachorros depois de adulto – temos também o Bob, um vira-lata turbinado e super esperto, que chegou antes, e, como diz minha filha, é agora irmão da Mel –, me maravilho a cada dia com as peripécias caninas.

De pelo marrom claro e branco, focinho proeminente e dentes afiados, a Mel mais parece uma raposinha fugida da floresta. Possessiva, tomou para ela a poltrona da biblioteca onde trabalho. Ali, no silêncio das tardes mansas, enrodilha-se sobre uma almofada e cai no sono.

Olho a Mel em sua animalidade, mas ela me é mais do que um cão. Penso no que estará sentindo, quando a surpreendo me observando. O olhar transparente e piedoso dos cachorros. Que mistérios guardará? O escritor Alberto Manguel comenta que o relacionamento que temos com um animal, põe em cheque a nossa própria identidade e a do animal com quem convivemos. O olhar de um cão nos obriga a sermos sinceros conosco; ele é uma espécie de espelho a refletir o que nem sabemos que somos. Um olhar que captura o nosso próprio olhar e o devolve.

A Mel me entende, e assim é paciente com minhas leituras; dificilmente as interrompe. Pelo contrário, quase sempre me fita, silenciosa, enquanto anoto partes de um livro ou converso com o autor. Fantasio sobre o que ela pensará dos livros. Já flagrei-a escalando cuidadosamente uma pilha de volumes sobre a mesinha, para em segundos desmoronar lá de cima. Esses dias a vi lambendo um exemplar do Umberto Eco; tem bom gosto a pequena. Já um livro de Nietzsche não teve igual sorte: deu-lhe uma boa dentada. Acho que ela não gosta de filósofos materialistas.

Se às vezes a pequena Mel incomoda, sua ausência enche a casa de vazio. A sensação de prover abrigo para um animalzinho tão indefeso é muito boa. O doce sentimento de cuidar de uma vida. De um ser que, como todos nós, não escolheu estar no mundo. Mas que ao mundo veio e agora trata de viver. Ajudamos a Mel a seguir seus dias e ela nos retribui da mesma forma. Trazendo graça e encanto à casa que descobriu como lar.

Conjunto de Canicross bento-gonçalvense é vice campeã da corrida Anomati Trail

unnamed (3)A bento-gonçalvense Letícia Casonatto da equipe de canicross Cusco participou da primeira etapa da corrida Anomati Trail – corrida que duplica as distâncias percorridas por etapas – no último sábado, dia 25 e conquistou o segundo lugar da competição.  O evento aconteceu ao som das marchinhas de carnaval, nas dunas da beira-mar de Arroio do Sal, litoral norte do estado. Foram duas provas, uma de 6 e outra de 12 km. Além de Letícia, o conjunto Maurício Pinzkoski e Olívia também da Cusco participaram da corrida, aberta para cães. O evento ainda teve a participação inclusiva de uma deficiente auditiva e de uma mãe com uma bebê no carrinho. A segunda etapa da Anomati ainda está em fase de planejamento.

Interessados em conhecer e começar a praticar Canicross (modalidade de corrida realizada com cães) em Bento Gonçalves, pode entrar em contato com Letícia pelo telefone 54-98134-9005.