Posts

Doações da comunidade ao Consepro de Bento Gonçalves crescem mais de 200% em 2017

Em um complexo exercício de solidariedade, as contribuições de pessoas físicas e pessoas jurídicas realizadas no ano passado  ao Consepro (Conselho Municipal de Segurança Pública), registraram um impressionante crescimento de quase 206% em relação a 2016. Os números fazem parte do relatório financeiro de 2017, divulgado pelo órgão nesta semana. Os recursos arrecadados foram destinados a Brigada Militar, a Polícia Civil, Justiça Restaurativa e na execução das ações do Conselho.

Presidente do Consepro em 2018, Laercio Pompermayer

Cada Real adicionando ao montante ajuda a fortalecer os organismos de repreensão ao crime em Bento Gonçalves. Mais do que esperança, empresas e moradores depositaram nos cofres do Consepro R$ 470.021,88 – em 2016, as contribuições foram de R$ 153.605,03. Essa foi a maior fonte de recursos da entidade, respondendo por 44,2% do montante da receita total de R$ 1.062.648,87. “O que temos a dizer à comunidade é muito obrigado. É ela que tem viabilizado boa parte das melhorias que estão sendo implantadas e que ajudam a manter serviços com mais qualidade”, diz o presidente do Consepro, Laércio Pompermayer. Em contrapartida à evolução dos recursos doados por empresas e moradores, o auxílio advindo da prefeitura caiu quase 28%, passando de R$ 417.747,01 em 2016 para R$ 301.000,86 no ano passado.

LEIA TAMBÉM: AEARV doa alimentos à Secretaria de Assistência Social

Do total da receita, o Consepro aplicou R$ 890.470,07 nas forças de segurança da cidade. A Brigada Militar ficou com a maior parte dos recursos, com R$ 566.484,28 – ou seja, 63% do total. Com a verba, entre outras aquisições, o Consepro doou três veículos de grande porte – Kia Sorento –, concluiu o Centro Integrado de Operações – monitoramento por câmeras da cidade – e entregou uniformes e equipamentos de segurança.

A Polícia Civil recebeu R$ 103.224,37, fatiando de forma quase equânime os recursos entre os 1º e 2º Distritos Policiais, a Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento e a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher. No Consepro, foram investidos R$ 146.501,42 e na Justiça Restaurativa, R$ 3.853,00.

SAIBA MAIS: Fisioterapia e videogame são aliados no tratamento de pacientes

Com números positivos e assertividade em suas campanhas, o Consepro segue apostando na conscientização como instrumento eficaz na soma de novos doadores para a segurança pública. Na última quarta-feira, a entidade ofereceu um café da manhã aos colaboradores da agência Centro do Banrisul para explicitar a causa e solicitar apoio na busca por arrecadações do Posto de Identificação. Como a taxa é quitada no banco, a ideia é que a colaboração espontânea seja oferecida aos clientes no momento do pagamento da identidade. No ano passado, quase R$ 78 mil aportaram ao Consepro via Posto de Identificação.

VEJA TAMBÉM: Hospital Tacchini repagina Centro Obstétrico

Novo presidio para a Bento com mais de 100 mil habitantes onde surgem mazelas sociais

“Quando os municípios ultrapassam os cem mil habitantes começam a surgir as mazelas sociais. Conglomerado de pessoas em áreas verdes invadidas, sem a mínima infra estrutura, é terreno fértil para outros tipos de atividades”, observou o subcomandante do  3º Batalhão de Policiamento em Áreas Turísticas, major Alvaro Martinelli, em reunião ocorrida na tarde de hoje(28) no Sindilojas de Bento Gonçalves.

O encontro, promovido pela entidade, em parceria com a CDL, reuniu lojistas  do centro da cidade que foram vítimas de furto e assalto nos últimos dias. Na ocasião, o secretário municipal de Segurança, Paulo Marinho, adiantou que estão em fase final as tratativas para a construção do novo presídio, na Linha Palmeiro. Segundo Marinho, o gerenciamento da permuta de imóveis do Governo do Estado no município para o custeio da obra será feito por uma empresa indicada pelo próprio Estado. Ele adiantou que o prédio será construído em estruturas modulares, em um prazo de até nove meses.  Adiantou ainda que serão abertas 450 vagas para regime fechado e 120 para semi aberto.

Já o presidente da Fundação Consepro, Elton Gialdi, ressaltou os investimentos que a entidade está fazendo no aparelhamento da Brigada Militar através de donativos das empresas locais, entre eles a construção no quartel do 3º Batalhão, no bairro Vila Nova, um alojamento com capacidade para 35 pessoas, que está sendo utilizado como base para treinamento de novos PMs. Também salientou que a fundação vai adquirir uma viatura para a Delegacia de Pronto Atendimento. ” Será um veículo potente porque bandido conhece a linguagem segurançada ostentação”, afirmou Gialdi.

Consepro oficializa repasses a Brigada Militar em visita do Comando a Bento Gonçalves

Entrega viaturas          A Brigada Militar  de Bento Gonçalves ganhou do Consepro  três veículos Kia Sorento  adquiridos com os primeiros resultados do projeto Segurança para Todos, lançada pelo órgão em setembro do ano passado.  Do lançamento até agora a campanha arrecadou R$ 327,7 mil entre  44 empresas e seis pessoas físicas. Ao todo, com outras receitas, os valores arrecadados chegam a R$ 456,8 mil (veja quadro abaixo).

 O repasse oficial dos veículos ocorreu na noite de ontem (25) em reunião jantar do CIC/BG , com a presença do comandante-geral da Brigada Militar do Estado do Rio Grande do Sul, coronel Andreis Silvio Dal’Lago.  O Coronel, palestrante da noite,  se referiu a iniciativa da entidade como “movimento de otimismo” e pediu aos gaúchos para seguirem os passos da cidade que conclamou seus cidadãos a apoiarem a segurança e entregou, somente neste ano, alojamento novo para o 3º BPAT e três veículos à Brigada Militar, ambos por intermédio do Consepro, além de 60 coletes balísticos doados por entidades moveleiras.

“Aqui em Bento Gonçalves tem um movimento de otimismo. Esse é uma movimentação de virada, de espírito público e de brasilidade. Precisamos somar as forças para multiplicar o grau de efetividade de cada instituição”, disse o militar durante sua palestra sobre Gestão da Polícia Ostensiva na Atualidade.

Ao mostrar o modelo implantado no comando da corporação, destacou os pilares que sustentam o processo diante da crise financeira pela qual o Estado atravessa. O principal deles é a gestão por resultado, ou seja, cada ação adotada precisa agregar valor e ser planejada, tendo em vistas o custo operacional dela – algo bem similar ao que os empresários, público espectador do encontro, estão acostumados a fazer. Outros pontos são os processos e projetos, o compartilhamento de boas práticas – ao todo são 16 comandos regionais no Estado – e o reconhecimento aos soldados – o que faz jus aos 180 anos que a BM comemora em 2017.

Dal’Lago expôs números preocupantes, como os da histórica defasagem de efetivo – mais de 15 mil homens. Mas trouxe algum alento: em julho, 1,1 mil soldados estarão formados, e há um plano futuro para que o efetivo desligado a cada ano da corporação seja reposto em igual número acrescido de 10%, a fim de chegar aos ideais 37 mil soldados. No olhar micro sobre Bento Gonçalves, as estatísticas dos grupos criminais têm retraído no comparativo entre o primeiro trimestre de 2017 e o mesmo período de 2016, como os homicídios (36%) e os roubos a estabelecimentos comerciais, financeiros e de ensino (51,3%). Porém, os roubos a pedestres cresceram 18%.

Para que todos tipos de crimes apresentem retração nos índices, o comandante-geral da BM defende que o Estado cumpra o seu espaço e retome diretrizes constitucionais como o estado de direito. “Todos falam do estado democrático e esquecem o de direito. Não existe democracia sem o direito ser cumprido”, sustentou. E também conta com a consciência dos cidadãos para não alimentar a indústria do crime comprando produtos de receptação, por exemplo. “O filósofo cristão Agostinho dizia que não existe o mal, existe a ausência do bem. Temos que potencializar o bem”, ponderou.

Assim fizeram Movergs, Fimma e Sindmóveis, responsáveis pela doação de R$ 60 mil para a compra de coletes à prova de bala, mais um trabalho colaborativo que teve entrega ontem. É uma atuação que corrobora o atual momento vivenciado pelos poderes constituídos, pelos empresários, pelas entidades e pela sociedade bento-gonçalvense. “Nessa agenda comum que temos construído não existe espaço para egos, vaidades, críticas vazias ou interesses particulares – nosso compromisso é um só: trabalhar de forma integrada por uma sociedade melhor para nós, para as nossas famílias e para as próximas gerações”, afirmou o presidente do CIC, Laudir Miguel Piccoli.

De onde vem o dinheiro

R$ 327.761,00 – 44 empresas e seis pessoas físicas

R$ 33.788,27 – boletos contribuição espontânea junto ao IPTU

R$ 18.080,11 – doação espontânea posto de Identificação

R$ 50.036,48 – Repasse Prefeitura área Azul

R$ 27.190,07 – Receita projetos Jecrim

Total: R$ 456.855,93