Capa (1)

Vale dos Vinhedos: Oásis para empreender na Serra Gaúcha

Ano a ano, aumenta o número de CNPJs na rota enoturística 

Por Rodrigo De Marco 

Edição Kátia Bortolini 

Ano a ano aumenta o número de instalação de empresas voltadas ao turismo na área de terra de 72,45 Km2, abrangida pela denominação de origem Vale dos Vinhedos, com 55% do território pertencente ao município de Bento Gonçalves, 37% ao de Garibaldi e 8% ao de Monte Belo do Sul. Em 2018, a prefeitura de Bento Gonçalves liberou oito alvarás para empreendimentos no Vale. Já em 2019, emitiu 15 alvarás. A prefeitura de Monte Belo do Sul, entre 2018 e 2019, liberou 57 alvarás, sendo 24 em 2018 e 33 em 2019. Nesse início de 2020 está em trâmite na prefeitura de Monte Belo do Sul a solicitação de alvará para a construção de um hotel na área do município pertencente ao Vale dos Vinhedos. A prefeitura de Garibaldi mapeia a sua área pertencente ao Vale dos Vinhedos como bairros Garibaldina e Marcílio Dias. Entre 2018 e 2019 foram abertas 44 empresas nesses bairros. O número subiu de 19 em 2018 para 25 em 2019.

Denominação de Origem

Em 1992, a Casa Valduga, estabelecida na Via Trento, foi a pioneira na exploração do enoturismo no Vale dos Vinhedos. Em 1995, foi criada a Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos (Aprovale), com a missão de estruturar uma rota turística, com foco na sustentabilidade. As vinícolas que iniciaram o movimento de estruturação da rota turística, fundadoras da Aprovale, foram a Casa Valduga, a Miolo Wine Group, a Vinícola Don Laurindo, a Vinícola Dom Cândido, Casa Graciema (encerrou atividades) e Vinícola Cordelier (encerrou atividades).

A missão da Aprovale foi mais além. Em 2002, um projeto da entidade, coordenado e desenvolvido pela Embrapa Uva e Vinho, de Bento Gonçalves, e pela UFRGS, de Porto Alegre, resultou na obtenção de registro de Indicação de Procedência (IP), concedido pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), para os vinhos e espumantes elaborados com uvas viníferas colhidas em áreas demarcadas, dos municípios de Bento Gonçalves, Garibaldi e Monte Belo do Sul. A segunda etapa do projeto culminou em 2012, com a obtenção da Denominação de Origem (DO) Vale dos Vinhedos, a primeira DO de vinhos do Brasil concedida pelo INPI. As varietais previstas na DO para a elaboração de vinhos com a DO Vale dos Vinhedos são a merlot (tinto) e chardonnay (branco), mas estão admitidas, como complementares, as uvas cabernet sauvignon, cabernet franc, tannat e riesling itálico.

Vinícola Dom Elizario

Rota congrega 1.100 leitos

Atualmente, há 24 vinícolas associadas à Aprovale que elaboram uma média anual entre 10 a 12 milhões de garrafas de vinho, além de suco e outras bebidas derivadas de uva. Essas vinícolas oferecem visitação guiada, degustação e comercialização dos produtos o ano todo. Os perfis são variados: há vinícolas familiares, com elaboração limitada e venda exclusiva em seu varejo, como também grandes empresas com presença internacional. A entidade também representa 40 estabelecimentos do Vale, entre cinco pousadas e dois hotéis, como o SPA do Vinho e o Villa Michelon, quatorze restaurantes, dois cafés, duas agências de turismo, ateliês de arte, artesanato e antiguidades. Hoje, são ofertados 1.100 leitos no Vale, entre empresas associadas e não associadas à Aprovale.

Foto Gilmar Gomes

Naiara Zonatto (Aprovale)

Rota mais procurada por turistas que visitam Bento

O Vale dos Vinhedos, situado na Serra Gaúcha, a 742 metros de altitude, com temperatura média anual de 16 a 18 graus, foi a rota turística de Bento Gonçalves mais procurada em 2016, segundo pesquisa feita em parceria entre a Secretaria de Turismo de Bento Gonçalves e a Faculdade Cenecista. O público da rota, conforme a pesquisa, é formado por adultos, majoritariamente casais e grupos de familiares ou amigos, apreciadores de vinhos, das classes A e B, com curso superior. Ainda conforme a pesquisa, maioria dos visitantes utiliza veículo próprio ou alugado. O cultivo de uvas no Vale em 450 pequenas propriedades, em média de 2,5 hectares, garante um belo cenário nas quatro estações. Na primavera as parreiras brotam, no verão frutificam e no outono e inverno, quando elas “dormem”, o espetáculo natural fica por conta das folhas caducas vermelho-alaranjadas das centenas de pés de plátanos, muito utilizados antigamente para a amarração dos parreirais no sistema latada.

Restaurante Alitalia

Case de sucesso

“O Vale dos Vinhedos é um case de sucesso, apresentado em palestras da Aprovale em vários municípios do Brasil, para os mais diversos públicos”, ressalta a turismóloga Naiára Martini. Conforme ela, a rota, que em 2019 recebeu mais de 400 mil visitantes, representa o legado histórico, cultural e gastronômico deixado pelos imigrantes italianos que chegaram à Serra Gaúcha a partir de 1875. “O empreendedorismo, o trabalho incansável da nossa gente, os investimentos em qualificação profissional e em tecnologia valorizaram os produtos vitivinícolas da região, gerando renda e empregos”, acrescenta Naiára.

Proteção da vocação e da paisagem

A Aprovale, de acordo com a turismóloga, está atuando na busca do acréscimo da infraestrutura turística do roteiro e no apoio a projetos que beneficiem o setor do vinho. “Conquistamos uma nova sinalização turística, equipamos nossa rota com mapas que facilitam o autoguiamento dos visitantes, recuperamos parte das nossas estradas e seguimos reivindicando melhores condições para o setor. Apoiamos o projeto da Ciclovia Vale dos Vinhedos e da Zona Franca da Uva e do Vinho, que são importantíssimos para a nossa região”.

Ela acentua a constante atenção da Aprovale para proteção da vocação e da paisagem do roteiro, caracterizada pela cultura da uva e do vinho. Conforme Naiára, a integração e a padronização das diretrizes turísticas entre os municípios pertencentes a rota também são temas considerados de fundamental importância. Ainda conforme Naiára, as regiões Sul e Sudeste são as principais emissoras de visitantes ao Vale dos Vinhedos. “O nosso maior público ainda é o do Rio Grande do Sul. E é um público fiel, que retorna diversas vezes durante o ano”.

Monde Chocolates

Prefeitura de Bento Gonçalves trabalha para incluir a comunidade do 40 da Graciema na rota

O secretário de Desenvolvimento Econômico de Bento Gonçalves, Sílvio Pasin, destaca a capacidade empresarial do Vale “por manter o ambiente característico original, com modernidade e conforto, para que os visitantes saiam encantados desta pequena Toscana”.  Ele acentua que a manutenção da originalidade do Vale é primordial para a existência e manutenção dessa “joia rara”.

A diretora do IPURB, Melissa Bertoletti Gauer, ressalta que a prefeitura de Bento Gonçalves priorizou a pavimentação de vias do Vale, por serem de suma importância para o desenvolvimento turístico e agrícola. Ressalta que agora há um projeto em andamento para pavimentação da estrada de acesso à comunidade do 40 da Graciema, seguida de instalação de um Centro de Comercialização de produtos turísticos. Também salienta que o município protocolou, junto ao Governo do Estado, um projeto de interseção na RS 444, principal acesso ao Vale dos Vinhedos, para ser desenvolvido em parceria com o DNIT e o DAER.

Marciano Batistelo (matéria de capa)

O que diz o Subprefeito do Vale dos Vinhedos

Integração – O turismo tem crescido de forma acentuada no Vale dos Vinhedos nos últimos anos. Segundo informações do Desenvolvimento Econômico de Bento, entre 2018 e 2019 dobrou o número de CNPJs abertos na região. Como subprefeito do Vale dos Vinhedos, de que forma observa esse aumento do turismo na região?

Marciano Batistelo – Sem dúvidas, de maneira muito positiva para a economia local e regional.  A tendência é aumentar cada vez mais o fluxo de visitantes no Vale. Com programas de incentivo criados pelo município a fim de estimular o pequeno produtor a permanecer no interior e ampliar seu sustento por meio da agroindústria familiar tem dado resultados. O número de agroindústrias no interior aumentou no último ano e isso nos alegra bastante, porque sabemos da capacidade que o nosso produtor tem. A prefeitura tem uma política de incentivo para estimular a expansão de empreendimentos existentes no interior do município. Subsidia a execução de até 200 horas de serviços de infraestrutura necessários à implantação ou ampliação pretendidas (terraplanagem, transporte de terra e materiais para obras), exceto detonação. No Vale dos Vinhedos, diversos empreendimentos já foram atendidos em função do aumento significativo de aberturas de empresas nos últimos anos. Também atendemos ampliações de empresas já consolidadas no distrito.

Integração – E o projeto da instalação da ciclovia no Vale, está em andamento?

Batistelo – A Secretaria de Turismo de Bento Gonçalves buscou esse projeto, feito há anos pela Aprovale, e em parceria com a Secretaria do Estado do RS, apresentou a proposta ao Ministério do Turismo. Agora, o projeto está sendo adaptado às diretrizes do Ministério do Turismo, levantando informações solicitadas pelo Governo Federal para a liberação de verba.

Integração – Quais têm sido as maiores demandas nos últimos anos, levando em consideração que aumentou e muito a movimentação na região?

Batistelo – Manutenção dos trechos de estrada que ainda não estão asfaltadas ou pavimentadas. Essa solicitação sempre é feita pelos moradores, geralmente são locais onde existe um menor fluxo de veículos. Apoio e suporte ao DAER na manutenção do asfalto da RS444 e nas roçadas do entorno da rodovia, além de reivindicações no que diz respeito à sinalização.

Integração – Quais têm sido os maiores desafios como subprefeito do Vale dos Vinhedos?

Batistelo – Antes de ser Subprefeito, fui empresário do ramo metalúrgico por 20 anos, o que não me afastou de minhas raízes, pois nasci no Vale, sou filho de viticultor e moro aqui até hoje, então eu estive do outro lado por muitos anos. O primeiro desafio já surgiu quando eu aceitei liderar a Subprefeitura, afinal é um cargo público e são muitas demandas. É preciso trabalhar com empenho e também respeitar a legislação. É desafiador buscar recursos públicos ou privados para a realização dos inúmeros projetos que possuímos. Além disso, ao observar o grande número de turistas que circulam pela região anualmente, percebo que, mesmo com muitos trabalhos já realizados, constantemente existirão demandas a serem atendidas e projetos a serem almejados e concretizados.

Integração – Quais são os projetos para a o distrito para 2020 e 2021?

Batistelo – A continuidade do asfaltamento da Rua Basílio Zorzi, um dos acessos ao Vale dos Vinhedos. Existem vários projetos de melhoria em estudo, no entanto são projetos que ainda não estão aprovados e necessitam de recursos financeiros para sua execução.

Capa - acostamento 2

Nem tudo são flores no roteiro enoturístico

Em certos dias visitantes enfrentam mau cheiro ao trafegar ao anoitecer pela RS 444 Estrada do Vinho, exalado por dois aviários localizados em área pertencente ao município de Garibaldi. Conforme o secretário de Meio Ambiente de Garibaldi, Arnaldo Seganfredo, os dois aviários, instalados há mais de 30 anos no Vale, em área rural do município, tem licenciamento ambiental. Ele observa que o mau cheiro ocorre de vez em quando, na baixa umidade do ano, devido a forma de alojamento das aves. Comerciantes estabelecidos nas imediações dos aviários contornam a situação informando os turistas sobre a causa do mau cheiro.

Já a falta de acostamento na Estrada do Vinho dificulta caminhadas e passeios ciclísticos. Em alguns trechos dessa parte da rodovia, a cargo do DAER, a capoeira toma conta das laterais da estrada.

Colheita casais - Créditos Maurício Pamplona

Prefeitura de Monte Belo do Sul prioriza investimentos em turismo, atraindo empreendedores e visitantes

A prefeitura de Monte Belo do Sul, entre 2018 e 2019, concedeu 57 alvarás para instalação de novas empresas no território do município, entre elas vinícolas e agroindústrias voltadas ao enoturismo. “Todas as administrações municipais valorizaram o turismo, com investimentos na área. Mas, a partir de 2017, o turismo se tornou prioridade na nossa gestão, em função do crescimento do fluxo de visitantes na RS 444, Estrada do Vinho, no Vale dos Vinhedos, há dez quilômetros da sede de Monte Belo do Sul, que possui 2.564 habitantes (Censo 2018). Essa demanda resultou na implementação do projeto voltado ao conceito “Monte Belo como um todo”, ressalta o prefeito Adenir Dallé.

Ele observa que o início da execução do projeto, em 2019, foi antecedido por obras de melhoria do mirante da entrada da cidade, construção do novo pórtico e revitalização da rua Antônio Manzoni, no entorno da praça padre José Ferlin.

Oficinas de capacitação

Na atual etapa, a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo disponibiliza, a empreendedores interessados em trabalhar com o turismo, oficinas de capacitação que abrangem desde a apresentação dos atrativos da cultura local e da sinalização turística na RS 444 até a participação em eventos culturais. “O projeto resultou no acréscimo de 100% em empreendimentos no ano de 2019, em relação a 2018. Parte desse acréscimo representa a boa vontade dos moradores em abrir suas empresas no território do município, melhorando a economia local. Quanto mais produtos diferenciados tivermos, mais alcançamos visibilidade”, relata o Prefeito.

Ele acentua que o conceito Monte Belo abrange a oferta de várias opções ao visitante, entre empreendimentos, edificações patrimoniais históricas, vinhedos e paisagens naturais da Serra Gaúcha. “Entendemos que os turistas possuem perfis e gostos particulares”.Dallé salienta ainda que apenas 2,6% do investimento no projeto foi do Orçamento Municipal 2019, em contrapartidas a recursos vindos do Governo Federal, via Ministério do Turismo.

“Como o turismo é algo “recente” no município, os moradores estão se adaptando à essa nova realidade. As mudanças ocasionadas por obras, como a do pórtico, estão fazendo com que a comunidade perceba a existência de um movimento de adaptação de locais pródigos para o turismo. Estão sendo planejadas ações para sensibilizar a comunidade”, analisa Dallé.

Mais informações sobre o projeto no site www.visitemontebelo.com.br.

Taça - Créditos John Paul Arlington

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Escreva um comentário
Sinta-se livre para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *