DSC04477

Fenavinho está de volta

Após oito anos de hiato, Fenavinho está de volta

Festa, que em 1967 projetou Bento Gonçalves no cenário nacional, ressurge sob a coordenação do Centro da Indústria, Comércio e Serviços 

Por Rodrigo De Marco

Edição Kátia Bortolini 

A Festa Nacional do Vinho (Fenavinho) de Bento Gonçalves, após oito anos de hiato, retorna em grande estilo em sua 16ª edição, de 13 a 23 deste mês de junho, no Parque de Eventos, paralelo a Expobento 2019. Das edições anteriores, 13 foram promovidas pelo poder público municipal, em vários formatos. A partir dessa edição a coordenação da maior festa popular do município está a cargo do Centro da Indústria, Comércio e Serviços (CIC-BG), que anualmente promove a Expobento. A retomada do evento alegrou tanto moradores como visitantes, conforme o constatado na programação pré-abertura, na Via del Vino, bairro centro, nos dois finais de semanas anteriores ao início das atividades no Parque de Eventos, anteriormente conhecido como Parque da Fenavinho.

Desfile Alegórico - Crédito Exata Comunicação (1) (1)

Na tarde ensolarada do domingo do último dia 2 de junho cerca de sete mil pessoas se reuniram na Via del Vino em torno do suco e do vinho encanados e do desfile de carros alegóricos, apresentado por escolas da rede municipal e de patinação, entidades, empresas e comunidade. O desfile ocorreu na rua Marechal Deodoro, entre a Saldanha Marinho e a Júlio de Castilhos, capitaneado pelo personagem Tastavin e pela corte da Fenavinho, formada pela Imperatriz Bárbara Bortolini e Damas de Honra Ana Paula Pastorello e Sandi Marina Corso,  reportando o estilo de vida em torno da vitivinicultura da maioria dos moradores das comunidades e distritos do interior de Bento Gonçalves.

A reinauguração do icônico Vinho Encanado encerrou com sucesso sua programação na tarde do último dia 9 de junho.  Durante os dois fins de semana, cerca de 30 mil pessoas passaram pela Via Del Vino, apreciando os vinhos e sucos disponibilizados na “Casa del Vino Moysés Michelon”. Ali foram consumidas 24.200 doses das bebidas, o que representa 3,6 mil litros. O preferido do público foi o vinho tinto Merlot (55% das vendas), seguido pelo vinho branco Moscato (25%) e pelo suco de uva integral (20%).

“Ficamos extremamente satisfeitos não apenas pelos números de público e consumo, que nos surpreenderam positivamente. Mas, acima de tudo, o destaque foi a receptividade da comunidade, que acolheu com muito carinho a volta do Vinho Encanado, participando da programação e realmente aproveitando as atrações. Esse indicativo nos deixa muito otimistas, também, com relação ao sucesso da retomada  Fenavinho”, avaliou o coordenador do comitê responsável pela organização da 16ª edição da Festa Nacional do Vinho, Diego Bertolini.

Primeira edição da Festa rendeu ao município asfaltamento e projeção na mídia nacional

A primeira edição, ocorrida de 25 de fevereiro a 12 de março de 1967, há 54 anos, presidida pelo empresário Moyses Michelon (in memoriam) foi um marco para o desenvolvimento do município de Bento Gonçalves, na época com cerca de 38 mil habitantes. O evento, aberto oficialmente pelo então presidente da República Humberto de Alencar Castelo Branco, chamou a atenção da mídia nacional pela distribuição gratuita de vinhos e suco de uva no centro da cidade. Castelo Branco, na companhia do então Chefe da Casa Civil, General Ernesto Geisel, nascido em Bento Gonçalves, e do então governador do Estado, Perachi de Barcelos, foi recebido com festa na cidade em 25 de fevereiro de 1967.  Na vinda, a comitiva percorreu de carro o trajeto entre Porto Alegre e Bento Gonçalves, por estrada de terra, porque o mau tempo não permitiu o deslocamento aéreo. No percurso, Castelo Branco perguntou ao então Governador como uma cidade que estava promovendo uma festa nacional não tinha acesso asfáltico. Meses após, foi emitida a ordem de serviço do Estado para o asfaltamento dos 120 quilômetros de estrada entre Bento Gonçalves e a capital do Estado.

A primeira edição também foi visitada pelo jornalista Assis Chateaubriand (in memoriam), presidente dos Diários e Emissoras Associadas, um dos brasileiros mais poderosos do século XX, dono de um vasto império de comunicação, responsável por trazer a televisão para a América Latina, entre outros feitos.  Chateaubriand prestigiou a festa a convite do diretor da vinícola Dreher S/A, Carlos Dreher Neto, que presidia o Clube Colibri, formado por grandes anunciantes dos Diários Associados. A revista O Cruzeiro, um dos veículos dos Diários Associados, de circulação nacional, dedicou a capa e várias páginas da edição del 1º de dezembro de 1970 à Fenavinho e às “Uvas de Bento”, representadas na publicação pela Imperatriz Sandra Guerra e pelas Damas de Honra Iegle Ghelen e Liana Mazzini.

População resgata orgulho em voltar a sediar a festa

A edição 2019 da Fenavinho já é histórica por estar resgatado o orgulho da população em voltar a sediar a festa. A retomada da Fenavinho iniciou seu processo social com a escolha da Corte, ocorrida na noite de 6 de abril deste ano, no hall do pavilhão A do Parque de Eventos, com a escolha da Imperatriz Bárbara Bortolini, representante da Rota Caminhos de Pedra e das Damas de Honra Ana Paula Pastorello, representante do Bento Convention Bureau e por Sandi Marina Corso, representante da Associação Vale do Rio das Antas.

O trabalho de divulgação da festa envolveu uma equipe ávida pelo sucesso do evento e o sorriso de orgulho da Imperatriz e Damas de Honra. Em Brasília, a comitiva, formada pela Corte e por lideranças políticas e empresariais do município, cumpriu intensa agenda de entrega de convites para as aberturas da Fenavinho e da Expobento 2019, entre eles para o presidente Jair Bolsonaro.

Vinho Encanado em Bento Gonçalves - Credto Gustavo Bottega (7) (3)

O surgimento de Tastavin

O personagem Tastavin (bonachão e, claro, provador de vinho, tem sido uma das estrelas da retomada da Festa Nacional do Vinho) foi criado pelo cartunista gaúcho Otto Guerra e surgiu por iniciativa da então diretoria da 7ª edição da Fenavinho, ocorrida de 12 à 28 de julho de 1991. O nome do mascote foi escolhido em concurso realizado naquele ano, promovido pela Secretaria Municipal de Educação. Pelo menos 12 mil alunos de escolas da rede municipal participaram do concurso que tinha por objetivo escolher o nome do personagem.

O nome Tastavin foi criado por Marciano Menegotto (vencedor do concurso), na época morador do distrito de Tuiuty e estudante do Colégio Estadual de 1º Grau Angelo Salton, de Tuiuty.Tastavin foi inspirado na expressão “Nino, demo testare il vin” (Vamos provar o vinho). Hoje, com 40 anos, Menegotto é produtor de uvas.

O presidente da 7ª edição da festa foi Jovino Nolasco de Souza (in memorian) vices, Adroaldo Dla Más, Além Guerra, Juarez Valduga, Lourival Frizzo e Renato Ferrari; Imperatriz Nádia Cini; Damas de honra Eliane Gobatto e Raquel Possamai. Nolasco realizou o evento de forma anual entre 1990 e 1992. A origem do mascote atendia a intenção de criar um ícone definitivo para a festa.

Desfile Alegórico - Credto Gustavo Bottega (13) (1)

Entrevistas com as Soberanas

Integração- A rotina de vida de vocês mudou nos últimos meses em função do trabalho de divulgação da 16ª Fenavinho. Estão conseguindo conciliar a agenda de compromissos do evento com trabalho?

BÁRBARA- Consigo conciliar por trabalhar em uma empresa familiar, com meu pai e meu irmão, com flexibilidade de horários.

ANA PAULA -Sempre tive uma rotina bem corrida, conciliando trabalho, faculdade, cursos, vida social, momentos de lazer e hobbies. Ao abraçar a Fenavinho já tinha em mente que as atividades de divulgação seriam intensas e que isso demandaria muito tempo, tendo que reajustar minha agenda pessoal. Porém, como a Fenavinho sempre esteve no coração dos bentogonçalvenses, não houve resistência no quesito trabalho e faculdade para me ausentar das atividades diárias, e isso só comprova o quanto a população apoia e quer o retorno da nossa amada festa.

SANDI – Mudou sim, é um compromisso a mais e uma grande responsabilidade, principalmente nesse momento de retomada da Festa. Estou conciliando com o trabalho, procurando equilibrar os dois lados. Como atuo na área de vinhos, esta época de outono/inverno concentra diversas atividades, conto com a ajuda dos colegas de trabalho quando estou ausente e entre a corte nos revezamos quando uma ou outra não pode estar presente.

INTEGRAÇÃO – Quanto tempo consome o processo de vestimenta das indumentárias mais cabelo e maquiagem? Lado positivo e lado negativo desse ritual?

BÁRBARA- Às vezes, temos que madrugar para ficarmos prontas no horário dos eventos. É realmente um ritual, mas tudo isso vale a pena quando vemos que nossa dedicação em prol da Fenavinho é reconhecida pelas pessoas, que nos recebem com muito amor e respeito em todos os lugares.

ANA PAULA- Temos profissionais parceiros maravilhosos que fazem parte desta árdua preparação, a qual leva em torno de três horas entre fazer cabelo com a coroa, maquiagem, e ainda vestir o traje oficial. Independente do dia e do horário (madrugadas, feriados, finais de semana), estes profissionais estão prontamente dispostos e não medem esforços, de forma muito carinhosa, para realçar a beleza da corte.

SANDI- Acredito que a maioria das mulheres gosta de se sentir bonita, isso nos dá confiança, aumenta nossa autoestima, realça a beleza, nos destaca, portanto, vejo esse “ritual” de forma muito positiva. Sobre lado negativo, talvez o tempo de preparo que é um pouco longo, mas isso faz parte.

INTEGRAÇÃO- Muitas pessoas tem interagido com vocês, perguntando sobre o evento e solicitando registro fotográfico. De que forma essa experiência com o público vai contribuir para o teu crescimento pessoal e profissional?

BÁRBARA- Acredito que toda interação que temos com as pessoas gera uma troca de experiências, agregando novos conhecimentos. Isso reflete diretamente na vida pessoal e profissional. Crescemos, aprendemos a ouvir mais e nos comunicarmos melhor. Além disso, sentir o carinho da comunidade perante a corte é algo único é indescritível, uma alegria que transborda do peito.

ANA PAULA- O contato com o público está sendo uma experiência muito acolhedora porque é possível sentira confiança que nos é depositada por representar e abraçar o retorno da Fenavinho. As pessoas gostam deparar para conversar, tirar foto, contar histórias e as suas lembranças justamente por causa da nossa festa e mesmo aqueles que não vivenciaram as primeiras edições carinhosamente deixam vivas as lembranças de seus familiares. Me sinto muito realizada em conseguir passar o real sentimento da Festa Nacional do Vinho e tudo o que ela nos remete.

SANDI- Essa experiência tem sido incrível, arrisco a dizer que é a melhor parte de ser soberana. Eu, sendo área do vinho, por paixão e profissão, já tinha um carinho enorme pela cidade, pela cultura, tradição, por tudo que envolve essa bebida e principalmente pelas pessoas que constroem todos os dias a nossa história. A Festa é delas e é para elas. Não tinha ideia do quanto nossa Comunidade ficaria feliz com o retorno da Fenavinho e de todos os marcos históricos que estamos resgatando com ela, como o vinho encanado no centro da cidade e o desfile de carros alegóricos. A Festa ainda está muito viva no coração de todos, mesmo não acontecendo a 8 anos. Isso nos contagia, nos faz termos ainda mais energia e disposição para representarmos da melhor forma Bento Gonçalves, a Capital Nacional do Vinho. Sem dúvida cresceremos pessoal e profissionalmente, pois a cada dia que passa conhecemos um pouquinho mais de toda essa trajetória que já tem mais de 140 anos. É tanta história dentro de uma garrafa de vinho…

INTEGRAÇÃO-   De que forma tem sido a convivência entre vocês?

BÁRBARA- Conheci as meninas somente durante o concurso, mas sinto como se já as conhecesse há muitos anos. Temos uma sintonia ótima, e estamos sempre ajudando e apoiando umas as outras nas mais diversas situações. Com elas, não há tempo ruim – seja para acordar as 4h da manhã e ir para o salão de pantufas, ou ir tomar café da manhã de coroa e tudo. Com toda a certeza, são amizades que levarei para avida.

ANA PAULA Somente conheci a Bárbara e a Sandi durante a preparação para a escolha da corte. O nosso trio é composto por três mulheres incansáveis que se complementam de uma forma muito rica, cada uma com uma história de vida singular, mas que representam a mulher batalhadora de Bento Gonçalves.

SANDI Não as conhecia antes de todo o processo que envolve a escolha da corte. Nossa convivência tem sido muito boa, entendemos a todo o momento a importância de sermos um trio. Seria muito difícil fazer esse trabalho de forma individual, nos complementamos, cada uma com suas características e personalidade. Existe uma troca entre nós, seja de conhecimento ou de experiências, nos ajudamos e damos suporte umas às outras a todo o momento.

INTEGRAÇÃO- nos bastidores, o que faz vocês darem risada?

BÁRBARA- Erros de gravação, gargalhadas incontroláveis, alagamento de quarto de hotel, e por aí vai.

ANA PAULA- Acontecem algumas saias justas, mas contamos com uma assessoria de imprensa muito capacitada que nos prepararam previamente para que possamos contornar qualquer situação.

SANDI- Ah os imprevistos… especialmente os erros de gravação!

INTEGRAÇÃO- Como conheciam a história da Fenavinho antes e como veem agora?

BÁRBARA- Sempre admirei a nossa festa, sua história e o que ela representa para Bento Gonçalves. Agora, no papel de Imperatriz, divulgando a festa, consigo entender ainda mais a importância do seu retorno para a preservação e valorização da nossa cultura. Também se tornou possível vivenciar toda a dedicação e amor que há por trás da sua organização. São pessoas que realmente dão o seu máximo para ver a alegria de um povo se reacender.

ANA PAULA- Já tinha ouvido falar, mas não imaginava a grandiosidade do evento. Está sendo um aprendizado constante, tanto sobre a festa e seu legado patrimonial e cultural, como sobre a cultura vitivinícola de Bento Gonçalves.

SANDI- Já acompanhava a Fenavinho a algumas edições. Estudo e trabalho na área de vinhos a mais de doze anos, sou descendente de italianos e por isso também já conhecia um pouco de toda a trajetória dos imigrantes que aqui chegaram. Hoje, sem dúvida, minha visão e sentimento pela Festa mudaram muito, tenho um carinho ainda maior e um orgulho imensurável em fazer parte de todo esse processo de retomada da Fenavinho e de várias outras atividades relacionadas a ela. Os conhecimentos se tornam cada vez mais ricos. Representamos hoje a história de milhares de pessoas, temos a missão te manter viva e cada vez mais forte essa festa, que evidencia e mostra às pessoas a nossa tradição, a cultura do vinho e todo o potencial que temos em Bento Gonçalves.

Corte da 16ª Fenavinho com os trajes oficiais - acervo pessoal Barbara Bortolini (1)

0 respostas

Deixe uma resposta

Escreva um comentário
Sinta-se livre para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *