O Quatrilho

Ópera O Quatrilho volta aos palcos do Rio Grande do Sul em junho

Após o sucesso da primeira turnê, que reuniu quase seis mil pessoas em diversos palcos do Rio Grande do Sul no último ano, a ópera O Quatrilho volta a circular pelo estado no mês de junho. A obra terá quatro novas récitas, fazendo sua estreia em Vacaria (dia 12, na Casa do Povo), e passando novamente por Passo Fundo (dia 15, no Teatro Notre Dame), Porto Alegre (dia 16, no Teatro do Bourbon Country) e Novo Hamburgo (dia 18, no Teatro Feevale).

Os ingressos já estão à venda em www.blueticket.com.br para o espetáculo em Passo Fundo e em www.uhuu.com para as apresentações em Porto Alegre e Novo Hamburgo. Em Vacaria, o ingresso é a doação de um livro. Confira o serviço completo abaixo e no site www.operaoquatrilho.com.br.

A ópera em dois atos de Vagner Cunha tem libreto de José Clemente Pozenato, autor do romance homônimo que conta a história de dois casais de descendentes italianos que constroem suas vidas no interior do Rio Grande do Sul no inicio do século XX. Nas apresentações com regência do maestro Antonio Carlos Borges-Cunha e direção cênica deLuís Artur Nunes há 12 músicos da Camerata OntoArte e sete cantores em cena: Carla Maffioletti (soprano) no papel de Teresa, Maíra Lautert (soprano) como Pierina,Flávio Leite (tenor) como Ângelo, Daniel Germano (barítono) interpretando Mássimo, Luciane Bottona (contralto) no papel de Tia Gema, Ricardo Barpp (barítono) como Cósimo e Pedro Spohr (baixo) como Rocco.

Lançado em 1985, o livro O Quatrilho, de José Clemente Pozenato, tornou-se filme em 1995 sob a direção de Fábio Barreto, e concorreu no ano seguinte ao Oscar de melhor filme estrangeiro. A exposição no cinema fez ainda mais conhecida a história dos dois casais de descendentes italianos que constroem suas vidas no interior do Rio Grande do Sul no inicio do século XX. A obra também já foi adaptada para os teatros e, em 2018, ganhou sua versão em ópera, com música de Vagner Cunha e libreto de José Clemente Pozenato.

Produzida inteiramente no Rio Grande do Sul, a ópera O Quatrilho tem elementos cênicos que remetem ao estilo de vida dos imigrantes italianos que viveram na área rural do Estado no início do século XX. Os figurinos, assinados pela porto-alegrense Malu Rocha, são compostos por cerca de 30 peças produzidas em cores frias e terrosas, retratando as personalidades dos protagonistas da trama.

O cenário, desenhado pelo cenógrafo Rodrigo Lopes, mostra o interior e ao mesmo tempo o exterior de uma casa colonial italiana. O uso de lambrequins, adorno arquitetônico de madeira recortada muito utilizado nas residências dos imigrantes italianos, e de pintura de madeira junto com um céu formam o espaço cênico.

O enredo de O Quatrilho baseia-se em fatos reais, retratando o cotidiano e a realidade dos imigrantes no Sul do Brasil no início no século XX, deixando claro o poder da mulher nas decisões de família e também de negócios. A história acontece em 1910, numa comunidade rural de imigrantes italianos, no Sul do Brasil, quando dois casais se unem para sobreviver e decidem morar na mesma casa. Com o tempo, a esposa de um passa a se interessar pelo marido da outra, sendo correspondida. Os dois amantes decidem fugir e recomeçar outra vida, deixando para traz seus parceiros, que viverão uma experiência dramática e constrangedora, mas nem por isso desprovida de amor. O título faz analogia ao jogo do quatrilho: jogo de cartas onde os parceiros se trocam ao longo da partida. Tudo pode acontecer nesse jogo.


O Quatrilho, além fazer um resgate histórico da liderança brasileira formada pela colonização italiana, coloca em voga o papel de protagonismo dos empreendedores e comerciantes que, frente às adversidades, escolhem seu caminho, transpondo os obstáculos para seguir sempre em frente. Através de personagens icônicos que resolvem suas vidas conforme a realidade se apresenta, representaremos os colonos e os negócios familiares, espinha dorsal do Rio Grande do Sul, cujos valores foram calcados na força do trabalho e na intensidade das relações. 




Apesar do que possa parecer ao olhar desatento, a célebre história da troca de casais não é uma história sobre traição. É uma história de fidelidade a si próprio, uma relação de amor com os valores que regem a vida de cada um.

A nova turnê é uma realização do Ministério da Cidadania, tem direção artística da Bell’Anima Produções Artísticas e produção executiva da Branco Produções. A programação deste ano ainda contará com ações paralelas em cada cidade visitada, reunindo comunidade e lideranças locais para discutir, em palestras e mesas redondas, as temáticas Arte & Liderança: A experiência estética da música na formação do indivíduo e Protagonismo Feminino: A força da autenticidade.

O Quatrilho

0 respostas

Deixe uma resposta

Escreva um comentário
Sinta-se livre para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *