AEARV destaca ideias em alta para 2019: tecnologia BIM gera resultados assertivos na construção civil

Processos tecnológicos passam por constante evolução – e profissionais que prospectam ganhar cada vez mais espaço no mercado devem primar pela inovação e acompanhar as novas tendências. Engenheiros e arquitetos recebem com frequência atualizações que impactam no trabalho diário e, consequentemente, aprimoram sistemas de trabalho rumo à eficiência na entrega de projetos. Atenta a esse movimento, a Associação dos Engenheiros e Arquitetos da Região dos Vinhedos (AEARV) compartilha ideias e ferramentas de trabalho que estão em alta em 2019 e merecem um olhar atendo do segmento.

Uma nova tecnologia tem ganhado destaque no setor e deve conquistar ainda mais adeptos neste ano que inicia: os modernos softwares BIM. A tradução da sigla para o português significa ‘Modelagem de Informações da Construção’. Com ele é possível criar digitalmente um ou mais modelos virtuais precisos de uma construção. Eles oferecem suporte ao projeto ao longo de suas fases, permitindo melhor análise e controle do que os processos manuais. Quando concluídos, esses modelos gerados por computador contêm geometria e dados necessários para o apoio às atividades de construção, fabricação e aquisição.

Diferente do desenho usual em 2D – uma mera representação planificada do que será construído – a modelagem com o conceito BIM trabalha com modelos 3D mais fáceis de assimilar e mais fiéis ao produto final. Numa comparação simples, seria como abandonar a ideia de fazer o planejamento desenhando mapas e trabalhar diretamente com maquetes.

O BIM garante uma percepção antecipada das possíveis interferências e situações de manutenção comuns durante o ciclo de vida da obra, ampliando a importância e usabilidade do projeto e, consequentemente, reduzindo as chances de improvisação e o tempo gasto na execução da obra. Isso melhora o desempenho e garante que o cronograma e orçamento previstos sejam respeitados.

 Tecnologia BIM - Crédito Obrafit

Entenda a evolução

Considerado uma filosofia de trabalho que integra arquitetos, engenheiros e construtores na elaboração de um modelo virtual preciso, o conceito começou a ser debatido há mais de 40 anos – comprovando que essa forma de pensar é madura e coerente. Organizar sistematicamente todas as informações pertinentes a edificação durante seu ciclo de vida traz um empoderamento aos projetistas. Por isso, o BIM é muito mais amplo do que a realidade virtual.

Esse tipo de tecnologia interessa a todos – desde o investidor até fabricantes e imobiliárias. Para quem investe, a aplicação correta do conceito traz previsibilidade assertiva dos prazos, custos de acordo com o escopo do empreendimento, simulações de alterações, com seus impactos financeiros e produtivos no ciclo evolutivo da obra. Já as imobiliárias e os corretores podem utilizar o modelo BIM para passeios virtuais dos futuros compradores, utilizando tecnologias como óculos de realidade virtual.

O BIM é uma tendência mundial – e se intensificou como processo de desenvolvimento tecnológico no Brasil em 2010. Tem aplicações nas esferas públicas e privadas, além de estudos em universidades – sendo inserido em nível de graduação e especialização. No Rio Grande do Sul, por exemplo, o conceito vem ganhando cada vez mais espaço – seguindo a perspectiva nacional. É tema frequente de seminários e cursos do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU/RS) e órgãos públicos relacionados ao setor – visto que exige capacitação para a utilização.

Acompanhando inovações como essa, a Associação dos Engenheiros e Arquitetos da Região dos Vinhedos (AEARV) oferece suporte aos profissionais da região – incentivando a constante modernização e eficiente atuação, pra que os resultados do trabalho sejam cada vez melhores. Assim, para que arquitetos e engenheiros possam continuar evoluindo de acordo com o dinamismo do mercado atual, a AEARV está elaborando um calendário de atividades especialmente direcionado para oportunizar atualização e qualificação de seus associados. Congressos, conferências, cursos, seminários e debates que envolvam a área tecnológica estão entre as ferramentas que a entidade planeja oferecer neste ano.

É possível acompanhar as novidades e as qualificações da associação pelas redes sociais ou pelo site www.aearv.com.br.

10 motivos para o uso do BIM

  1. Fluxo de trabalho transparente e aberto
  2. Linguagem comum para os processos utilizados
  3. Dados pertinentes para uso durante todo o ciclo de vida do projeto
  4. Desenhos inteligentes com informações do projeto
  5. Desenhos e cálculos integrados
  6. Atualização automática dos desenhos e detalhes
  7. Quantitativos automáticos
  8. Análise da localização ideal do projeto
  9. Execução mais precisa
  10. Cronograma acertado

Foto: Obrafit

0 respostas

Deixe uma resposta

Escreva um comentário
Sinta-se livre para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *