Querem roubar os meus livros

13501601_1037598696328552_7966360402997829861_n

Por Elvis Pletsch

Digamos que hoje você esteja em uma joalheria e encontrou um belo relógio. Você prova o objeto e percebe que ele fica tão bem no seu pulso quanto no seu bolso. É uma boa notícia: ele está pela metade do preço. Infelizmente, você esqueceu a carteira em casa e decide voltar amanhã para concretizar a compra.

Quando você chega na loja no dia seguinte, o preço subiu muito e está além do seu orçamento. Ao perguntar o motivo ao gerente, descobre que o governo proibiu os descontos para relógios para combater a concorrência opressora.

Frustrante, não é? Infelizmente, estão tentando fazer isso com um dos maiores bens da humanidade e da minha vida – os livros!

A senadora Fátima Bezerra (PT- -RN) apresentou o projeto de lei 49/2015 que procura regulamentar os descontos em livros. Na teoria, é apenas mais uma regulamentação que pode passar despercebida pela maioria. Mas, na prática, o valor dos livros serão tabelados e não poderão ser vendidos por valores inferiores, com exceção para alguns eventos específicos, como as feiras do livro.

Mas para entender essa proposta, você deve lembrar que algumas livrarias estão falindo. A Saraiva e a Livraria Cultura entraram com pedido de recuperação judicial e já anunciaram o fechamento de diversas lojas pelo país.

Os motivos apontados? Crise econômica, sociedade que não lê e concorrência acirrada. E, realmente, todos os fatos são verdadeiros. Segundo a reportagem da folha de São Paulo, o faturamento do mercado livreiro caiu em 21% entre 2006 e 2017, e certamente você já leu alguma estatística como “1 em cada 3 brasileiros nunca comprou um livro”.

Além disso, após a entrada da gigantesca Amazon no mercado brasileiro, o consumo foi todo para lá. O problema é que ela não é uma mera vendedora de livros, ela também é dona do aplicativo “Kindle”, um serviço de assinatura para ler qualquer livro pelo celular, computador, ou pelo próprio aparelho criado pela Amazon, batizado com o mesmo nome.

Porém, em tempos de reclamação quanto à educação da sociedade, como defender uma lei que dificulta o acesso do brasileiro à leitura? Se o brasileiro realmente não lê, e os poucos leitores brasileiros estão gastando menos com livros, porque iríamos colocar a mão no bolso se o produto ficar ainda mais caro? Como poderia ser melhor que eu só possa comprar um livro, quando naturalmente eu poderia comprar dois?

O livro nunca foi e nunca será um produto de necessidade imediata, salvo exigências acadêmicas, onde a variação dos preços afeta pouco o consumo – como o pão ou a água – o que significa que uma alteração na política de vendas certamente afetaria o resultado final e, provavelmente, o efeito para os leitores seria catastrófico.

Mesmo supondo que a proposta fosse aprovada e, de alguma forma, o consumo se mantivesse constante, a probabilidade das livrarias tradicionais fugirem dessa crise é muito pequena, já que a concorrência não jogou sujo em momento algum – ela não obrigou ninguém a consumir os seus livros – ela apenas inovou e colocou o seu modelo de negócio, que mostrou-se muito superior ao convencional.

Estamos vendo isso acontecer em todos os mercados e os benefícios disso estão sendo alastrados por toda a sociedade. As novas iniciativas do mercado estão combatendo a pirataria e facilitando o acesso a material de alta qualidade por um preço menor sem mover qualquer canetada no Congresso – e aparentemente isso está assustando uma galera!

O Netflix e o Spotify estão fechando as locadoras e lojas de mídia, é verdade – mas também estão gerando renda para muito artista que nunca teve a oportunidade de atingir o consumidor fora do seu bairro, além de ter criado uma preguiça enorme para os marmanjos baixarem conteúdo ilegal.

Sou suspeito em falar, admito, me considero adepto e defensor dessas novas tecnologias e faz um bom tempo que abandonei as livrarias tradicionais para comprar os livros na Amazon. O fato de desfrutar das minhas leituras por um preço menor e ainda receber na mesma semana – ou imediatamente para as versões digitais – pesou muito na minha decisão, mesmo que nada supere a experiência de entrar em uma livraria e experimentar o breve sabor dos livros proporcionado pela sinopse de suas contracapas.

Mas, mesmo que não seja o seu caso, não faz sentido que você defenda que eu tenha que pagar mais caro para salvar uma empresa que está perdendo consumidores devido à sua própria ineficiência. Da mesma forma que você quer pagar menos no seu relógio, eu quero pagar menos nos meus livros, e é triste que um burocrata tenha o poder de decidir isso por mim.

0 respostas

Deixe uma resposta

Escreva um comentário
Sinta-se livre para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *