Pra Ficar na História

Documentário sobre a Villa Fitarelli e o seu criador mostra uma obra de resgate entre duas culturas

Cerca de 500 pessoas assistiram no último dia 3, a céu aberto, no Centro Histórico de Garibaldi, a pré-estreia do documentário longa-metragem “Pra Ficar na História”, sobre a vida e obra do veterinário colecionador Luiz Henrique Fitarelli, natural do município. O documentário, dirigido pelo cineasta Boca Migotto, é protagonizado pelo próprio Fitarelli, que construiu um museu da imigração italiana a céu aberto, na comunidade de Santo Alexandre, numa área de terra de 32 hectares no interior de Garibaldi. As imagens foram captadas em Garibaldi, entre 2014 e 2017, e na Itália, em 2016, nas comunas de Lentiai, Marostica, Canal San Bovo e Padova. “Levamos nosso protagonista para o norte da Itália, região de onde vieram seus antepassados e para onde ele faz o caminho inverso, em busca de suas origens”, ressalta Migotto, que também assina o roteiro.

Pra Ficar na História #08 - crédito Bruno Polidoro

Apaixonado por antiguidades, Fitarelli, aos 12 anos, começou a resgatar e restaurar objetos relacionados ao dia a dia da imigração italiana no Sul do Brasil. O hobby resultou na Villa Fitarelli, que representa a arquitetura das comunidades da Serra Gaúcha no final do século XIX. A Rede Globo locou várias vezes o espaço para cenário de minisséries e outras produções. O documentário, filmado com o apoio da Globo News, estreia em Porto Alegre no dia 8 de março.

Pra Ficar na História #02 - crédito Bruno Polidoro

Relações existentes entre a nossa região e o norte da Itália

Ainda em 2009, quando Boca Migotto produzia o curta-documentário sobre a Villa Fitarelli, a história do colecionador brilhou nos olhos do cineasta. O curta ganhou melhor direção e montagem no Histórias Curtas, concurso público da RBS. “A diferença é que um longa-metragem permite aprofundar questões que o curta não permite. O curta foi o que “seduziu” o pessoal da Globo News, que quis investir para transformar o curta em longa, justamente para aprofundarmos a história da Villa Fitarelli e do seu criador”, observa ele.

Pra_Ficar_na_História_06_cr_Bruno_Polidoro

Natural de Carlos Barbosa, Migotto, de 42 anos, desde 2008 se debruça em suas obras sobre questões da região onde nasceu e sobre a cultura da imigração italiana na Serra Gaúcha. “Já produzi uma série de obras que discutem questões como a preservação da nossa memória, a valorização da nossa cultura, os motivos que nos fazem exaltar nossa ascendência europeia, mas que não nos evita de derrubarmos a casa velha do nono quando uma construtora chega com uma proposta de troca do terreno por alguns apartamentos novos. Através do “Pra Ficar na História”, tento compilar e aprofundar, ao mesmo tempo, todas questões que foram abordadas mais superficialmente em outras obras por serem curtas ou obras de ficção. Também discutimos o próprio conceito de museu, buscamos estabelecer as relações existentes entre a nossa região e o norte da Itália, tanto sob o ponto de vista positivo quanto negativo. Existem várias camadas no filme, inclusive uma questionando a falta de percepção de lideranças políticas e empresários de municípios da região para a importância que deveríamos dar à cultura de forma geral”, observa Migotto. Na gravação do documentário nas comunas do norte da Itália, o cineasta diz ter sido surpreendido, de forma positiva, ao ouvir o dialeto Vêneto. “Retrocedi no tempo, lembrando da minha infância e das muitas conversas que ouvi nesse dialeto”.

Pra_Ficar_na_História_14_cr_Bruno_Polidoro

O protagonista do documentário, Luiz Fitarelli, 59 anos, também expressou sua valorização por manter viva a história contada de pai para filho. “Todos estes prédios históricos teriam histórias para contar”, disse, em meio ao Centro Histórico do município. Também agradeceu a compreensão da família tanto durante os anos de construção da Villa quanto nas gravações da produção. “Espero que, daqui muitos anos, todos ainda saibam a história da imigração italiana”, concluiu.

“Pra Ficar na História” tem produção executiva de Fabiano Florez e Mariana Mêmis Müller, é financiado através da Lei do Audiovisual e distribuição de Tathiana Mourão, da Pipoca & Filmes.

Pra Ficar na História #04 - crédito Bruno Polidoro

Sobre o diretor

Boca Migotto é formado em Publicidade e Propaganda, Especialização e Mestrado em Cinema, pela Unisinos. Estudou cinema na Saint Martins College, de Londres e, atualmente, é doutorando na FABICO/UFRGS. É professor do Curso de Realização Audiovisual da Unisinos e professor na Faculdade Cenecista em Bento Gonçalves. Em 2016 fundou a Teimoso Filmes e Artes. Seus mais importantes trabalhos em cinema e televisão incluem a série “Sapore d`Italia” (2013), primeira série de ficção da RBS TV gravada no exterior, a série de ficção “Bocheiros” (2014) (TVE-RS e Prime Box Brazil), e o longa de documentário “Filme Sobre um Bom Fim” (2015), foi selecionado para o Festival “É Tudo Verdade”. Além disso, dirigiu mais de 15 curtas e médias de ficção e documentário.

Pra_Ficar_na_História_12_cr_Bruno_Polidoro

0 respostas

Deixe uma resposta

Escreva um comentário
Sinta-se livre para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *