Rir e Chorar

GavaDemócrito e Heráclito foram dois filósofos gregos. Não há certeza sobre quando nasceram e morreram; sabe-se que viveram entre os séculos VI e V antes de Cristo. Demócrito desenvolveu a teoria do átomo; veja só prezado leitor: como é que alguém, há dois mil e quinhentos anos, tem uma ideia dessas? Não era fraco esse Demócrito. Heráclito também teve uma “sacada” genial – muito conhecida, aliás –, nos mostrando que é impossível banhar-se duas vezes no mesmo rio, lembra? Tudo muda, dizia ele, quem entra no rio e o próprio rio, que nunca é o mesmo. Uma admirável representação da impermanência de todas as coisas, de nossa própria vida que a todo instante se esvai.

Mas há uma historinha menos conhecida sobre os dois filósofos: quem a conta é Montaigne, o grande pensador francês. Ensina ele que Demócrito vivia a debochar e fazer gracejos da condição humana, do ridículo e absurdo da existência. Já Heráclito, piedoso e sentimental, passava a chorar as dores do mundo e da vida. E então Montaigne nos pergunta: riso ou lágrimas? Devemos ser como Demócrito, o “risonho”, ou como Heráclito, o “chorão”?

Montaigne opta pelo riso. Não por ser mais agradável, explica, mas porque mostra que não devemos levar tudo tão a sério. As lágrimas, dizia ele, sempre carregam consigo um tanto de vaidade, do dar-se importância desmedida às coisas. Mas o riso a que se refere Montaigne, repare, não é o riso de escárnio; é o que antes chamaríamos de “alegre bom humor”; essa virtude de ver a vida sob o prisma da leveza de espírito. E de aceitação de tudo, assim como tudo é. Isso, no entanto, nem sempre é tarefa fácil. Há momentos – sabemos todos – em que só as lágrimas nos salvam.

O homem é o único animal que ri e chora. Os outros animais até podem gemer, grunhir, uivar, ou emitir sons parecidos com uma risada, como faz a hiena. Macacos têm dutos lacrimais, mas somente para fins de limpeza. Um cachorro pode verter lágrimas, mas não de emoção. Somente o cérebro humano está capacitado para fazer rir e chorar. Se pararmos para pensar, isso é assombroso. Riso e choro nos distinguem, nos fazem verdadeiramente humanos.

A verdade é que a vida é feita de risos e lágrimas. A realidade nos dá motivos de sobra para essas duas emoções. E muitas vezes elas até mesmo se misturam: choramos de felicidade; rimos por nervosismo. Um olhar lúcido sobre o mundo e nos desesperamos: doença, tragédias, maldade, miséria, guerra, corrupção. Mas esse mesmo olhar nos mostra também o amor, a amizade, a caridade, a simplicidade e a beleza do universo. Razões não faltam, portanto, para rir ou para chorar.

Penso que risos e lágrimas são bênçãos dos céus. Enlouqueceríamos sem as boas gargalhadas da vida; também ficaríamos loucos se nos fosse vedado chorar. Quando perdemos a capacidade de rir, instala-se a melancolia. E quem já tentou chorar e não conseguiu, bem sabe o quão ruim é. Assim, alternando risos e lágrimas, seguimos. Por entre alegrias e tristezas; encantos e sofrimentos. Nesta doce e amarga tragicomédia que se chama vida.

0 respostas

Deixe uma resposta

Escreva um comentário
Sinta-se livre para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *