Pessegueiro em flor - Caçador SC (10)

Manejo de inverno em pessegueiros

Por Thompson Didoné
Enólogo Emater/RS-Ascar Bento Gonçalves
AGRICULTURA

No período de dormência das plantas do pessegueiro (inverno) vários tratos culturais são necessários para que se obtenha uma boa produção de frutas com qualidade. Podemos citar como práticas que estão sendo executadas: a adubação, poda seca, cultivo de culturas de cobertura de solo e tratamentos fitossanitários de inverno.

A adubação de correção deve ser baseada em análises de amostras de solo e, no caso de adubação de manutenção, deve também ser considerada a exportação de nutrientes do solo pelo volume de produção de frutos que são comercializados.

A poda seca é a principal prática cultural que está sendo feita e encontra-se bastante adiantada nas variedades superprecoces como a BRS Kampai e PS 25.399 (do cedo), cultivadas em mesoclimas mais quentes (vales de rios). Essas variedades já demonstram a abertura das primeiras flores, de forma antecipada, devido ao escasso número de horas de frio acumulado até o momento. Nesse caso, deve-se ter cuidado com a aplicação de caldas como tratamento de inverno, pois podem resultar em danos nas gemas floríferas.

Nos locais mais altos, boa parte da poda seca já foi feita na pré-poda ou poda de outono, cabendo destaque para a variedades Chimarrita (variedade mais cultivada) e PS 10.711 (do tarde). Nessas variedades recomenda-se a aplicação de calda bordalesa ou sulfocálcica.

A grande maioria dos pomares possui cobertura vegetal no solo, tendo importância evidenciada nesse ano de períodos chuvosos constantes. A proteção do solo, evitando ou diminuindo o efeito da erosão, a manutenção e elevação da matéria orgânica, a reciclagem dos nutrientes e a melhoria da estrutura do solo são algumas das vantagens que podem ser evidenciadas nesta prática.

Como tratamentos fitossanitários que podem e devem ser feitos destacamos a aplicação de calda sulfocálcica (enxofre e cal, mais fervura). Porém, deve-se ter o cuidado para que a calda seja armazenada de forma correta, em local seco e ao abrigo da luz. Também se faz necessário que a calda tenha a graduação em que são feitas as recomendações de diluição em água, que são baseadas em caldas com 32° Be. Sempre é importante saber a graduação da calda para fazer a diluição correta.

Na microrregião de maior concentração e cultivo de plantas de produção de pêssegos de mesa da Serra Gaúcha, constituída pelos municípios de Pinto Bandeira, Bento Gonçalves e Farroupilha, está sendo instalado o sistema piloto de monitoramento e alerta da presença de mosca das frutas, principal praga da cultura na região.

No mês de agosto o sistema de alerta passará a divulgar as informações e recomendações sobre o controle da mosca das frutas. Assim, no mês de julho estaremos divulgando em que se constitui e como funcionará o Sistema de Alerta Fitossanitário para a presença da Mosca das Frutas. Para mais informações entre em contato com o Escritório Municipal da EMATER/RS-ASCAR de um dos municípios citadas ou com a EMBRAPA de Bento Gonçalves.

0 respostas

Deixe uma resposta

Escreva um comentário
Sinta-se livre para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *