Melhora a conservação e a fiscalização da principal rodovia que passa por Bento

Federalização da RSC 470, agora BR 470, trouxe benefícios a “olhos vistos”

Reportagem: Natália Zucchi
Edição: Kátia Bortolini

A federalização do último trecho da RSC 470, de 143 quilômetros, compreendido entre Salvador do Sul e André da Rocha, ocorrida em 17 de março de 2015, trouxe benefícios à população de Bento Gonçalves e de outros municípios da região Nordeste do Estado. Entre eles, a restauração e o recapeamento do trecho da rodovia e a vinda da Polícia Rodoviária Federal.

unnamed (7)A troca de gestão do trecho, antes a cargo do Governo do Estado, atendeu reivindicações de entidades representativas de empresários e políticos, entre elas a CICS Serra e a Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste (Amesne). A federalização do trecho também estava sendo solicitada por populares, como os de um grupo criado no município de Veranópolis, em função dos inúmeros buracos até então existentes.

Entre Salvador do Sul e Bento Gonçalves foram 54 quilômetros de novo revestimento asfáltico. Houve também a sinalização da rodovia, com a implantação de placas de sinalização, tachas refletivas, tachões e pintura de faixas. Agora, estão sendo colocadas defensas metálicas de proteção. Essas ações integram o programa de conservação, com cronograma de obras até 2020. Outra melhoria é a atual reformulação do Trevo de interseção da BR 470 com a RST 453, de acesso a Farroupilha, conhecido como trevo da Telasul, local de constantes acidentes. A conclusão das obras na rótula está prevista para julho deste ano.

Priorizadas as obras de tapa-buracos

As obras no trecho entre Salvador do Sul e Bento Gonçalves, iniciadas em agosto de 2015, estão a cargo da empresa Construtora Centro Leste – CCL Engenharia, com escritório no município de Barão. O valor inicial orçado para o trecho pelo Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes (DNIT), de R$ 43.840.371,44, é destinado à restauração e manuten- ção, execução dos serviços de roçadas periódicas da vegetação às margens, limpeza e desobstrução dos dispositivos de drenagem, tapa-buracos, fresagem do pavimento existente, recapeamento e sinalização horizontal.

A BR 470 também faz parte do Programa Nacional de Segurança e Sinalização Rodoviária – BR Legal. Dentro do Programa, a empresa Sinalisa Segurança Viária é responsável pela instalação e revitalização dos elementos de sinalização. Os contratos com as duas empresas, firmados em 2015, são válidos para dois anos, podendo ser prorrogados por mais três anos.

unnamed (4)Já o trecho entre Bento Gonçalves e Nova Prata, de 57 quilômetros, foi delegado pelo DNIT ao DAER/RS, que também recuperou o trecho da rodovia entre o trevo de Faria Lemos e Veranópolis, de 19,41 quilômetros, através do Programa de Conservação e Manutenção (CREMA). Agora, o DAER/ RS executa a obra de recapeamento e a sinalização no trecho de Veranópolis para Nova Prata, de 25,8 quilômetros, com término previsto para o final de 2017.

Mais fiscalização

Até junho de 2016, a fiscalização do trecho entre Salvador do Sul e André da Rocha, de 143 quilômetros de abrangência, ficou sob os cuidados das polícias rodoviária estadual e federal. Eles atuaram em conjunto nas unidades operacionais situadas próxima ao acesso sul de Bento Gonçalves e em Veranópolis, na antiga Delegacia Sede.

Hoje a Delegacia Sede é a de Bento Gonçalves, que também tem uma unidade operacional da Polícia Rodoviária Federal (PRF). O patrulhamento é feito apenas pela PRF, que mantém plantão de 24 horas. O efetivo tem a função de fiscalizar o tráfego de veículos, mas também pode intervir em ocorrências fora da BR, como apoio em ações da Brigada Militar e da Polícia Civil dos municípios abrangidos pela Delegacia. Podem, ainda, supervisionar pontos das cidades ou eventos quando solicitados pela União. “Esse apoio é importante porque, atualmente, os órgãos de segurança do Estado contam com baixos efetivos, desmotivados pelas condições salariais”, avalia Gustavo*, relações públicas da Delegacia.

unnamed (5)A Unidade Operacional da Polícia Rodoviária Federal de Bento Gonçalves, de junho a dezembro de 2016, fiscalizou 10.086 veículos e aplicou 3.138 testes de bafômetro, sendo 107 positivos. Também captou 10.067 imagens pelo radar de fiscalização. O balanço dos primeiros seis meses de atuação dos policiais da unidade contabiliza 73 pessoas encaminhadas à Polícia Civil e nove veículos recuperados por furtos. No período, também foram apreendidos 42 quilos de cocaína, 1 quilo de crack e 18 quilos de maconha. Foram apreendidos ainda dois revólveres e duas espingardas com munições.

O destaque do período fica por conta do contrabando apreendido: foram diversos produtos, avaliados em cinco milhões, recolhidos nesses seis meses.

Nas fiscalizações de rotina os policiais avaliam as condições dos veículos, uso correto do cinto de segurança e realizam o teste do bafômetro. Os crimes de trânsito consistem em alcoolemia, direção perigosa, CNH suspensa e velocidade acima de 50% da estipulada. Essas fiscalizações também colaboram para prender foragidos da justiça, uma vez que a consulta por nome é realizada no momento da abordagem.

Motoristas alcoolizados

Conforme os policiais, a Delegacia recebe um número elevado de denúncias de moradores de Bento Gonçalves sobre motoristas que bebem em bares de vários pontos da cidade e depois se direcionam alcoolizados para a Rodovia. “Nós temos esse controle rígido porque não é só uma questão de preservação do motorista. Tememos pelas vidas das pessoas que estão nos outros veículos e acabam sendo vítimas fatais devido a imprudência desses motoristas. As pessoas não podem pensar só em si mesmas. Mas eu acredito que a população está mais consciente e tem respeitado mais. O que vemos na noite é que os grupos têm o motorista da rodada e os casais estão indo para casa de táxi. A cidade não é tão grande e, geralmente, os valores dos táxis são menores, comparando com os do estacionamento e da gasolina. Vemos que a geração mais nova tem se preocupado um pouco mais do que os próprios pais. Dos 107 testes positivos de bafômetro feitos no nosso primeiro semestre de atuação, mais da metade foram de pessoas acima de 35 anos”, afirma o PRF.

Velocidade

A fiscalização costuma ser mais intensa nos trechos de 60km/h e 80km/h, onde veículos são flagrados de 90 a 100 quilômetros por hora. “Se acontece alguma coisa a 60 e 70 quilômetros por hora, o motorista consegue desviar ou parar o veículo. Cinco quilômetros a menos fazem diferença no impacto e podem ser cruciais para determinar a gravidade de um acidente. Impactos e quedas nessa região serrana tornam os riscos ainda maiores.

Educação no Trânsito

Além da fiscalização, a PRF realiza palestras educativas para passageiros e motoristas de ônibus e de veículos de passeio, em abordagens que geralmente ocorrem em frente à Unidade Operacional. Nelas, os policiais orientam sobre o uso do cinto de segurança, divulgam as estatísticas de morte no trânsito (hoje, no Brasil, são 146 pessoas mortas por dia) e falam sobre os riscos ocasionados pela alcoolemia (concentração de álcool no sangue). Essas intervenções, de junho a dezembro de 2016, abrangeram 4.500 pessoas. Se convidada, a PRF faz explanações sobre estes assuntos em empresas e entidades.

Caminhões

“Não adianta o Governo Federal investir dinheiro público na manuten- ção das rodovias brasileiras se caminhoneiros e empresas de transportes não respeitarem o limite de carga. Além disso, a lentidão dos caminhões com cargas acima do permitido atrapalha o trânsito”, diz o PRF Gustavo. Durante o período dos seis primeiros meses de atuação da PRF no trecho foram flagrados vários caminhões com sobrepeso, totalizando 182 toneladas de sobrepeso. Ele conta que, no início deste ano, um caminhão foi flagrado transportando bananas com carga de sete toneladas acima do permitido. “O motorista foi multado, responderá processo por crime de trânsito e a carga teve que ser transferida para outro veículo”, acrescenta. Como não há balança pública no trecho, são usadas as de empresas privadas e a da Companhia Estadual de Silos e Armazenagens (CESA), localizada em Garibaldi.

unnamed (8)Iluminação da rodovia

A prefeitura de Bento Gonçalves, através da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana, em agosto de 2016 investiu R$ 144.870,00 em um quilômetro de iluminação em parte da rodovia que corta a zona urbana da cidade. A verba, segundo o Secretário Municipal de Mobilidade Urbana, Vanderlei Alves de Mesquita, é proveniente do Fundo de Iluminação Pública. “A benfeitoria proporcionou aumento da visibilidade, tanto no trânsito como no acesso para pedestres, além da diminuição de ocorrências de criminalidade”, destaca o Secretário.

Dica da PRF

“Seja para crime de trânsito ou furto, é importante registrar a ocorrência imediatamente, porque essa notificação vai fazer diferença. Cada denúncia colabora para as estatísticas e assim conseguimos identificar os focos e atuar de maneira mais acentuada em determinadas áreas”, alerta o PRF Gustavo.

*A Delegacia prefere não revelar o número do efetivo e o sobrenome dos policiais por medida de segurança.

0 respostas

Deixe uma resposta

Escreva um comentário
Sinta-se livre para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *