O Lado Ruim da Paz

Por Natália Zucchi

Coordenado pela Biblioteca Pública Castro Alves, programa Recode, da Fundação Bill e Melinda Gates, inseriu jovens em atividades culturais. O grupo Litearte Protagonistas do Amanhã se destacou pela produção cinematográfica “O Lado Ruim Da Paz”

Através do Programa Recode, da Fundação Bill e Melinda Gates, vinte estudantes de Bento Gon- çalves participaram de encontros semanais na Biblioteca Pública Castro Alves, entre abril e outubro de 2016, voltados ao desenvolvimento das competências do século XXI, à autonomia em Tecnologias da Informação e à resolução de problemas sociais. Os estudantes, com idades entre 13 e 16 anos, foram divididos em três grupos de trabalho, coordenados pela bibliotecária Eunice Pigozzo. Com um encontro semanal nas manhãs das terças, quartas e quinta -feiras, em contra turno às atividades escolares, Eunice buscou inserir a garotada nas mais diversas manifestações culturais e literárias.

No evento de encerramento do primeiro ciclo do projeto, em 31 de outubro de 2016, na Fundação Casa das Artes, cada grupo apresentou um produto midiático, como culminância das atividades propostas: jogo de RPG, encenação e curta-metragem. Entre os trabalhos, o curta “O Lado Ruim da Paz”, de 18 minutos, se destacou pelo engajamento do grupo, autointitulado Litearte Protagonistas do Amanhã – e pela atuação da protagonista, a pró- pria Eunice. Incentivados pela boa repercussão da experiência, o grupo se organiza para um próximo filme.

“Filhotinhos culturais”

Durante os encontros, Eunice apresentou aos estudantes o mundo da cultura e das artes, procurando ampliar suas interações. Através de análises reflexivas de fotografias, artes plásticas, música e literatura, explicou conceitos e características dos movimentos artísticos e literá- rios, fazendo conexões entre a ficção e a realidade dos jovens. O projeto oportunizou aos grupos a participa- ção em shows e visitas a centros culturais em Bento Gonçalves e Porto Alegre. “Foi um ano riquíssimo para eles. Cresceram muito através das diversas relações estabelecidas entre pessoas e arte. Esses jovens e tantos outros que já conviveram comigo na Biblioteca, são meus filhotinhos culturais”, comemora Eunice.

Como culminância do projeto, ela identificou em cada grupo a área em que os integrantes mais tinham aproveitado e, assim, propôs a atividade de encerramento. Visto a tendência ao audiovisual e a experiência prematura dos estudantes com as câmeras, ficou claro a escolha de um curta para o grupo formado por Marcos Vítor Prado, 13 anos, Laura Bergozza Pereira, 15, Júlia Nichet, 14, Êmelly Coghetto, 14, Lauren Bianchi, 14, Maria Eduarda Signor, 13 e Vitória Azambuja, 13. Em apenas três meses, os integrantes roteirizaram, produziram e gravaram o suspense “O Lado Ruim da Paz”, com direção e edição de Marcos Vítor Prado.

A narrativa é baseada no assassinato de um policial na Escola Mestre. Após dois anos, a viúva do policial (interpretada por Eunice), acha pistas que deixam o crime ainda mais intrigante. O curta foi gravado com a filmadora de Marcos e a câmera fotográfica de Laura. Como cenários, eles utilizaram a casa de Júlia e de sua tia Lisete Enderle, a biblioteca Castro Alves e o Cemitério Municipal de Bento Gonçalves.

Histórias de repercussão midiática

Até agora, o curta foi apresentado na Fundação Casa das Artes, na Livraria Dom Quixote e na Feira do Livro de Porto Alegre. “Meu canal serviu como um laboratório para aprender a lidar com a câmera e entender como funciona o processo de edição. Isso colaborou muito para a gravação desse primeiro filme”, conta o jovem diretor Prado, que também possui o canal “O Eclético”, no Youtube. Além de Marcos, Êmelly produz Fanfic (histórias ficcionais escritas por fãs baseadas em outras histórias de repercussão midiática) e histórias originais, de autoria da garota, publicados na internet. “Quando tinha 8 anos, pegava minha câmera e gravava pequenos filmes de terror. Na época, ganhei meu primeiro computador, mas como eu não tinha internet, ficava editando essas filmagens. Poder produzir o curta “O Lado Ruim da Paz” foi a concretização de um desejo”, revela.

Com o novo filme em vista, os jovens têm vendido o DVD desse primeiro curta, pelo valor simbólico de R$10,00, a fim de arrecadar recursos para o próximo trabalho. Também receberam doações de apoiadores e da livraria Dom Quixote. Ainda no início do mês de janeiro, o grupo iniciou o planejamento e roteiro para o novo filme, que será um média ou longa metragem, que abordará o assunto LGBT e amizade virtual, com mesclas de drama e comédia. “São assuntos que estão em destaque e que ainda tem muito a ser falado”, afirma a integrante Êmelly. Com estréia prevista para agosto deste ano, os estudantes já estão firmando parcerias com outros produtores culturais de Bento Gonçalves para iniciar as gravações em março. “Agora temos mais conhecimento sobre o que o que é viável fazer e o que dá errado. Nesse segundo filme, teremos mais tempo para produzir, com mais qualidade”, destaca a estudante Júlia.

0 respostas

Deixe uma resposta

Escreva um comentário
Sinta-se livre para contribuir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *